Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"Gen - Pés Descalços" (1983)
Direção: Mori Masaki.


O tema da Segunda Guerra, de uma certa ótica, pode estar meio batido. E, de fato, são tantos filmes sobre o assunto (muitos de qualidade duvidosa), que hoje parece ser o tipo de assunto que não interessa ver numa produção para cinema. Mas, como bem demonstra a animação "Gen - Pés Descalços", ainda há muito a ver (e, a refletir) sobre o devastador conflito que, em poucos anos, dizimou mais de 70 milhões de vidas ao redor do planeta.

Este desenho aqui se debruça mais especificamente na tragédia da bomba atômica em Hiroshima. Baseado no mangá de Keiji Nakazawa (um dos sobreviventes de Hiroshima), a produção é uma bela e forte adaptação, que não economiza em críticas não só à guerra em si, mas, ao próprio governo japonês, que só se rendeu após a segunda bomba ter sido jogada na cidade de Nagazaki. Logo no início, por exemplo, soldados são mostrados como robôs programados, marchando por algo que nem eles entendem.




"Gen" também aproveita a tradição das animações japonesas em contarem uma estória pela ótica das crianças, o que parece mexer mais com a sensibilidade do espectador, fazendo-o entender ainda mais o que esse tipo de sofrimento proporciona. A primeira parte do desenho, mostrando uma Hiroshima com sérias dificuldades financeiras, mas, caminhando com relativa paz, vai moldando o nosso espírito para a revolta do que vem a seguir.

E, o que se segue, é, obviamente, brutal. Por sinal, impressionante como as cenas de destruição da bomba atômica são mostradas com imenso realismo. Não faltam prédios voando pelos ares e pessoas, literalmente, derretendo com um calor gerado de mais de 4000º C em decorrência da explosão. Nesse ambiente, um dos sobreviventes, Gen, junto com sua mãe grávida, perdeu toda a família, e agora precisa sobreviver, vagando em busca de comida, entre escombros e corpos queimados pela radiação.





Apesar de uma situação horrível, o roteiro não faz os personagens se renderem às atribulações. Mesmo com os dramas que vão encontrando, Gen e sua mãe persistem, e mais uma vez, somos confrontados com o fato de que são sempre os civis que pagam pelos absurdos de seus governos. Numa cena, só pra ilustrar, a mãe do protagonista simplesmente grita "Por quê eles não fizeram isso antes?", quando ouviu que o Japão havia se rendido. Uma sequência rápida, porém, muito significativa.

A trilha sonora é singela, com canções que combinam bem com o clima da produção. Talvez a qualidade da animação incomode um pouco. Mas, é bom lembrar que se trata de um desenho do início da década de 80. E, mesmo assim, ainda consegue apresentar algo satisfatório, e até marcante, principalmente nas cenas de desolação na cidade, muito representativas para ilustrarem o teor real de uma guerra sem precedentes.



Como a ótica é, majoritariamente, infantil, é bastante lúdico ver situações de descontração e brincadeiras das crianças, mesmo na guerra, mostrando a importância em se manter uma certa inocência. Apesar disso, não tarda a Gen ficar mais consciente e, automaticamente, mais taciturno e triste com tudo o que vê. É um aprendizado, e a bomba representa, neste caso, o seu "rito de passagem". Contudo, sua esperança continua. E, ele sobrevive.

Como tantos outros desenhos japoneses, "Gen - Pés Descalços" é muito triste, mas tenta passar a fé num futuro melhor. Por isso, a visão quase sempre é das crianças, que, com seu jeito direto e simples de verem as coisas, talvez tenham respostas das quais vivemos perguntando. Crianças que, mesmo no meio do absurdo, ainda conseguem preservar algo do qual se precisa (hoje em dia, mais do que nunca).


Nota: 9/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…