Pular para o conteúdo principal
DICA DE FILME

"O Cavalo de Turin" (2011)
Diretor: Béla Tarr.


A história está repleta de casos fascinantes envolvendo pessoas públicas. O filósofo alemão Nietzsche, por exemplo, é bem conhecido por um fato inusitado ocorrido com ele, e que foi o começo de seu declínio. Enquanto passava pelas ruas de Turin, em 1889, viu um cavalo sendo açoitado pelo seu dono. Em desespero, Nietzsche se abraça com o animal, impedindo que ele continuasse a apanhar.

Como resultado, o famoso filósofo é levado para casa, e passa os seus últimos 10 anos de vida enloquecido e sem se comunicar com ninguém. A partir desses acontecimentos (narrados no início do filme), a proposta de "O Cavalo de Turin" é mostrar o que aconteceu ao cavalo a ao seu dono após isso. Aparentemente, sacal e sem importância, a estória desses outros personagens tem mais mensagens do que aparenta.



O dono do animal tem uma filha, e ambos vivem num lugar completamente afastado da cidade, numa situação de bastante penúria e sofrimento. Possuem uma rotina incessante, quase robótica, onde ele, que possui um dos braços inutilizado, levanta-se toda manhã, é vestido por ela, os dois comem, cada um, uma batata, e ele sai com sua carroça, enquanto ela faz trabalhos domésticos. Isso todos os dias.

Só que alguns aspectos começam a mudar, apesar do cotidiano desolado, em que tudo aparenta inércia e sem vida. Primeiro, o cavalo passa a não querer sair, e também não come mais. Esse fato obriga seus donos a passarem mais tempo ainda nesse ambiente, como se estivessem cada vez mais "presos" nele. Além disso, o tempo castiga o local: um vendaval faz as coisas ficarem mais escassas, como, por exemplo, a água, que ela sempre pega num velho poço.


Pai e filha não parecem ter a consciência de que estão condenados. E, sem têm, recusam-se a mudar, mesmo que suas tradições, claramente, já não façam mais sentido. O que resta para ambos é passar a maior parte do tempo em frente à janela, olhando o lugar sendo devastado dia a dia pelo vendaval. Parecem ter perdido a esperança, sendo esta substituída pela brutalidade, pela ruidesa.

O ritmo só é quebrado quando, no meio do filme, um vizinho, velho conhecido deles, chega para pedir um pouco de aguardente. Enquanto espera pela bebida, declama um longo texto, como um aviso, onde a síntese pode ser traduzida como: "Nos tiraram tudo; nós é que não percebemos". E, provavelmente, foi essa a noção sentida por Nietzsche ao ver o cavalo sendo açoitado. Mais do nunca, é a percepção ou de que Deus não existe ou de que fomos abandonados por Ele.


Mesmo tendo ouvido esse discurso, o velho dono do cavalo finge não ligar, e continua sua rotina, nunca mudando nenhum dos seus hábitos, com exceção de um ou outro detalhe. A condenação é inevitável e muito próxima, principalmente quando os recursos do local vão diminuindo. Nem forças para fugir possuem, desistindo facilmente logo na primeira tentativa.

O diretor búlgaro Béla Tarr construiu um filme de difícil digestão. A fantástica fotografia em preto e branco dá um tom ainda mais opressor e melancólico a uma situação já angustiante. A câmera tem pouquíssimos cortes, onde cada sequência é mostrada como se fosse o início e o final de um ciclo vicioso. O que muda, no decorrer dos dias, é a apenas o ângulo em que as situações são mostradas. Visões diferentes para as mesmas ações, apenas.


Some-se a isso, longas sequências sem cortes com quase nenhum diálogo. Ou seja, a comunicação também é falha, quase primal. Pai e filha só se falam o necessário, pois até as palavras podem ter um peso descomunal. As duas horas e meia da produção são, propositalmente, desconfortáveis. Mesmo assim, a câmera acompanha de perto os personagens. Somos espectadores bem próximos dessa realidade. Sentimos o vento forte e até o frio das noites. Mas não podemos fazer nada; somos espectadores inúteis.

Béla Tarr consegue, a partir dos prováveis acontecimentos do outro lado de um fato conhecido, tecer um filme poderoso, que debate a condição humana, com poucas palavras e muitas imagens arrebatadoras. "O Cavalo de Turin" é pra ser assistido, estudado e entendido aos poucos, através de minúcias, de sensações inerentes à própria vida. Verdadeiramente magistral.



NOTA: 9,5/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…