Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"Milk- A Voz da Igualdade" (2008)
Direção: Gus Van Sant.


Existe uma infinidade de temas tabus. Não necessariamente por serem assuntos "difíceis", mas, porque simplesmente muitas pessoas possuem resistência a eles. Política e homossexualidade, por exemplo, são geralmente tratados com muitos jargões, lugares comuns e frases de efeito, porém, parece que, em geral, temos total ignorância quanto a esses temas. Nesse aspecto, o filme "Milk" é particularmente importante de ser visto.

No entanto, por pouco a produção não saia. O cineasta Van Sant há muito queria contar a história de Harvey Milk, o primeiro político assumidamente gay dos EUA. Só que ele não achava o tom certo para um filme. Foi só a partir da ajuda do roteirista Dustin Lance Black, que o diretor pôde, enfim, contar a trajetória de um dos mais importantes ativistas da causa LGBT do mundo recentemente.




E, mesmo que, a princípio, "Milk" possa parecer excessivamente panfletário, ele não é. A menos que quem o assista veja a causa gay de forma caricatural ou ache que seja uma luta fadada ao "vitimismo". Mas, pra quem enxergar a produção pelo o que ela realmente se propõe, verá que ela trata a questão da política de uma meniera interessante, nem um pouco didática, e a própria causa LGBT é ampliada para a defesa de todas as minorias e marginalizados (mulheres, latinos, negros...).

Como se vê, o roteiro de Lance Black é muito bem estruturado, mostrando o que de verdade importa: a militância de um homem por igualdade de direitos de seu grupo, e, consequentemente, de outros. Harvey Milk emprega um verdadeiro tour de fource para se torna supervisor de seu distrito (uma espécie de vereador). Isso porque ele percebe que só através da política ele conseguirá dar visibilidade para as necessidades da comunidade gay. Ele logo entende como o jogo funciona, e se empenha em ganhar as eleições, ano após ano.




Paralelo a tudo isso, ele ainda tem que administrar uma vida pessoal um tanto conturbada, onde seu atual companheiro está, a cada dia, ficando desgastado com a insistência de Milk em querer entrar para a política. Não mais complicado do que sua vida particular, o protagonista ainda se depara com todo tipo de político conservador, notadamente de origem cristã, que propõem as leis mais absurdas, como demitir professores que sejam gays.

Tudo isso é mostrado em forma de flashbacks muito bem amarrados, pois, logo no início do filme já sabemos o que acontecerá com Milk, o que, nem de longe, tira a força narrativa da história. Ao contrário, isso só potencializa, por exemplo, as empolgantes cenas em que o personagem principal comanda marchas e manifestações nas ruas de seu bairro, com o intuito de estimular a comunidade LGBT não só a se assumir perante a sociedade, mas, a buscar seus direitos mais básicos.





É imprescindível parabenizar o trabalho de direção de Van Sant. Fica notório em cada quadro o quanto ele se envolveu no projeto, e o cuidado com que ele filma cada acontecimento, não exagerando nos momentos mais dramáticos, mas também não impondo uma distante frieza diante dos fatos. Ou seja, equilíbrio narrativo, apenas contando o que se deve, sem que haja grandes arroubos, que, com certeza, descaracterizariam a mensagem principal.

E, é lógico que tudo não teria dado tão certo sem um intérprete como Sean Penn. Ele, literalmente, imerge no personagem, física e sentimentalmente, compondo um Harvey Milk extremamente cativante, a quem o espectador realmente entende suas motivações e sofre com ele, mesmo pra quem não seja militante da causa. Um trabalho de ator, de fato, soberbo.




O filme termina com os já tradicionais fatos históricos que envolveram cada um. Mas, nem essa forma já um tanto batida e esquemática de "amarrar" toda a trama tira o brilho da produção. Na realidade, esses dados acabam sendo até necessários para provar que a luta de Milk deu frutos muito positivos, revertendo certas leis desfavoráveis à comunidade LGBT, e a implementação de outras que visaram o combate à discriminação.

Como inspiração, este é um filme absolutamente necessário (e urgente, vide os inúmeros políticos conservadores surgidos nos últimos anos). E, como cinema, possui inúmeros predicados. Um dos melhores de Van Sant e Sean Penn, respectivamente (em todos os aspectos).


Nota: 9,5/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…