Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"Babadook" (2014)
Direção: Jennifer Kent.


Há muito o cinema de terror vem padecendo com a falta de criatividade. De fato, isso não chega a ser bem uma novidade, sendo até clichê dizer isso. Mas, vez ou outra, aparece algum bom exemplar pra tirar o gênero da mesmice. É o caso de "Bababdook", um filme bem interessante, mas que tem certos defeitos que atrapalham o resultado final. Na realidade, ele só foi tão falado à época de seu lançamento porque o nível geral está realmente baixo. Então, algo que esteja apenas um pouco acima da média, será bastante supervalorizado.

Apesar disso, a produção tem muito o que falar para o espectador. Causa angústia e incômodo porque, em certo aspecto, não é bem um filme de terror tradicional, mas um drama familiar um tanto pesado. O horror está ali como uma espécie de metáfora (no caso, de uma representação da depressão). A representação da figura do bicho papão é o receio da solidão, a tristeza da rejeição, o sofrimento da inadequação. Nesse ponto, "Babadook" lembra o excelente "O Sexto Sentido" em sua abordagem.




Conhecemos Amelia e seu filho pequeno, Samuel. Ela está deprimida desde a morte do marido, e possui uma vida social inexistente. Não se relaciona nem com vizinhos, nem com conhecidos no trabalho. Já, Samuel começa a ficar cada vez mais rebelde com a idade. E, torna-se mais agressivo após ver um livro sobre um monstro chamado Babadook. Obcecado pela criatura, ele a vê a todo momento, pra desespero da mãe, que, junto à sua depressão, vai debilitando ela pouco a pouco.

Só que, mesmo com o crescente pânico de mãe e filho, não sabemos se realmente Babadook é uma alucinação de ambos ou algo real. Tanto que a aparição do estranho ser nunca é completa, sempre na penumbra, sempre de relance. E, é aí que reside o grande mérito do filme. A tensão que vemos tanto pode ser de uma força sobre-humana aterrorizante, quanto, simplesmente, pode ser fruto da pertubação mental de uma mulher que rejeita seu filho, e de uma criança negligenciada que quer apenas chamar a atenção.




No entanto, a produção tem um grave defeito, e que, de certo modo, estraga muito suas qualidades: as atitudes sem sentido dos personagens, principalmente de Amelia. Tudo o que ela faz é impensado, chegando às raias da burrice. São ações que, muitas vezes, servem exclusivamente para fazer a trama ficar mais tensa, porém, tornando a coisa bem frustante. E, isso já se tornou um grande e imperdoável clichê do gênero. Talvez se o roteiro tivesse sido mais cuidadosamente trabalhado nesse sentido, o filme teria ficado mais realista, e, por consequência, mais assustador.

Apesar dos pesares, acaba sendo um boa experiência no final das contas assistir à produção. As atuações são convincentes, principalmente, da atriz Essie Davis, que interpreta Amelia. Além disso, o clima gerado pela história realmente funciona, aproveitando a deixa para falar de assuntos sérios, como perda familiar, depressão, abuso infantil, etc. Isso tudo sendo, a bem verdade, o terror real que reside numa sociedade que já não tem medo de um bicho-papão como Babadook.




Não chega a ser um clássico do terror moderno. "Invocação do Mal" e "Sobrenatural" são mais assustadores e melhor trabalhados, por exemplo. Mesmo assim, "Babadook" é um filme que se destaca num ambiente cada vez mais difícil de se encontrar algo que realmente valha a pena ser visto.


Nota: 7/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…