Pular para o conteúdo principal
Debate Sócio-Político

R.I.P. JORNALISMO


O jornalismo, pelo menos, o brasileiro, está decadente, em coma, quase morto. Não que no restante do mundo a imprensa não dê ares de circo de vez em quando, mostrando que a mídia pode mais desinformar e distorcer do que qualquer outra coisa. Mas, no Brasil é um pouco diferente. Aqui, temos uma cumplicidade generalizada, muito bem mascarada pelo nosso famoso "jeitinho", que não vê nada de mais em o jornalismo se prestar a ser bajulador de governos ou de empresas privadas. Liberdade de imprensa ou liberdade de empresa? Não há diferença, pois o interesse nunca é o bem comum, da sociedade como um todo.

Exemplos? Muitos. É o caso da polarização que a revista Veja sempre fez, mas, que hoje está escancarada de forma além da vergonha. Claramente, ela não faz um jornalismo de crítica e denúncia, mas, de fofoca e de escracho. A capa dessa semana, só para se ter uma ideia, remete mais a publicações de games e histórias em quadrinhos do que em fatos noticiosos. Chamariz para o grande público? Dinamismo gráfico? Ou, simplesmente, transformar fatos sérios em piadas dantescas, para nivelar o debate por baixo? Infelizmente, a segunda opção é a mais viável para entendermos aonde o jornalismo brasileiro se meteu.


Bom frisar que este texto vai também para aqueles jornalistas que recebem subsídios do governo federal, e que também se dignam a fazerem um jornalismo chapa branca, aonde não há críticas, e as informações são direcionadas a interesses muito particulares. Esses, igualmente, estão prestando um desserviço naquilo que suas profissões se propõe: o entendimento da realidade através dos fatos. Muitos até dirão que se trata de uma profissão como qualquer outra, e que, como tal, está atrelada aos interesses de quem é o contratante do serviço. Só que não estamos falando de um simples consumo, como de uma roupa ou celular. A informação, como sabemos, determina em que ponto as coisasm importantes para a sociedade podem chegar, ao bel prazer de quem pagar mais. Chega a ser criminoso.

Saliente-se que quem está escrevendo este texto é um jornalista idealista, que já não pensa em mudar o mundo com a sua profissão, mas, que exige, ao menos, o mínimo de ética entre os companheiros de profissão. Talvez o fato de muitos terem assistido, na faculdade, "Todos os Homens do Presidente" primeiro do que "Rede de Intrigas" tenha feito muito mal na cabeça de alguns comunicólogos. provavelmente, tenha dado a entender que a cada esquina encontraremos o nosso "Watergate", e alavancaremos a carreira com isso. No entanto, na falta de escândalos, muitos "criam" um, ou, simplesmente, potencializam fatos, puxando mais para o lado do interesse de seu patrão.


Outro exemplo bem claro dessa postura maniqueísta reside no "noticioso" Jornal Nacional. Da rápida decisão de pauta sobre o vazamento das conversas entre Dilma e Lula nas últimas semanas, até notas, às vezes, sem imagens, curtíssimas, sobre os desmandos da oposição, como a máfia das merendas em São Paulo, o jornalismo desse programa já escolheu um lado, e ele não é bom. O artifício de dar destaque mais a escândalos envolvendo o PT do que os de outros partidos demonstra que a preocupação está longe de ser a informação. Há quem acredite em imparcialidade, porém.

Claro, Veja e Jornal Nacional são os representantes mais óbvios desse cenário. Mas, há aqueles "pseudo-jornalistas" que reproduzem matérias e informações deturpadas, apenas com o intuito de mascararem sua posição partidária. Polarização virou moeda de troca, e o mínimo de jornalismo que ainda existia aqui está indo por água abaixo. Solução? A curto prazo, não. É apenas identificar bem essa comédia de erros, e criticar o quanto puder, Ainda podemos ter um bom jornalismo? Ao que tudo indica, só uma iniciativa popular para melhorar o quadro, pois, a depender dos gordos contra-cheques assinados (de ambos os lados), ainda vamos ser obrigados a ver muita imprensa fajuta por aí.


Erick Silva
09/04/2016.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…