Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"Mistérios e Paixões" (1991)
Direção: David Cronenberg.


O senhor Cronenberg, maluco por natureza e profissão, quase sempre se mostrou um cineasta arrebatador. Mestre do desconforto, dirigiu obras seminais como "A Mosca", "Crash - Estranhos Prazeres" e "Marcas da Violência". Mas, os seus últimos filmes têm se mostrado uma verdadeira negação. O que é uma pena, pois até os seus trabalhos menos conhecidos possuem uma qualidade bem ausente em muitos diretores norte-americanos de hoje: a ousadia para chocar (mas, sem ser apelativo).

Este "Mistérios e Paixões", por exemplo, o que temos aqui é cinema com categoria. Baseado livremente num livro de outro notório insano (William S. Burroughs), intitulado "Almoço Nu", a produção começa minimalista, como qualquer outro filme de época. Estamos na década de 50, portanto, a sonoridade pontuada por jazz dá o tom. É quando conhecemos Bill Lee, que quer ser escritor, mas, ganha a vida exterminando insetos e outros formas de pragas. 




Quando Bill, aconselhado por sua esposa, começa a se drogar com inseticida, o filme se torna uma louco espiral de cenas bizarras, mas, fascinantes, que de tão poderosas, acabam passando a sensação de algo real. Um exemplo claro são os diálogos do protagonista com um enorme animal, metade barata, metade máquina de escrever! Sim, é absurdo, porém, não se enganem; as falas entre os dois são de uma coerência desconcertante.

Nos momentos sóbrios, Bill descobre que tem escrito (muito), e que são coisas belíssimas. O problema é que ele não se lembra. A única lembrança que lhe vem à mente é de que ele é um agente infiltrado para destruir um cartel de drogas. De que são feitas essas drogas, no entanto, é que mostra o nível de alucinação de Bill, enquanto ele vai afundando cada vez mais num estado paranoico, e o espectado, perdido, já não sabe o que é realidade e o que é falso no filme.




A questão é que para se assistir "Mistérios e Paixões" é preciso que haja uma imersão profunda na estória. Temos que nos "deixar levar" pela narrativa, não se importando com o que é absurdo ou, simplesmente, estranho. Mas, a paciência vale a pena, pois é depois que o recado se mostra mais claro: o roteiro quer expôr a importância, e, ao mesmo tempo, o fardo dos escritores. Eles são os únicos que podem nos dizer verdades, mas, a que custo eles conseguem isso?

Nesse sentido, as alucinação de Bill são uma necessidade; algo trivial para que ele possa exercer sua escrita de maneira plena.  O grotesco de algumas cenas é o grotesco do próprio cotidiano, que nos tira a liberdade, a criatividade e, por fim, até a vontade de viver. Como se vê, a estória é repleta de simbolismos e metáforas, o que prova que Burroughs foi genial ao utilizá-las, e Cronenberg entendeu muito bem a proposta.




Como cinema, talvez o maior defeito de "Mistérios e Paixões" seja o andamento arrastado de algumas sequência, tornando a coisa mais longa do que o necessário. Mas, tudo é compensado pela estória e seus simbolismos em si, os "orgânicos" efeitos especiais e a atuação contida, mas, eficaz, de Peter Weller (o eterno Robocop). E, claro, a própria direção é um grande trunfo, estilosa, no entanto, sem se perder numa auto-contemplação.

Sim, Cronenberg já foi capaz de realizar ótimos trabalhos no cinema. Por isso, há de se lamentar que ele venha errando a mão com tanta frequência ("Um Método Perigoso", "Cosmopolis" e "Mapa Para as Estrelas"). O que ele está precisando para se recuperar? Talvez voltar a assistir seus antigos filmes. Quem sabe não apareça alguma boa inspiração, e voltemos a nos incomodar com um filme seu? A (boa) insanidade agradece.


Nota: 9/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…