Pular para o conteúdo principal
DICA DE FILME

"TEMPOS MODERNOS" (1936)
Direção: Charles Chaplin.


É um desafio falar de um clássico do cinema, principalmente, os mais antigos. O momento histórico era outro e, além disso, parece que tudo o que era pra ser dito sobre tal obra já foi exposto. Mas, se uma arte ainda é relevante para entendermos nossa sociedade, como "Tempos Modernos", sua indicação será sempre obrigatória.

Incrível como Chaplin foi pioneiro em diversas questões sociais presentes aqui. A máquina substituindo o homem e o homem virando máquina, a produção em massa explorando os trabalhadores, greves, desemprego... Tudo isso é mostrado sem soar panfletário ou didático.



A produção já começa "alfinetando" o conceito atual de trabalho, onde vemos carneiros em bando indo para algum lugar, e, logo após, são mostradas pessoas apressados andando pelas ruas. Como uma massa somente para fazer o sistema funcionar.

A própria fábrica onde Carlitos trabalha é opressora e nem um pouco confortável. O trabalho é repetitivo e não exige muito do intelecto dos empregados; apenas que façam. E, nem na hora do lanche eles têm sossego, pois existem telões em todos os lugares, inclusive no banheiro, onde sempre aparece a figura do chefe mandando voltar ao posto.


Há, inclusive, uma maravilhosa cena onde Carlitos, andando pelas ruas, vê uma bandeira cair de um caminhão. Ele a pega e começa a sacudí-la para tentar parar o motorista. Nisso, uma multidão que está numa manifestação passa a seguí-lo achando que ele é o líder de alguma revolta! Simplesmente soberba a ideia!

Existem outras cenas inesquecíveis, como quando, por acidente, Carlitos é "tragado" por uma máquina da fábrica, e, por alguns instantes, acaba fazendo parte das engrenagens dela. E, em nenhum momento ele deixa de trabalhar, sempre parafusando essas engrenagens!


Mas, nem sempre a comédia no filme tem como base a crítica social. Em outras sequências, encontramos muita leveza e simplicidade de um humor mais ingênuo, que tanta falta faz nos dias de hoje.

"Tempos Modernos" possui um discurso atemporal, alertando para o fato de deixarmos nossos sentimentos de lado em nome de um cotidiano desnecessariamente acelerado e mecânico. Detalhe que ele foi feito pouco depois da primeira grande crise econômica da era moderna: a quebra das bolsas de valores em 29!


Também é bom lembrar que ele foi proibido na Alemanha e na Itália na época do nazi-fascismo, por ser considerado "socialista demais", vejam só!

Com belas análises de uma sociedade que estava apenas começando a se "perder" em seu excesso de tecnologia, Chaplin construiu uma obra atemporal, que dialoga com várias gerações, faz pensar e rir em doses iguais, mas sem perder o foco altamente crítico.

Um filme que ficou pra história, pois.


NOTA: 9,5/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…