Pular para o conteúdo principal
Dica de Documentário

"Cobain - Montage of Heck" (2014)
Direção: Brett Morgen.


Aviso: esta resenha foi escrita por um fã inveterado do Nirvana e da pessoa de Kurt Cobain. Por isso, não estranhem se aqui ou acolá aparecerem alguns adjetivos um tanto exagerados. Ossos do ofício. Contudo, tentarei ser o mais imparcial possível para que vocês tenham noção da qualidade deste documentário. Só que, de cara, tenho que admitir: que tremendo filme conseguiram fazer!

O que, de fato, temos aqui é um apanhado nada óbvio de um dos grandes expoentes da música nas últimas décadas (perdão pela constatação, Kurt. Sei que você não aprovaria!). Seria muito fácil explorarem o já tão explorado suicídio dele como "mais uma atitude insana de um roqueiro viciado em drogas". Não, a questão apresentada aqui vai mais fundo, e tenta buscar as origens de tudo o que se passou na vida do artista.



Para tanto, são mostradas imagens dele ainda bebê. Com o passar dos anos, o documentário vai expondo, claramente, que ele era uma criança hiperativa, ao mesmo tempo que carente. Ter pais ausentes (e até de uma certa forma, ignorantes) só contribuiu para Kurt ficar cada vez mais "rebelde". Uma rebeldia até justificável, já que fica nítido que ele passou a ser rejeitado por toda a família, sem exceção! Evidentemente, que isso cobraria o seu preço mais tarde.

O bom desse filme é que ele preenche "lacunas" de forma esperta. Seria muito pedante ele só mostrar depoimentos de familiares e amigos de Kurt, mesclados com imagens de "arquivos pessoais". Portanto, para driblar isso, foram produzidos espécies de "clipes" com as músicas do Nirvana, cada um representando um estágio diferente na vida dele, além de animações que ilustram bem sua trajetória, e dão uma bela arejada na narrativa.




Um dos pontos altos é quando o Nirvana "estoura" depois do arrasa-quarteirão "Nevermind". Nesse momento, a mãe de Kurt fala que chorou de tristeza e medo após ouvir uma demo desse disco, pois ela viu, nitidamente, que o filho estava com problemas e não aguentaria a pressão. E, realmente, Cobain passa a mostrar um imenso tédio e descomunal desconforto durante entrevistas, shows, etc. Ser "porta-voz" de uma geração era demais para a mente dele.

Começa, então, um período bem autodestrutivo em sua vida. O proposital "péssimo" show que ele fez no Hollywood Rock, no Brasil, demostra isso. A banda também meio que embarcou nessa sabotagem contra si mesmos, e, ao invés de lançarem um "novo Nevermind", colocam no mercado um disco de extras e demos da época em que eram mais punks e crus. Por sinal, mercado e mídia que Kurt odiava, e teria razões suficientes pra isso.



Depois de conhecer Courtney Love, e ter uma filha com ela, a imprensa não perdoou. Eram normais manchetes do tipo "Filha de Cobain já nasce drogada", entre outras coisas do tipo. A abstinência dele por heroína, com isso, só fez piorar. Em paralelo, todos esperavam o novo álbum do Nirvana, preferencialmente tão pop e radiofônico quanto "Nevermind". O tapa na cara veio com "In Utero", melhor e mais sujo disco da banda.

E, tudo isso é contado no documentário sem pressa, pontuando as informações que são necessárias, e, melhor: não julgando Kurt em nenhum momento. Mostrá-lo brincando tão apaixonadamente com a filha, ao passo que ele se acabava física e mentalmente por conta de uma fama que ele não soube administrar, expõem um artista humano, cheio de virtudes e defeitos, mas, primordialmente, humano. E, muito honesto, franco e inocente.


"Cobain - Montage of Heck" termina da maneira mais sóbria e respeitosa possível: apenas com a informação de que Kurt cometeu suicídio aos 27 anos de idade. Ponto. Terminado. Sem nenhuma exploração desse fato, sem nenhuma sensacionalismo. Isso porque o objetivo pareceu ser trazer o artista mais pra perto de nós, fora da "aura mítica" de grande astro do rock. Apenas, uma pessoa extremamente triste e angustiada com uma sociedade, esta sim, doente. Obrigado, Kurt!


Nota: 9/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…