Pular para o conteúdo principal
DICA DE FILME

"A Dança da Realidade" (2013)
DIREÇÃO: Alejandro Jodorowsky.


O cinema, em si, é simbólico por natureza. Falar de assuntos através de imagens e palavras que, aparentemente, falam de outra coisa sempre foi o mote da sétima arte. Porém, alguns filmes vão além e fazem do simbolismo a sua principal estrutura, seja ela estética ou ideológica.

"A Dança da Realidade", uma das melhores produções dos últimos tempos, vai exatamente por esse caminho e, justamente por isso, transforma-se numa experiência fascinante de se assistir. Com suas sequências, à primeira vista, desconexas, ele consegue uma ótima unidade para falar do valor da liberdade e criticar toda a forma de tirania.



O núcleo familiar do filme é bastante peculiar. Formado por um garoto tímido, com sua mãe que canta em tenor toda vez que fala e com um pai autoritário que é a cópia fiel de Stálin, esse improvável trio vive numa pequena cidade do Chile, sitiada por tropas de um regime ditatorial.

Pelas ruas e bares perambulam toda a sorte de miseráveis, sejam bêbados em busca de diversão, sejam mendigos mutilados por bombas numa guerra da qual nem eles compreendem. Em outro momento, vemos um desfile com bandeiras da suástica nazista, empunhadas por pessoas com máscaras idênticas, inexpressivas; sem identidade, portanto.


Os planos dos revoltosos para assassinarem o ditador do país são propositalmente dantescos. O próprio regime é uma grande piada. Enquanto pessoas doentes nas ruas passam fome, a elite do local se diverte com um concurso de cachorros, por exemplo. Ao mesmo tempo, as autoridades locais recolhem mendigos para serem levados aos lixões da cidade.

Forte, muito forte, mas extremamente poético e ousado. As imagens são provocativas e incômodas, mostrando o quão o ser humano pode ser, em última instância, ridículo. Também há um viés religioso (mais precisamente, espiritual) muito intenso aqui. A crítica, na verdade, recai sobre as religiões, e há um nítido incentivo ao cultivo interior de cada um.


O diretor Alejandro Jodorowsky aparece o tempo todo no filme, sendo uma espécie de consciência do garoto. Estendemos aí que o menino pode muito bem ser o alter-ego do cineasta, e que se ele não viveu, simbolicamente as situações descritas aqui, pelos menos, cremos que a inquietação dele com os males do mundo foi (e é) bastante intensa.

Próximo do final, o dedo é colocado em nossas próprias feridas. A dor é grande, mas, necessária. Por vezes, bancamos um tirano para fugirmos de nós mesmos, de quem, de fato, nós somos. Ao queimar os retratos de Stálin e do ditador chileno Ibanez, finalmente há, para o pai do menino, a libertação, a redenção, o expurgo.


A dança serve tanto para nos esquivarmos da realidade, quanto para irmos em direção a ela e enfrentá-la. Cabe, então, uma escolha. Mesmo que sejam passos difíceis, desajeitados, não importa. Que sejam, ao menos, verdadeiros. Eis aí, talvez, um das a principais simbologias que encontraremos aqui.

Bão obstante, o cineasta quer nos dizer mais que isso. Para tal, utilza uma bela analogia na derradeira sequência do filme: vários personegans são retratados em cartazes pintados de preto e branco, à beira de um cais. Nisso, um garoto, com roupas coloridas, corre no meio deles. O que podemos deduzir? Que nunca deixemos a criança dentro de nós morrer ou se contaminada por um mundo hostil.


Em suma: um cinema delicado, sutil em alguns momentos, desconfortável em outros, minucioso, e, em certos termos, até mesmo complicado (principalmente para um público mais acostumado aos blockbusters hollywoodianos). Porém, a quem se arriscar, terá a oportunidade de ver um filme realmente sublime.

Boa viagem.


NOTA: 9,5/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…