Pular para o conteúdo principal
DICA DE DISCO

"Selvática" (2015)
Artista: Karina Buhr.


Difícil falar de uma cantora como Karina Buhr. Além de sua carreira solo, ela escreve alguns ótimos textos sobre a condição atual da mulher na sociedade, além de fazer participações especiais muito boas para outros artistas, como a Banda Eddie. Mas, sozinha, ela deixou um pouco a desejar nos dois primeiros discos dela. Não que sejam necessariamente ruins, mas há algo ali que não se encaixa.

Olhando friamente pra esses primeiros trabalhos, podemos perceber que o que faltou mesmo é harmonia. Karina teve boas ideias para as suas músicas, mas se perdeu no exagero, e acabou deixando tudo meio freak (da forma de cantar, até as letras fracas). Já, em "Selvática", seu mais recente disco, a coisa parece que começa a mudar de figura logo na faixa de abertura.


"Dragão", que abre o álbum, não tem Karina carregando demais a sua voz, a letra é razoavelmente boa ("A tristeza ensina a enfrentar leões"), e o som sai redondo. Bom sinal. A sutil mudança de postura se confirma logo na sequência, com a música-manifesto "Eu sou um Monstro". Com uma batida envolvente, a canção não tem exageros, podendo ser ouvida sem contra-indicações. A letra, por sinal, é incisiva: "Mulher, a tua apatia te mata!"

O ritmo quebrado de "Conta Gotas", porém, mostra que Karina ainda está presa a certos vícios. com o som se salvando quando o instrumental ganha mais corpo. Canção uniforme demais, ficando, no frigir dos ovos, muito chata. O rock'n roll de "Pic Nic" poderia ser melhor com Karina cantando de maneira nenos afetada (outro de seus vícios antigos). A letra não ajuda muito. A desconfiança de que aqui será "mais do mesmo" começa.

Chega mais um rock'n roll, "Esôfago", e algo se faz nítido: por mais boa intenção que tenha, Karina não achou uma simetria com o estilo, com o resultado ficando, mais uma vez, esquisito demais, e sem carisma. "Cerca de Prédio" melhora um pouco as coisas, inclusive, com a mãozinha de Cannibal, do Devotos. Por ser um punk, a clara crítica da música cai muito bem na proposta. Metade do disco já se foi, e somente metade das canções conseguiu se sobressair. Em frente.


Voltando à calmaria, "Vela e Navalha" tem a seu favor a cadência de um blues moderno e uma interpretação contida (e acertada) de Karina. "Rimã" é minimalista e suave, e mesmo não sendo um primor, não decepciona. Ao vivo, ela deva soar bem agradável. Relaxante. Sonoridade agradável que também iremos encontrar no boa "Alcunha de Ladrão", cuja a alma é o reagge. E, de novo, a interpretação sem afetação não estraga as coisas. É esse o segredo.

"Desperdiço-Te-Me" é meio que a balada do disco. Bonita, mas Otto, quando resolve soar brega, consegue um resultado melhor (e mais intenso). Chegamos ao final do disco com a canção que dá título ao trabalho, "Selvática". E, aqui, não poderia ter fechamento pior. É o típico caso em que o excesso de mensagens estraga algo que poderia ser incrível. É louvável a atitude de Karina em querer compôr uma canção-protesto em favor das mulheres, mas também é música, e, como tal, não há harmonia ou coesão. Nunca é preciso cuspir mil palavras para expor a sua raiva. Uma pena.

Entre altos e baixos, esse acaba sendo o melhor trabalho de Karina, pois aponta os (bons rumos) que ela pode seguir. Os acertos estão aqui para serem melhorados, mas também ainda há muitos erros e exageros. Pensemos, então, em "Selvática" como um divisor de águas para que ela possa aprimorar o que de melhor mostrou neste disco. Bagagem para fazer boas críticas, Karina tem. Basta saber como mostrar isso da melhor forma.

Download gratuito do disco: http://www.karinabuhr.com.br/


NOTA: 6/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Mulher Maravilha"
2017
Direção: Patty Jenkins


MAIS UM FILME DE SUPER-HERÓI GENÉRICO, "MULHER MARAVILHA" PECA, IRONICAMENTE, POR TER UM SUB-TEXTO MACHISTA EM SUAS ENTRELINHAS
Estamos diante de mais um filme de super-heróis, mais um do universo expandido da DC Comics no cinema, mais um com a enorme responsabilidade de entregar um material minimamente interessante, ao contrários dos pífios "Batman vs Superman" e "Esquadrão Suicida", sem dúvida, os dois piores filmes do gênero desses últimos anos, ao lado de "Quarteto Fantástico". Ou seja, "Mulher Maravilha" chega com uma tremenda carga a ser superada. A pergunta é: conseguiu cumprir a sua missão? Bem, digamos que sim e não. Ao mesmo tempo em que o filme acerta em alguns pontos que ficaram devendo em produções anteriores, ele também erra ao repetir alguns dos erros mais corriqueiros de longas do gênero, com um agravante que pode até causar certa polê…