Pular para o conteúdo principal
DICA DE FILME


"TAXI DRIVER" (1976)
Direção: Martin Scorsese.





A solidão. Ato de olhar para si. Não ter ninguém. Refletir sua condição. Preencher o vazio com coisas mundanas. Quanto mais caminha, mais dúvidas vão aparecendo. O desespero em querer fazer algo, em poder SER algo. Até que... tudo explode da pior forma possível.

Pode parecer confuso, mas essa é a mente de alguém. Mais precisamente de Travis Bickle, um renegado, um pária, alguém simplesmente que está à margem da sociedade. Além de ser anti-social, ele nutre um profundo ódio pelo o que aí está.



O fato dele ter servido durante a Guerra no Vietnã contribui para o seu estado de espírito. E, agora, como taxista a perambular pelas ruas de Nova Iorque, seu desconforto só aumenta.

Nada parece lhe agradar. De seus amigos de profissão até uma jovem (que é cabo eleitoral de um conhecido candidato a Senador), nenhuma pessoa lhe interessa verdadeiramente. Isso até conhecer a Iris, uma garota de programa das proximidades. Travis sente uma profunda afinidade com ela, e passa a querer ser o seu "tutor".

É na relação entre Travis e Iris que vem a explosão. Violenta, com uma forte carga de justiça, e impressionantemente brutal.


O diretor Martin Scorsese faz aqui aquele que pode ser considerado o seu melhor trabalho. Mesmo construindo aos poucos a personalidade do protagonista, ele não perde a mão. Vai mostrando, pontualmente, cada fato que fará Travis afundar mais e mais em seu próprio íntimo.

Muito dessa atmosfera densa que permeia o filme se deve ao período em que ele foi feito. Na década de 70, os EUA ainda estavam arrasados pela vergonha ocorrida no Vietnã, e a sociedade, como um todo, estava imensa numa espécie de pessimismo.


O personagem Travis é a representação generalizada desse sentimento de desesperança e dessa busca por alguma redenção. E, é o tipo de papel que caiu como uma luva para o (ainda) jovem Robert De Niro. Sua interpretação é soberba. Consegue passar piedade e carisma de alguém tão arisco e sombrio.

Bom destacar que as outras atuações estão ótimas. Desde a estreante Jodie Foster até o sempre competente Harvey Keitel, todos desempenham um trabalho muito bom. A trilha sonora de Bernard Herrmann combina perfeitamente com o clima da produção, produzindo um jazz com muita melancolia e tristeza.


Os trinta minutos finais do filme são um caso à parte. De tão violenta (para a época), essa sequência teve que sofrer modificações técnicas na película original para que, por exemplo, a coloração do sangue não ficasse tão forte na tela. O resultado deixou as imagens com um tom meio "alaranjado" nessa parte; o que não diminui em nada sua tensão, diga-se.

E, assim como seu personagem principal, "Taxi Driver" foi, de certa forma, um filme renegado. Mesmo com o sucesso que fez, não ganhou nenhum dos vários Oscars que concorreu, mas, em contrapartida, arrebatou a Palma de Ouro em Cannes. O tempo, tranquilamente, tratou de colocá-lo como um clássico absoluto da sétima arte.


Analisando de forma contundente a questão da solidão humana, "Taxi Driver" aborda assuntos que dialogam conosco até hoje. Um filme verdadeiramente forte e bem elaborado, de um tempo onde Hollywood ainda fazia produções mais ousadas e instigantes.


NOTA: 10/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…