Pular para o conteúdo principal
DICA DE DOCUMENTÁRIO

"Estamira" (2004)
DIREÇÃO: Marcos Prado



A sabedoria é para poucos; muito poucos. Porém, ela cobra seu preço: um preço, muitas vezes, condicionado à falta de adequação social, seja isso através de uma (aparente) insanidade mental ou na recusa em se aceitar um Deus todo-poderoso imposto goela abaixo.

Estamira, vivendo num lixão, e com uma visão toda peculiar da vida, não se sente inserida nesses contextos de normalidade. Ela é sábia, sim, mas precisou conhecer o animal humano para adquirir tal conhecimento. Praticamente, ninguém a entende e ela vive em seu mundo; um mundo onde reina a verdade.



A nada ela se submete, a nada ela se curva. Entre frases desconexas e pontos inquietantes ("Você não vai à escola para aprender; vai para copiar! Copiar as hipocrisias e as mentiras!"), Estamira tem o que podemos chamar de liberdade.

No entanto, sua vida pessoal foi cheia de percalços: o enlouquecimento da mãe, as humilhações do marido, a incompreensão dos filhos, as violências sexuais que sofreu... Tudo converge pra ideias verdadeiramente críticas (principalmente, em relação a Deus), mas sempre acompanhadas de muita dor e sofrimento.


Nesse ponto, inclusive, ocorre uma das maiores divergências na vida de Estamira: o choque de sua visão de Deus com a religião do filho, que acredita que a mãe, simplesmente, está endemoniada. Tal atitude dele só faz piorar o estado dela, visto que ele só aceita vê-la novamente após "Deus a perdoar os seus pecados".

Acabam restando apenas quatro pessoas ao lado dela: suas outras duas filhas (uma, por sinal, que foi viver com uma madrinha, e parece ser a que mais entende Estamira), e dois amigos que trabalham com ela no lixão. Mesmo assim, parece não se apegar a ninguém.


O documentário é extremamente tocante ao mostrar a visão de mundo dela intercalada com as desoladoras imagens que ele vê todos os dias, como pessoas passeando entre o urubus, buscando restos para que possam suprir suas necessidades. É chocante quando o caminhão despeja os dejetos, inúmeros se aglomeram para pegarem o que podem.

A condição humana é muito bem retratada aqui, não como uma mera consequência naturalista, mas como resultado das ações do próprio homem. A escravidão, por exemplo, nada tem de natural, segundo Estamira: "Quando Izabel libertou os negros, não deu emprego a eles. Por isso, precisaram catar restos para sobreviver, e isso é muito triste." 


A busca dela pela verdade esbarra em muitas de nossas convenções sociais: quem é Deus, como somos tratados pela medicina, o sentimento de se importar com a condição miserável do outro, as várias formas de loucura, entre tantos outros interessantíssimos pontos de vista mostrados por ela.

A desolação de um mundo hostil e pueril não impediu que Estamira fosse crítica consigo e com os outros. A válvula de escape que usou (uma aparente deficiência mental) ainda tem um conceito muito limitado por nós, o que, invariavelmente, faz com que pensemos que ela é, pura e simplesmente, louca. Reduzida ao mínimo convívio social possível, ela só consegue enxergar o homem como um animal, mesmo que superior.


Mas, a vida, em si, não é louca? Os outros em volta de Estamira (em especial, o seu filho religioso) seriam mais sãos do que ela? O que eles também fazem de suas vidas? Não seria ele apenas uma pessoa livre, liberta de amarras e preconceitos?

Como documentário, "Estamira" é bem elaborado e chama a atenção pela força interior da protagonista. Como obra de arte limpa e cristalina, expõe  nossa condição, e nos induz a pensarmos como as nossas vidas são levadas, muitas vezes, para algo que está longe de ser a nossa real essência.

Lastimável pensar, porém, que mesmo com tanta sabedoria, isso não impediu que Estamira morresse em 2011, vítima, ao que tudo indica, de negligência médica. Mas, como ela mesmo disse uma vez, “visivelmente, se eu me desencarnar eu tenho a impressão que serei muito feliz."

Uma das mais tocantes e necessárias produções recentes do cinema no Brasil. Sublime e triste.


NOTA: 10/10. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…