Pular para o conteúdo principal
DICA DE FILME

"A Excêntrica Família de Antônia" (1995)
Direção: Marleen Gorris.


Há filmes que, claramente, são moralistas. Julgam as atitudes dos seus personagens o tempo todo, mesmo que se vistam, aparentemente, de liberais. E, é por isso que "A Excêntrica Família de Antônia" é tão delicioso de se assistir: ele não se limita a mostrar as ações dos personagens como certas ou erradas; apenas expõe o que fazem, cabendo ao espectador aceitar ou não o estilo de vida deles.

Já começa pela própria protagonista, Antônia, que, voltando à sua cidade natal depois de 20 anos, causa verdadeiro alvoroço entre os moradores locais pelas suas ideias. Junto com a sua filha, Danielle, faz o que quer, desde ser cortejada por um velho conhecido para se casar com ela, sem que ela aceite, até dar amparo à pessoas renegadas.




Por sinal, Antônia é um personagem fascinante. Presa muito pela liberdade de escolha das pessoas, tem um incrível senso de justiça, e é mais humana e caridosa do que muitas beatas que, assim, como ela, frequentam bastante a igreja. Mas, além dela, sua filha, Danielle, é outra que merece destaque. Querendo ter um filho (mas, sem se casar) escolhe um homem para poder ter relações e engravidar. Com total apoio da mãe.

É aí que nasce Therese, neta de Antônia, e desde cedo, mostra-se uma criança prodígio, com um fantástico poder de raciocínio. Tem como tutor "Dedo Torto", um senhor erudito da cidade, conhecedor de várias ciências, inclusive, da filosofia. E, como ele mesmo diz, que "o mundo é um inferno, habitado por espíritos atormentados e demônios", não tarda a Therese passar por um grande trauma, o que dá oportunidade, mais uma vez, para que conheçamos o imenso caráter de Antônia.



O filme, em si, é repleto de personagens. Alguns, comuns, outros, extraordinários, e certos repugnantes. Mas, a diretora Marleen Gorris deixa a cargo de quem assiste entender ou não a atitude de cada um de acordo com a sua própria consciência. O roteiro é de uma estrutura tão livre que aborda diversos assuntos complicados, como o abroto e o suicídio, porém, sem nunca soar raso ou simplista. Aprendemos a compreender, a entender, a tolerar.

E, é esse o ponto principal do filme: mostrar o ciclo da vida, com seus momentos felizes e tristes, e expondo a necessidade de não julgarmos erroneamente, e de respeitarmos a individualidade do outro. Mas, sempre com leveza, graça e ironia. Inclusive, o humor é uma das virtudes que encontraremos aqui. Mesmo não sendo uma comédia, a produção nos faz rir, principalmente do absurdo que é o ser humano.



Para completar, diria que "A Excêntrica Família de Antônia" é, em linhas gerais, uma ode à liberdade, à inteligência e ao amor (independente da idade, do sexo ou da ideologia). Viver em plenitude com os outros, baseado nessa forma de pensar. Um filme profundo e reconfortante. Um alívio em tempos tão duros e inquisidores.

NOTA: 9/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…