Pular para o conteúdo principal
DICA DE FILME

"E AGORA, AONDE VAMOS?" (2011)
Direção: Nadine Labaki.


O que é preciso fazer para se manter a paz? Para as mulheres retratadas em "E Agora, Aonde Vamos?" a solução encontrada foi distrair os homens de todas as formas possíveis.

A aldeia na qual a estória se desenrola fica no Líbano. Lá, há uma clara divisão entre as religiões cristã e islâmica. O lugar, rodeado por minas terrestres, tem apenas uma velha ponte que o liga às outras comunidades da zona.



À medida que a guerra avança no país, as mulheres da aldeia, fartas de fazer o luto pelos seus maridos e filhos, decidem boicotar a informação que lhes chega, destruindo o rádio e televisão comunitários.

Este é um filme que consegue mesclar comédia e drama de maneira bastante eficiente. Ao mesmo tempo que rimos dos planos das mulheres para entreter os homens, em outras cenas sentimos um nó na garganta com situações muito tristes, como o de uma mãe que chora a morte de seu filho, numa sequência realmente forte.


A história expõe, inclusive, algo que talvez possa soar revelador para alguns, mas que se trata de uma evidente realidade: são os homens que fazem, em essência, a guerra, e não as mulheres.

Em "E Agora, Aonde Vamos?", são ELES que sempre começam uma briga pelos motivos mais banais possíveis, para logo depois, ELAS tentarem apaziguar os ânimos, com receio de que um conflito armado se inicie no local.


Uma fala de uma personagem é bastante contundente para entender o cerne do drama dessas mulheres:

"Não aprenderam nada! Tenham um pouco de dignidade! Vamos acabar renegando a nossa fé! Acham que o único destino das mulheres é chorar por vocês?! Vestir luto nossa vida inteira?! Tenham piedade! Não passam de uns canalhas! Acabaremos enojadas de Deus e dessa aldeia de merda! É isso que é ser homem pra vocês?"

"E Agora, Aonde Vamos?" foi o segundo longa-metragem da atriz, roteirista e diretora franco-libanesa Nadine Labaki, que estreou em 2007 com o elogiado Caramelo. O roteiro ela fez a partir da guerra civil que dizimou o Líbano por 15 anos.


No entanto, a diretora faz questão de não citar o local da estória no enredo, pois, como disse à época do lançamento do filme, acredita que é o tipo de conflito de pode acontecer em qualquer lugar onde hajam diferença (principalmente, religiosas).

O final da produção (uma autêntica inversão de papéis) mostra de maneira simples e honesta que a tolerância religiosa é, sim, possível e nem um pouco utópica. Basta apenas que, principalmente, os homens saibam que a boa convivência deve ser um princípio básico.


NOTA: 8,5/10.

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Mulher Maravilha"
2017
Direção: Patty Jenkins


MAIS UM FILME DE SUPER-HERÓI GENÉRICO, "MULHER MARAVILHA" PECA, IRONICAMENTE, POR TER UM SUB-TEXTO MACHISTA EM SUAS ENTRELINHAS
Estamos diante de mais um filme de super-heróis, mais um do universo expandido da DC Comics no cinema, mais um com a enorme responsabilidade de entregar um material minimamente interessante, ao contrários dos pífios "Batman vs Superman" e "Esquadrão Suicida", sem dúvida, os dois piores filmes do gênero desses últimos anos, ao lado de "Quarteto Fantástico". Ou seja, "Mulher Maravilha" chega com uma tremenda carga a ser superada. A pergunta é: conseguiu cumprir a sua missão? Bem, digamos que sim e não. Ao mesmo tempo em que o filme acerta em alguns pontos que ficaram devendo em produções anteriores, ele também erra ao repetir alguns dos erros mais corriqueiros de longas do gênero, com um agravante que pode até causar certa polê…