Pular para o conteúdo principal
Debate Sócio-Político

Quem Tem Medo dos Estudos de Gênero?


Em pouquíssimas horas, o novo governo de Michel Temer, após o afastamento temporário de Dilma, já mostrou a que veio: promessas de reduções de direitos trabalhistas, repressão a  movimentos sociais, extinção de ministérios importante para a inclusão social, entre outras medidas que denotam que vamos ter um belo retrocesso nos próximos dois anos. Um desses indicativos resvala na questão da educação, pois, além da tentativa de privatização do ensino público que se delimita a cada dia, outro tema polêmico vai ser tratado, provavelmente, de forma bastante conservadora por esse governo: os chamados estudos de gênero nas escolas.

Foi verdadeiramente constrangedor e preocupante, por exemplo, ver a "aprendiz" de psicóloga Marisa Lobo entregar um exemplar de um de seus livros ao atual Ministro da Saúde, Ricardo Barros, e este prometer que a "ideologia" de gênero não vai ser implantada no Brasil de jeito nenhum, pois, segundo as palavras dele, "o MEC agora é do DEM". Inclusive, este livro de Marisa Lobo é um perfeito produto da desonestidade intelectual, a começar pelo título, "Ideologia de Gênero na Educação", já que é sabido que não existe "ideologia de gênero", e sim, "estudos de gênero". Sem contar que a abordagem religiosa da obra (Marisa Lobo é cristã), naturalmente, acaba diluindo qualquer bom debate.

Vídeo do canal "Café Filosófico":


Mas, por que os estudos de gênero geram tanta celeuma? Pra começar, tudo não passa de uma questão de desinformação. Quando se fala nesse assunto, é comum ouvirmos jargões absurdos do tipo: "Querem ensinar as crianças a fazerem sexo", "Querem ensinar as crianças a serem gays", "Estamos numa ditadura gayzista", "A família tradicional será destruída", etc. Essa mesma desinformação se estende ao próprio termo, pois não existe uma "ideologia" do gênero, pois, estudos já comprovaram que, simplesmente, não se "quer" ser um determinado gênero (homem, mulher ou variantes). O que vai determinar a orientação sexual de uma pessoa é um conjunto de fatores sociais complexos. Portanto, não cabe falar em ideologia.

Outra falácia propagada pelos desonestos de sempre é que a "ideologia" de gênero seria uma doutrinação marxista às nossas crianças. Caso estudassem de fato, essa gente saberia, inclusive, que muitos estudiosos no campo do gênero fazem duras críticas ao Marxismo, a exemplo de uma das principais pensadoras do tema na atualidade, Judith Butler. E, falando em autores, muito sintomático perceber que os que são contra aos estudos de gênero só citarem Simone de Beauvoir como referência negativa, extraindo, ardilosamente, um único trecho ("Ninguém nasce mulher; torna-se mulher"), de apenas uma de suas obras ("O Segundo Sexo").

Vídeo do canal "Liberdade Para Educar":


Nota-se que está ficando cada vez mais difícil o diálogo quanto a esse tema, e, sem querer gerar preconceitos de qualquer espécie, fica claro que os que se opõem aos estudos de gênero são majoritariamente cristãos, deixando sua fé numa crença se interpor na compreensão do assunto. É a Bancada Evangélica, por exemplo, que vem tentando, a todo tempo, minar a introdução dos estudos de gênero nos currículos escolares, tendo como justificativa a gama de desinformações que citei até aqui. Utilizam o medo como arma; o medo de que os nossos filhos estarão à mercê de pedófilos, que meninas passarão a engravidar mais cedo, etc. Mas, nada dizem que a principal prerrogativas desses estudos é dar senso de igualdade entre as pessoas, combatendo formas de descriminação e preconceito.

Recentemente, no estado de Pernambuco, tivemos um (pequeno) avanço nesse sentido: a Comissão de Constituição, Legislação e Justiça da ALEPE rejeitou, por unanimidade, um projeto de Lei Ordinária que pretendia proibir qualquer debate de gênero e diversidade nas escolas do Estado. De autoria do deputado  estadual Joel da Harpa (PTN), o projeto foi arquivado. Porém, na Câmara Municipal do Recife, segue tramitando a PL 26/20216, de autoria do vereador Carlos Gueiros (PSB), que basicamente possui a mesma finalidade do projeto de Joel da Harpa: censurar qualquer debate de gênero nas escolas.

Vídeo do canal "Sopa de Letrinhas":


Ainda há um longo caminho pela frente. A "guerra" contra os estudos de gênero se mostra vil e baixa por embutir mentiras e falácias na cabeça das pessoas, evitando assim o bom debate. Mesmo assim, a militância que apoia o tema já entendeu em que terreno está pisando, e está, aos poucos, desconstruindo uma visão distorcida dos estudos de gênero. Mas, é difícil, pois, no cerne da questão, está a religião, que vem se mostrando um entrave para o diálogo. Uma árdua luta pelo conhecimento continua. E, torçamos para que a honestidade prevaleça.


Textos e obras complementares:

Livro da socióloga Heleieth Saffioti, "Gênero, patriarcado e violência", ou o seu artigo "Contribuições feministas para o estudo da violência de gênero": http://migre.me/t1BtN

Artigo da filósofa Susan Moller Okin, "Gênero, público e privado": http://migre.me/t1BqD


Artigo da historiadora Joan Scott, "Gênero como categoria de análise histórica": http://migre.me/t1BoU
Artigo da antropóloga Sherry Ortner, "Está a mulher para a natureza assim como o homem para a cultura?": http://migre.me/t1BVu
Discurso da escritora nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie, "Sejamos todos feministas": http://migre.me/t1BXV
Livro da feminista bel hooks, "Feminism is for everybody: passionate politics": http://migre.me/t1Cb3
http://revistacult.uol.com.br/home/2015/08/ideologia-de-genero-ou-o-genero-da-ideologia/




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…