Pular para o conteúdo principal
DICA DE FILME

"Que Horas Ela Volta?" (2015)
Direção: Anna Muylaert.


De uns tempos pra cá, o cinema brasileiro vem tentando criticar a classe média. O problema é que geralmente essas produções, no alto de suas pretensões, não conseguiram realizar uma avaliação verdadeiramente mordaz ao estilo de vida individualista e mesquinho desse grupo, e, em alguns casos, parecem fazer apologia a ele (vide os sofríveis "O Som ao Redor" e "Casa Grande", por exemplo).

"Que Horas Ela Volta?" quebra esse paradigma. Consegue fazer uma boa análise dessas novas engrenagens sociais do Brasil, mas sem oferecer algo panfletário. A cineasta Anna Muylaert conduz o filme com muita leveza, simplicidade, com um certo minimalismo. E, que bom. Sem soar nem um pouco prepotente, o resultado é a exposição do cotidiano de uma família, com foco em sua empregada doméstica. A mensagem, então, vai sendo passada através dos pequenos acontecimentos.



No início, vemos Val (a empregada) cuidando do filho da patroa, Fabinho, ainda criança. Enquanto ele brinca na piscina, ela liga para procurar saber da filha, que ficou morando em Recife. Na cena seguinte, anos depois, ela já é "praticamente da família". E, esse praticamente é literal, pois, mesmo participando de alguns momentos importantes desse convívio familiar, tudo é muito bem delimitado, e Val sabe muito bem o seu "lugar" na casa.

Todos são muitos simpáticos com ela, mas muitos de suas coisas não são bem-vindas no estilo de vida deles. O tratamento dispensado à empregada “quase da família” ainda reproduz a casa grande e a senzala, porém com bons modos, numa aparente educação. Isso é bem mostrado quando Val dá de presente à patroa um conjunto de xícaras, e esta se recusa a usá-las numa festa, preferindo produtos caros e importados.



A situação começa a mudar quando a filha de Val, Jéssica, chega para ficar com ela em São Paulo, enquanto estuda para uma prova no vestibular. De cara, ela já percebe as condições de vida e trabalho de sua mãe. Desde o quarto minúsculo que terão que dividir até a resolução velada de que empregados não podem jamais comer na mesma mesa dos patrões. E claro, vai mostrar que não aceita sob nenhuma hipótese ser “pior” do que ninguém, mesmo sendo tratada como a "filha da empregada".

Com muita sutileza, o filme vai tecendo suas críticas. Quando, por exemplo, Jéssica ao conversar com os patrões de sua mãe, diz que quer fazer Arquitetura por motivos sociais, a patroa de sua mãe faz cara de nojo, e desabafa: "Esse país está mudando!" É o espanto de um grupo assustado com a possibilidade de perder seus privilégios, ante o direito dos outros.  Expondo assim, com "pequenas-grandes" cenas, percebemos que o longa não quer dar um passo maior que as pernas.



O filme é recheado de sequências que são ótimas críticas. No entanto, sem serem expositivas demais, passam o recado com bastante naturalidade. Cabe ao espectador identificar cada uma dessas "alfinetadas", e daí será fácil traçar um paralelo com o Brasil atual. Nesse sentido, Anna Muylaert, responsável também pelo roteiro, não quis "reinventar a roda". Fez o caminho mais honesto e bem-intencionado possível, e até o mais difícil, já que a cobrança dos filmes que se propõem críticos é que tenham muita “intelectualidade”.

As atuações são ótimas, mas, o destaque vai mesmo para Regina Casé. Ela faz de Val uma personagem singela, cativante, mas, por incrível que pareça, sem tanta afetação. Vale ressaltar também a presença de Lourenço Mutarelli, que faz o patriarca da casa, e que possui papel-chave na trama. Mutarelli, inclusive, a exemplo de "O Cheiro do Ralo", mostra bastante carisma e competência como ator.


Reclamações? Praticamente nenhuma. Antenado com o seu tempo, a produção passa sua crítica de forma delicada e minuciosa. "Que Horas Ela Volta?", antes de ser, quem sabe, estudado futuramente nas escolas e universidades, quer ser compreendido, quer dialogar nossa atual situação social, nossos preconceitos, nossas exclusões, nossos egoísmos. E, isso tudo, sem querer ser "cult".


NOTA: 9/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…