Pular para o conteúdo principal
Filme Não Recomendável

"Os Dez Mandamentos" (2015)
Direção: Alexandre Avancini.


Depois de assistir a este filme, fica a dúvida se o que acabamos de ver foi uma mera propaganda cristã muito mal elaborada, ou se foi pura picaretagem, mesmo. Talvez, ambas as coisas, pois, isto aqui pode ser tudo, menos cinema. E, não por causa de seu viés religioso, já que temos ótimos filmes com essa temática ao longo dos anos. É porque "Os Dez Mandamentos" é muito ruim.

Mesmo assim, por um momento, esqueçamos a sanha do pastor Edir Macedo em querer faturar em cima da fé alheia de maneira sempre vergonhosa, e tentemos analisar a coisa pelo prisma única e exclusivamente da sétima arte (se é que isso é possível). Assim não seremos acusados de estarmos sendo anti-cristãos ou coisa do tipo pela patrulha ideológica dessa gente.




Pra começar, a produção é muito cansativa. Já nos dez primeiros minutos, muitos fatos acontecem, atropelando uns aos outros, numa corrida frenética, regada a uma edição que pretende ser estilosa, mas que soa pedante. A câmera lenta deixa tudo mais constrangedor, parecendo que estamos vendo uma espécie de comercial do programa "Fala, que eu te Escuto".

As atuações seguem na mesma linha dantesca. Exageradas, canastronas, como se os atores estivessem lendo o script ali, na hora, sem expressividade, sem emoção, sem entrega. Não há interpretações de verdade; há canastrices. Só uma ou duas se salvam por mérito do esforço de alguns (e, olhem lá). Parece que nem os próprios atores se envolveram no projeto, não fazendo questão de entregarem algo minimamente consistente.




A história, em si, mesmo sendo amplamente conhecida por todos,  tem, sejamos honestos, muita força narrativa. Portanto, não precisaria de tanto malabarismo para contá-la, concordam? Porém, os realizadores de "Os Dez Mandamentos" se esqueceram de premissas básicas que fazem parte do bom cinema. Parece que, literalmente, fizeram uma "colagem" de algumas cenas da novela que originou o filme, tornando tudo muito rápido, e, ao mesmo tempo, esvaziando qualquer forma de empatia para o público. Muito dinamismo pra pouca emoção (quase uma heresia).

As cenas vertiginosas (no pior sentido), com várias tomadas em câmera lenta emulam filmes recentes, como "300". No entanto, enquanto a produção de Zack Snyder era divertida, justamente por ser caricata, aqui não tem jeito. Beira o constrangimento, a pura e simples vergonha alheia, principalmente, na cena final, que é um "primor" de plágio, mostrando que, em nome da religião, o ser humano pode ser bem ridículo.




Enfim, "Os Dez Mandamentos" não é um filme recomendado pra ninguém, seja você cristão ou não. É um mero produto de propaganda religiosa muito mal feito. Se é para ver essa história com certa qualidade, muito melhor é assistir o clássico "Os Dez Mandamentos", com Chalton Heston, ou até mesmo o desenho da Dreamworks "O Príncipe do Egito". É tudo tão fantasioso e absurdo quanto, mas, estes, pelo menos, possuem algo que pode ser considerado cinema.

Amém.


Nota: 0,5/10 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…