Pular para o conteúdo principal
DICA DE FILME

"Que Horas Ela Volta?" (2015)
Direção: Anna Muylaert.


De uns tempos pra cá, o cinema brasileiro vem tentando criticar a classe média. O problema é que geralmente essas produções, no alto de suas pretensões, não conseguiram realizar uma avaliação verdadeiramente mordaz ao estilo de vida individualista e mesquinho desse grupo, e, em alguns casos, parecem fazer apologia a ele (vide os sofríveis "O Som ao Redor" e "Casa Grande", por exemplo).

"Que Horas Ela Volta?" quebra esse paradigma. Consegue fazer uma boa análise dessas novas engrenagens sociais do Brasil, mas sem oferecer algo panfletário. A cineasta Anna Muylaert conduz o filme com muita leveza, simplicidade, com um certo minimalismo. E, que bom. Sem soar nem um pouco prepotente, o resultado é a exposição do cotidiano de uma família, com foco em sua empregada doméstica. A mensagem, então, vai sendo passada através dos pequenos acontecimentos.



No início, vemos Val (a empregada) cuidando do filho da patroa, Fabinho, ainda criança. Enquanto ele brinca na piscina, ela liga para procurar saber da filha, que ficou morando em Recife. Na cena seguinte, anos depois, ela já é "praticamente da família". E, esse praticamente é literal, pois, mesmo participando de alguns momentos importantes desse convívio familiar, tudo é muito bem delimitado, e Val sabe muito bem o seu "lugar" na casa.

Todos são muitos simpáticos com ela, mas muitos de suas coisas não são bem-vindas no estilo de vida deles. O tratamento dispensado à empregada “quase da família” ainda reproduz a casa grande e a senzala, porém com bons modos, numa aparente educação. Isso é bem mostrado quando Val dá de presente à patroa um conjunto de xícaras, e esta se recusa a usá-las numa festa, preferindo produtos caros e importados.



A situação começa a mudar quando a filha de Val, Jéssica, chega para ficar com ela em São Paulo, enquanto estuda para uma prova no vestibular. De cara, ela já percebe as condições de vida e trabalho de sua mãe. Desde o quarto minúsculo que terão que dividir até a resolução velada de que empregados não podem jamais comer na mesma mesa dos patrões. E claro, vai mostrar que não aceita sob nenhuma hipótese ser “pior” do que ninguém, mesmo sendo tratada como a "filha da empregada".

Com muita sutileza, o filme vai tecendo suas críticas. Quando, por exemplo, Jéssica ao conversar com os patrões de sua mãe, diz que quer fazer Arquitetura por motivos sociais, a patroa de sua mãe faz cara de nojo, e desabafa: "Esse país está mudando!" É o espanto de um grupo assustado com a possibilidade de perder seus privilégios, ante o direito dos outros.  Expondo assim, com "pequenas-grandes" cenas, percebemos que o longa não quer dar um passo maior que as pernas.



O filme é recheado de sequências que são ótimas críticas. No entanto, sem serem expositivas demais, passam o recado com bastante naturalidade. Cabe ao espectador identificar cada uma dessas "alfinetadas", e daí será fácil traçar um paralelo com o Brasil atual. Nesse sentido, Anna Muylaert, responsável também pelo roteiro, não quis "reinventar a roda". Fez o caminho mais honesto e bem-intencionado possível, e até o mais difícil, já que a cobrança dos filmes que se propõem críticos é que tenham muita “intelectualidade”.

As atuações são ótimas, mas, o destaque vai mesmo para Regina Casé. Ela faz de Val uma personagem singela, cativante, mas, por incrível que pareça, sem tanta afetação. Vale ressaltar também a presença de Lourenço Mutarelli, que faz o patriarca da casa, e que possui papel-chave na trama. Mutarelli, inclusive, a exemplo de "O Cheiro do Ralo", mostra bastante carisma e competência como ator.


Reclamações? Praticamente nenhuma. Antenado com o seu tempo, a produção passa sua crítica de forma delicada e minuciosa. "Que Horas Ela Volta?", antes de ser, quem sabe, estudado futuramente nas escolas e universidades, quer ser compreendido, quer dialogar nossa atual situação social, nossos preconceitos, nossas exclusões, nossos egoísmos. E, isso tudo, sem querer ser "cult".


NOTA: 9/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Mulher Maravilha"
2017
Direção: Patty Jenkins


MAIS UM FILME DE SUPER-HERÓI GENÉRICO, "MULHER MARAVILHA" PECA, IRONICAMENTE, POR TER UM SUB-TEXTO MACHISTA EM SUAS ENTRELINHAS
Estamos diante de mais um filme de super-heróis, mais um do universo expandido da DC Comics no cinema, mais um com a enorme responsabilidade de entregar um material minimamente interessante, ao contrários dos pífios "Batman vs Superman" e "Esquadrão Suicida", sem dúvida, os dois piores filmes do gênero desses últimos anos, ao lado de "Quarteto Fantástico". Ou seja, "Mulher Maravilha" chega com uma tremenda carga a ser superada. A pergunta é: conseguiu cumprir a sua missão? Bem, digamos que sim e não. Ao mesmo tempo em que o filme acerta em alguns pontos que ficaram devendo em produções anteriores, ele também erra ao repetir alguns dos erros mais corriqueiros de longas do gênero, com um agravante que pode até causar certa polê…
Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…