Pular para o conteúdo principal
Debate Sócio-Político

R.I.P. JORNALISMO


O jornalismo, pelo menos, o brasileiro, está decadente, em coma, quase morto. Não que no restante do mundo a imprensa não dê ares de circo de vez em quando, mostrando que a mídia pode mais desinformar e distorcer do que qualquer outra coisa. Mas, no Brasil é um pouco diferente. Aqui, temos uma cumplicidade generalizada, muito bem mascarada pelo nosso famoso "jeitinho", que não vê nada de mais em o jornalismo se prestar a ser bajulador de governos ou de empresas privadas. Liberdade de imprensa ou liberdade de empresa? Não há diferença, pois o interesse nunca é o bem comum, da sociedade como um todo.

Exemplos? Muitos. É o caso da polarização que a revista Veja sempre fez, mas, que hoje está escancarada de forma além da vergonha. Claramente, ela não faz um jornalismo de crítica e denúncia, mas, de fofoca e de escracho. A capa dessa semana, só para se ter uma ideia, remete mais a publicações de games e histórias em quadrinhos do que em fatos noticiosos. Chamariz para o grande público? Dinamismo gráfico? Ou, simplesmente, transformar fatos sérios em piadas dantescas, para nivelar o debate por baixo? Infelizmente, a segunda opção é a mais viável para entendermos aonde o jornalismo brasileiro se meteu.


Bom frisar que este texto vai também para aqueles jornalistas que recebem subsídios do governo federal, e que também se dignam a fazerem um jornalismo chapa branca, aonde não há críticas, e as informações são direcionadas a interesses muito particulares. Esses, igualmente, estão prestando um desserviço naquilo que suas profissões se propõe: o entendimento da realidade através dos fatos. Muitos até dirão que se trata de uma profissão como qualquer outra, e que, como tal, está atrelada aos interesses de quem é o contratante do serviço. Só que não estamos falando de um simples consumo, como de uma roupa ou celular. A informação, como sabemos, determina em que ponto as coisasm importantes para a sociedade podem chegar, ao bel prazer de quem pagar mais. Chega a ser criminoso.

Saliente-se que quem está escrevendo este texto é um jornalista idealista, que já não pensa em mudar o mundo com a sua profissão, mas, que exige, ao menos, o mínimo de ética entre os companheiros de profissão. Talvez o fato de muitos terem assistido, na faculdade, "Todos os Homens do Presidente" primeiro do que "Rede de Intrigas" tenha feito muito mal na cabeça de alguns comunicólogos. provavelmente, tenha dado a entender que a cada esquina encontraremos o nosso "Watergate", e alavancaremos a carreira com isso. No entanto, na falta de escândalos, muitos "criam" um, ou, simplesmente, potencializam fatos, puxando mais para o lado do interesse de seu patrão.


Outro exemplo bem claro dessa postura maniqueísta reside no "noticioso" Jornal Nacional. Da rápida decisão de pauta sobre o vazamento das conversas entre Dilma e Lula nas últimas semanas, até notas, às vezes, sem imagens, curtíssimas, sobre os desmandos da oposição, como a máfia das merendas em São Paulo, o jornalismo desse programa já escolheu um lado, e ele não é bom. O artifício de dar destaque mais a escândalos envolvendo o PT do que os de outros partidos demonstra que a preocupação está longe de ser a informação. Há quem acredite em imparcialidade, porém.

Claro, Veja e Jornal Nacional são os representantes mais óbvios desse cenário. Mas, há aqueles "pseudo-jornalistas" que reproduzem matérias e informações deturpadas, apenas com o intuito de mascararem sua posição partidária. Polarização virou moeda de troca, e o mínimo de jornalismo que ainda existia aqui está indo por água abaixo. Solução? A curto prazo, não. É apenas identificar bem essa comédia de erros, e criticar o quanto puder, Ainda podemos ter um bom jornalismo? Ao que tudo indica, só uma iniciativa popular para melhorar o quadro, pois, a depender dos gordos contra-cheques assinados (de ambos os lados), ainda vamos ser obrigados a ver muita imprensa fajuta por aí.


Erick Silva
09/04/2016.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Mulher Maravilha"
2017
Direção: Patty Jenkins


MAIS UM FILME DE SUPER-HERÓI GENÉRICO, "MULHER MARAVILHA" PECA, IRONICAMENTE, POR TER UM SUB-TEXTO MACHISTA EM SUAS ENTRELINHAS
Estamos diante de mais um filme de super-heróis, mais um do universo expandido da DC Comics no cinema, mais um com a enorme responsabilidade de entregar um material minimamente interessante, ao contrários dos pífios "Batman vs Superman" e "Esquadrão Suicida", sem dúvida, os dois piores filmes do gênero desses últimos anos, ao lado de "Quarteto Fantástico". Ou seja, "Mulher Maravilha" chega com uma tremenda carga a ser superada. A pergunta é: conseguiu cumprir a sua missão? Bem, digamos que sim e não. Ao mesmo tempo em que o filme acerta em alguns pontos que ficaram devendo em produções anteriores, ele também erra ao repetir alguns dos erros mais corriqueiros de longas do gênero, com um agravante que pode até causar certa polê…
Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…