Pular para o conteúdo principal
FILME NÃO RECOMENDADO

"DEUS NÃO ESTÁ MORTO" (2014)
Direção: Harold Cronk.


Diz o ditado que, de boas intenções, o Inferno está cheio. Se essa máxima é verdadeira, não sei. Mas, é fato que muitas coisas aparentemente inocentes, ou que poderiam render boas discussões, acabam apelando para manipulações desnecessárias e mal-intencionadas.

Com o filme "Deus Não Está Morto", acontece exatamente isso. Seus primeiros 10 minutos já são suficientes para percebermos do que se trata: doutrinação em forma de cinema. Nada é colocado de forma espontânea; tudo é milimetricamente calculado para passar uma "mensagem".

O problema não é o fato de ser uma produção religiosa, nem de querer propagar uma crença. A grande questão que faz dele um filme ruim é COMO ele passa essa crença. E, o jeito encontrado pelos roteiristas foi o de forçar a barra em situações bastante inverossímeis, artificias.



A manipulação já começa com os próprios personagens, onde o professor de filosofia é retratado, logo de cara, como um vilão por ser ateu, e o jovem estudante cristão é colocado como um mártir, um herói da fé, que irá, inevitavelmente, converter o incauto e pecador professor.

O maniqueísmo reina absoluto. Quando se apresenta pela primeira vez à nova turma, esse professor fala algumas frases de efeito, e dois alunos já saem da sala. Logo após, ele mostra um quadro com vários autores, onde a única relação entre eles é o fato de terem sido todos ateus. A partir daqui, são insultos e mais insultos contra quem acredita num Deus.

Percebam o jogo: esse professor ensina INTRODUÇÃO à filosofia, e já começa a primeira aula com um assunto complexo como a existência ou não de um Deus, e ainda cita diversos filósofos só para ter a desculpa de dizer que eram ateus. Além disso, é bom salientar, que nenhum dos alunos reclamou dessa postura agressiva na coordenação da universidade (o que seria justo).


Aliás, essa sequência inicial é de muita má-fé. Dá a entender, claramente, que caso você seja religioso não poderá ler (muito menos, apreciar) autores como Foucault, Dawkins, Chomsky ou Camus. É um total estímulo à falta de conhecimento, onde estudar coisas diferentes de sua zona de conforto é errado; devemos conhecer apenas o que nos agrada, portanto.

E, essa doutrinação nem um pouco sutil segue caminho nas quase duas horas do filme. E, isso significa, em linhas gerais, desrespeito à outras crenças. Por exemplo: uma jovem muçulmana resolve se converter ao Cristianismo, e é expulsa pelo pai de casa. Já, um rapaz, vindo de uma China comunista, cujos pais são ateus, também resolve se converter! Fica parecendo que somente o Cristianismo é o caminho válido, do bem, e que os cristãos são o povo mais perseguido e oprimido do mundo.

Em outra cena pra lá de tendenciosa, um casal é interpelado por uma repórter, que lhes pergunta porque eles matam animais silvestres por diversão, e mesmo assim, frequentam a Igreja. "Não seria isso hipocrisia?", pergunta a repórter. Até pensamos que se trata de uma crítica da parte do roteiro a essa "categoria" de religioso.


Só que, no final do filme, esse mesmo homem que caça por entretenimento aparece no telão de um show gospel dizendo que Deus não está morto, e que quem estiver com um celular, que mande essa mensagem pra todos que conhecer. Detalhe: a repórter que fez aquela indagação ao casal descobriu que tinha câncer! Moral da história: nunca questione um cristão, pois Deus pode castigá-lo!!

Durante as palestras do estudante nas aulas de filosofia, até que o filme tenta mostrar alguns argumentos válidos. Tenta; mas não consegue. Em determinado momento, ele cita uma fala do cientista Stephen Hawking, que diz:

"Como existe a lei da gravidade, o universo pode e vai criar a si mesmo do nada."

Para depois, refutar isso com uma fala do matemático John Lennox:

"Uma  besteira permanece uma besteira mesmo quando é falada por cientistas mundialmente famosos."

Ou seja, não argumentou nada, não explicou coisa nenhuma. Apenas disse que Hawking podia ter dito uma besteira.


Mas, o pior foi reservado para a terceira e última palestra dele. No final, mostrando-se tão intolerante e arrogante quanto o seu professor, ele afirma, categoricamente, que os ateus não possuem valores morais, e que estes só podem ser adquiridos e ensinados sob a presença de um Deus.

Fechando com chave de ouro, ele sentencia:

"Estou dando aos meus colegas a liberdade de crer ou não, pois é assim que Deus quer".

Em suma: os obriga, veladamente, a crerem no que ele acredita. Isso está longe de ser livre arbítrio. Daí, todos os estudantes se levantam e gritam, em uníssono:

"Deus não está morto!"

Aleluia, não?


Como cinema, "Deus Não Está Morto" possui algumas (poucas) qualidades, como uma boa produção técnica (principalmente, na cena do atropelamento), e uma atuação competente de Kevin Sorbo, deixando para trás, definitivamente, seus dias da série televisiva "Hércules".

Mas, é só.


No mais, trata-se de um filme que serve para uma doutrinação fácil e rasteira a ser usada por líderes religiosos com preguiça de gastarem saliva em seus cultos.

Preconceituoso, arrogante e muito mal-intencionado, é o tipo de produção não recomendada para aqueles que buscam ver a questão religiosa tratada de maneira honesta, sem maniqueísmos.


Caso Deus exista (e não esteja morto), Ele, com certeza, sentiu vergonha desse filme.


NOTA: 2/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…