Pular para o conteúdo principal
Dica de Disco

"The Congregation" (2015)
Artista: Leprous.


Ok, eu tenho que começar sendo clichê (é inevitável): este é um disco difícil, daqueles que precisam de sucessivas audições para que todas as nuances, detalhes e miudezas do som sejam amplamente entendidas. A primeira impressão, por si, já engana. O que esperar de um álbum com uma capa tão tenebrosa? Um brutal heavy metal de letras macabras? Não, mesmo. As composições são, sim, sombrias, mas, tristes, com uma bela dose de melancolia e poesia, até.

Se não, vejamos como a coisa aqui é inusitada e estranhamente cativante. A primeira música, "The Price" se inicia com uma batida quebrada, porém, cadenciada. Então, uma voz suave, à lá anos 80, entra fazendo a cama de uma composição que, em poucos segundos, já se mostra completa. É aí que o refrão explode com tudo, nesse momento, para os mais entendidos de plantão, a ficha cai. O Leprous faz é prog metal, e dos bons. De cara, por exemplo, uma das influências parece ser o Mars Volta, o que já torna tudo ainda melhor.

O disco segue com "Third Law", mais ou menos, na mesma linha da canção anterior, e o que dá pra perceber é que o grupo tem um tremendo de um baterista (Baard Kolstad). Outra coisa perceptível apenas nessas duas amostras, é que, apesar de arrastado, o som da banda tem uma melodia absurda de excelente; é como se o ouvinte ficasse hipnotizado, e não conseguisse parra de ouvir. Mérito da voz poderosa de Einar Solberg. Chega a soar épico.

A terceira faixa, "Rewind", mais uma vez, engana os desapercebidos. Começa minimalista, com alguns dedilhados secos dos instrumentos, para, depois de 2 minutos, mostrar mudanças de andamento, ao melhor estilo de som que se preze chamar de progressivo. Já, "The Flood", mesmo pesada, com uma linha heavy muito bem delimitada, é cansativa. Não apresenta o impacto das demais, sendo praticamente uma composição "comum" (para os padrões do Leprous, claro).


A situação melhora (muito) com a seguinte, "Triumphant", que começa quase dançante, e despeja um mundo de guitarras estridentes, misturadas a um refrão realmente pegajoso. Ponto alto do disco, sem dúvida. Aqui já dá pra notar, facilmente, uma identidade, apesar das inúmeras referências. E, mesmo com ideias até simples, a banda consegue produzir um som trabalhadíssimo, de muito bom gosto, chegando até a parecer palatável aos ouvidos como algo pop.

"Within my Fence" é mais um destaque do álbum (o que é bastante comum, dado o alto nível do material). Essa canção aqui é um rock simples, que não passa dos 4 minutos, e, por isso mesmo, surpreende, pois mostra uma faceta diferente da banda, sem descaracterizá-la. Entra a bela introdução de teclado de "Red", e, por pouco, contemplamos o paraíso. Composição também de muita qualidade, que vai crescendo, e mostrando certa virtuose dos instrumentistas; afinal, estamos diante de um trabalho progressivo, no final das contas.

A canção "Slave" começa, e, praticamente, achamos estar diante do Black Sabbath das antigas, com direito a guitarra soturna e tudo. Só que a voz entra, e o que se segue é uma música com um refrão lindíssimo. No entanto, no meio dela, o que o Leprous apronta para o ouvinte? Uma mudança de andamento monstruosa, com um vocal gutural, de puro death metal! O que dizer disso? Brilhante, até porque, no final, a banda retoma o belo refrão do início. Em suma: eles não têm medo de arriscar.

O clima presente em "Moon" é anos 80 total. Dá até pra vislumbrar as típicas festas da época, tendo essa música como trilha sonora. "Down", outra poderosa faixa desse disco, apresenta as mesmas batidas quebradas que ouvimos no início, com diferenciais no andamento que, sim, fazem a diferença. "Lower" encerra oficialmente o álbum de maneira bem simples. Boa, mas, longe do padrão de qualidade que a própria banda nos acostumou. Culpa dela ter nos tornado tão exigentes!

Felizmente, o disco apresenta um bônus (e que bônus!): a música "Pixel" é tudo o que o Leprous é, em essência: intensa, porém, elaborada. Praticamente um resumo do que ouvimos até então em "The Congregation". Agora, sim, dá pra dizer: eles encerraram um trabalho e tanto com chave de ouro.

Logo no início, eu disse que são precisas sucessivas audições para se contemplar o que a banda nos oferece. Pois bem, só tive essas impressões que acabei de escrever porque escutei o disco muitas vezes, e a cada execução, o álbum fica melhor, podem confiar.

Com muitos pontos inusitados em seu som, os noruegueses do Leprous construíram uma obra complexa, mas, desconcertantemente contagiante. Poderia dizer que é o disco mais interessante que ouvi em muito tempo. Em época de pouca criatividade, isso, com certeza, já é muito.


Dowload do disco: 


Nota: 9/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…