Pular para o conteúdo principal
DICA DE FILME

"A Pele de Vênus" (2013)
Direção: Roman Polanski.


Fazer cinema minimalista não é tão fácil quanto parece. É preciso que tudo esteja no lugar certo, na hora certa. É cinema de detalhes, de minúcias, de sutilezas. O cenário tem que ser quase um personagem à parte. As atuações, competentes, no mínimo. Um roteiro que explore mais do que a superfície mostre. E, uma direção precisa completam o pacote. "A Pela de Vênus" tem tudo isso.

Tendo feito um filme com características semelhantes dois anos antes ("Deus da Carnificina"), o diretor Polanski resolveu fazer algo mais declaradamente teatral. E, o resultado ficou, em muitos aspectos, melhor. A princípio, o enredo é simples: fala dos esforços de Vanda em convencer o diretor de teatro Thomas a interpretar um importante papel em sua nova peça, baseada na obra de Sacher Masoch, "Vênus em Fúria".




Apresentando-se com todos os estereótipos possíveis de jovem bonita, mas pouco inteligente, Vanda faz com que Thomas expresse muito de seu preconceito contra as mulheres. Inclusive, na sua adaptação a figura feminina é bastante humilhada e submissa aos homens. Porém, as observações que a atriz vai fazendo ao diretor vão mudando, gradativamente de tom, num impressionante jogo que se inverte.

Ao contrário de "Deus da Carnificina", que tinha uma mensagem mais clara a passar (a inabilidade em conviver com o "outro", gerando toda a sorte de violência), "A Pele de Vênus" dialoga como tema do poder, mais especificamente com o poder que os homens têm sobre as mulheres (ou, pelo menos, pensam que têm). A reflexão a respeito da submissão, e como ela oprime é feita de forma bastante contundente e esperta pelo filme, que provoca os clichês o tempo todo.



E, tudo converge para a produção conseguir um resultado fascinante. Depois de "O Pianista", Polanski não vem errando a mão em nenhum filme. Aqui, não seria diferente. Já, a dupla de atores principais (Emmanuelle Seigner e Mathieu Amalric) entregam personagens muito bem construídos, com o nível de ironia perfeito para tecerem uma dura crítica ao patriarcado, e, por tabela, a toda forma de opressão por quem tem muito poder.



O final do filme, simbólico, é um bem-vindo conselho à liberdade, ridicularizando de forma sublime toda e qualquer forma de abuso e sujeição. Com todos esses atributos, trata-se, pois, de mais um grande filme da safra recente de Polanski, um dos que pertencem à velha guarda, e que é sempre confiável em entregar algo com substância e personalidade.

NOTA: 9/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…