Pular para o conteúdo principal
DICA DE LIVRO

"1984" (1949)
Autor: George Orwell




Originalmente, a palavra distopia vem da medicina. Serve para indicar a localização anormal de algum órgão. Eis que o termo passou a ser empregado também para caracterizar sociedades imaginárias, controladas pelo Estado ou por outras entidades sociais. A opressão, nesse sistema, é o principal método.

Claro que a literatura não poderia se furtar em aproveitar tal ideia, e foram muitos os livros que se utilizaram do conceito de distopia para criarem alegorias críticas da sociedade, seja ele no momento em que foi escrito o livro, seja num futuro próximo. E, geralmente, tais obras são atemporais, não envelhecem, e ainda continuam a serem relevantes.

Dentre esses, um está no panteão dos grandes escritos distópicos, e conseguiu a façanha de servir de influência para várias formas de cultura. Trata-se de "1984", de George Orwell. Tal influência reside até no fato dele ter "emprestado" um de seus termos ("Big Brother", ou o "Grande Irmão") para esses reality shows que se popularizaram nos últimos anos.

Ironicamente, neste livro, Orwell critica justamente a alienação coletiva e a reprodução das mesmas (banais) ideias; algo que, não raro, esses reality shows produzem. Essa é a prova de que aqui temos um livro que precisa, vez ou outra, ser revisitado. Uma leitura atenta fará verificarmos inúmeros paralelos com os atuais sistemas. Seria a nossa sociedade atrasada ou "1984" é que é uma obra visionária?




Pelo exposto nas páginas do livro, podemos dizer que se trata de ambas as coisas. E, com certeza, Orwell não gostaria de estar tão certo assim. Mas, estava; e como estava! Sua visão é claríssima quando coloca o lema do Partido que controla a população no enredo de "1984":

"GUERRA É PAZ
LIBERDADE É ESCRAVIDÃO
IGNORÂNCIA É FORÇA"

Porém, não é só. Além dessas verdades absolutas, que precisam ser repetidas a todo instante por cada cidadão, tudo é controlado milimetricamente pelo Estado, liderado pelo "Grande Irm]ão", que nunca ninguém viu pessoalmente, mas que sempre está com sua lfoto estampada em cada esquina, em cada vitrine, em cada quarto de cada casa.

O Cúmulo chega ao nível de termos na trama uma "polícia do pensamento", que investiga até o que, provavelmente uma pessoa raciocina sobre tal assunto. Se, mesmo que por um breve instante, ela deixar transparecer que pensou algo de ruim a respeito do Partido ou do "Grande Irmão", pobre dela! Será levada presa, será submetida a uma horrível lavagem cerebral, isto se não for morta no meio do processo.

"Adormecido ou desperto, trabalhando ou comendo, dentro e fora de casa, no banheiro ou na cama - não havia fuga. Nada pertencia ao indivíduo, com exceção de alguns centímetros cúbicos dentro do crânio."

Todo acreditam ferrenhamente no Estado (ou, aparentemente, acreditam). Menos Winston Smith, funcionário do Ministério da Verdade (haja sarcasmo, sr. Orwell!). Ali, seu trabalho é simples: pegar todas as informações da mídia vinculadas ao Partido e ao "Grande Irmão" e readaptá-las à realidade atual.




Por exemplo, se o Partido lançasse um comunicado de que a produção de sapatos seria de 1 milhão de unidades este ano, e no final dele, a produção fosse de apenas 500 mil, Winston recolhia todos os jornais e revistas e modificava a informação passada antes. Agora, a promessa que o Partido tinha feito era de 200 mil unidades, e como tivemos 500 mil, superamos as expectativas. Sinistramente engenhoso!

Só que Winston passa, cada vez mais, a não só a questionar seu trabalho, mas também a refletir a respeito do sistema que, antes, ele idolatrava cegamente. A partir daqui, sua vida se torna perigosa; começam a brotar em seus pensamentos ideias revolucionárias, que ele sabe que precisa reprimir. Ele, então, apega-se a algumas poucas pessoas que também estão inconformadas com o Partido, e é nisso que ele se agarra para continuar sobrevivendo.

George Orwell constrói um conceito fascinante, obviamente, baseado na mais profunda realidade que (ainda) nos cerca. Seu contexto pode, facilmente, ser adaptado a qualquer sistema de qualquer lugar, bastando que, para isso, ele seja autoritário, ditatorial. Um sistema, pois, que oprime e esmaga qualquer forma de individualidade, supostamente, em nome de um "bem coletivo".




Não à toa, o autor foi rechaçado, em doses iguais, pela esquerda e pela direita. Ambas as ideologias se viram em "1984", que serviu de um grande espelho para elas. Nesse contexto, é interessante notar como os membros do Partido lidavam com os seus adversários:

"Não destruímos o herege porque nos resista; enquanto nos resiste, nunca o destruímos. Convertêmo-lo, capturamos-lhes a mente, damos-lhe nova forma (...) Trazemo-lo para o nosso lado, não em aparência, mas genuinamente de corpo e alma. Tornamo-lo um dos nossos antes de matá-lo." 

"1984", inclusive, custou muito caro a Orwell. Debruçou-se tanto na concepção da obra, cuja carga, de fato, era bastante pesada e tensa, que ele adoeceu, e dali, veio a falecer pouco tempo depois de terminar o livro. Hoje, descobriu-se, no entanto, que ele chegou a delatar alguns amigos que eram comunistas para o governo norte-americano. Por essa informação, seria "1984" uma forma de redenção?

Talvez. Porém, isso não tira a o mérito da extraordinária veia crítica contida nele. Ainda continua sendo uma leitura das mais relevantes (e urgentes).


NOTA: 9,5/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…