Pular para o conteúdo principal
DICA DE FILME

"PARIS, TEXAS" (1984)


Todos nós buscamos por algo, mesmo que não saibamos exatamente o quê. Quando vemos Travis caminhando a esmo no meio do deserto, logo no início de "Paris, Texas", pensamos: "O que ele procura? Por que caminha, aparentemente, sem destino?"

As respostas, ao longo das duas horas e meia do filme não serão nada fáceis. Mas, emocionarão. O irmão de Travis procura por ele há 4 anos, desde o seu desaparecimento. Quando finalmente o encontra, ele está maltrapilho, transtornado, com um olhar triste e perdido.



A partir daí, vemos as tentativas dele em se readaptar no convívio social. Dois detalhes importantes: ele tem um filho, Hunter, que irá tentar reconquistar, e além disso ele se recusa a dizer a qualquer um os motivos do seu desaparecimento.

É como se Travis fosse uma outra pessoa antes de sumir, e, por causa de algum trauma, tenha se sentido tão vazio que passou a vagar sem destino.

O diretor Wim Wenders impõe um ritmo bem lento à narrativa. Mesmo assim, as cenas se encaixam tão bem que você não sente o tempo passar... até chegar numa sequência já próxima do final. É quando Travis encontra alguém muito importante em sua vida. Ele lhe faz certas confissões, admitindo, dolorosamente, sua culpa por vários acontecimentos no passado.


O problema dessas cenas é justamente a falta do que tivemos de sobra na produção até então: ritmo. A exposição das dores, das mágoas, enfim, de toda uma história dos personagens é detalhista em demasia, e pode se tornar pedante para alguns que venham a assistir o filme.

Wenders teria se saído melhor se tivesse optado por algo mais enxuto e direto. Não chega a estragar "Paris, Texas", longe disso, mas que faz ele perder alguns pontos, isso faz.

Porém, tirando isso, o filme, como um todo é ótimo. A relação entre Travis e o filho que acabou de reencontrar é muito bonita. Desde o primeiro instante, torcemos para que tudo dê certo entre eles. O carisma dos personagens unido ao talento dos atores é a força motriz desse resultado.


As próprias questões humanas, levantadas com frequência na obra de Wenders, são bem exploradas. A busca por algo que nos complete, as difíceis decisões entre o certo e o errado, os arrependimentos, as mudanças de postura diante da vida... Tudo canalizado pelas figuras singulares de Travis e seu filho.

Bom destacar que a parte técnica da produção é primorosa. As tomadas aéreas, por exemplo, são deslumbrantes. No entanto, antes de serem meros recursos estéticos, refletem, e muito, a solidão do protagonista. São sequências que expressam sentidos interiores, estados de espírito.

A trilha sonora, a cargo do guitarrista norte-americano Ry Cooder, que voltaria a trabalhar com Wenders em "Buena Vista Social Club", é igualmente excelente. Minimalista, ela pontua as emoções dos personagens de maneira bastante eficiente e certeira.


O filme termina com Travis completando o ciclo que ele mesmo quebrou, há 4 anos. Pode ser uma forma de redenção, mas dá a entender também que a busca dele vai continuar. A dor, aparentemente, transforma-se em alívio, e ele segue; apenas segue.

É certo que "Paris, Texas" se alonga além do que deveria. Um erro, sim, mas dada a intenção de seu realizador, e as várias passagens fascinantes, é algo que pode ser levado em consideração.

Não se equipara, porém, aos maravilhosos "Asas do Desejo" e "Buena Vista Social Club". No entanto, ainda mostra um cineasta acima da média, com a sua notável preocupação pelo ser humano e suas disparidades.


E, se fosse só por isso, já seria válido assisti-lo.


NOTA: 8,5/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…