Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"Kes" (1969)
Direção: Ken Loach.



Cinema feito com crianças, geralmente, tem duas características básicas: rende bons filmes, ao mesmo tempo que apresenta histórias, às vezes, muito tristes. Não que o universo infantil precise ser olhado com uma certa melancolia, mas, muitos cineastas utilizam (bem) as crianças para exporem suas inquietações críticas. Não raro essas produções são repletas de metáforas, fazendo um contraponto entre a sociedade e a visão que os mais pequenos têm dela, sendo aqueles que mais sofrem. "Kes" é assim.

Seu personagem principal é o garoto Billy, que, de início, é mostrado a nós como uma crianças arisca e mal-educada. Com o passar do tempo, porém, vamos percebendo que essa revolta dele tem uma razão de ser: o meio em que ele vive é muito hostil, bruto. Residindo numa cidade decadente de alguma lugar da Inglaterra, Billy mora com uma mãe totalmente omissa, e um irmão completamente violento. Paralelo a isso, estuda na única escola da região, que mais parece um alojamento militar, com professores que beiram a psicopatia, e alunos totalmente desinteressados no ensino.




Esse desinteresse dos mais jovens tem um motivo de ser: não há perspectivas na região. Ou você trabalha num emprego burocrático, num escritório, ou numa indústria de mineração, nas condições mais inóspitas. Num ambiente assim, Billy se sente aéreo, deslocado, uma párea. Não se interessa por nada porque nada ali é, de fato, interessante. São pessoas vivendo de uma maneira medíocre, sem maiores ambições, sem o mínimo de consciência. Em sua visão verdadeiramente inocente Billy não vê outra alternativa a não ser resistir como pode.

Mas, é quando ele começa a se interessar em treinar um falcão, as coisas mudam. Pelo menos agora ele tem um objetivo, algo em que se empenhar e acreditar. Sua visão sobre o pássaro também é de uma singeleza incrível. Ele não vê o falcão, a quem chama de Kes, como um bicho de estimação. Sua percepção é que ele é um animal livre, e que assim tem que criado. Obviamente, aqui temos uma boa analogia com os desejos de Billy, que assim como os falcões, quer ser livre, de corpo e espírito.




Em alguns momentos, o filme é pesado, e como já dito, muito triste. Mas, não estendam que ele apela para o melodrama; de forma alguma. O diretor Ken Loach, de "Pão e Rosas" e "Terra e Liberdade", mostrou em "Kes", um de seus primeiros trabalhos, uma sensibilidade incrível para contar uma história que, na Hollywood de hoje, seria uma medíocre "sessão da tarde". Aqui, ao contrário, temos mensagens muito fortes, com críticas bem pontuais à sociedade, desde o sistema de ensino (visto como algo autoritário), até a imposição do mercado de trabalho, que acaba atingindo crianças e jovens de forma tão incisiva, que eles acabam ficando presos nesse ciclo vicioso para o resto de suas vidas.

Há também aquelas mensagens mais profundas e mais sutis, como quando a mãe e o irmão de Billy vão a uma festa, e percebe-se que, mesmo num momento de descontração, eles ainda fazem questão de mostrar o quanto suas vidas são miseráveis. Ou seja, nem uma simples diversão eles parecem ter direito. E, a cena em que Billy explica pra turma como treinou sua falcão é de uma beleza e de uma simplicidade narrativa que deveria ser colocada em cada curso de cinema para se mostrar como, com pouca coisa, mas, que de forma bem construída, uma sequência pode ser primorosa.




Loach é econômico na direção, mas, muito eficiente. Não desperdiça cenas, e quando é pra mostrar alguma sequência mais tensa, ele não tem pudores, angustiando o espectador no ponto certo, sem ser apelativo. As atuações, em especial do menino David Bradley, são muito naturais e espontâneas. A trilha sonora não é exagerada e pontua o sentimento de cada cena com a dose certa de dramaticidade. Além, é claro, da edição, que "corta" as sequências quando precisam terminar. Enfim, é um trabalho muito bem feito, com o esmero de quem sabia a joia que tinha em mãos.

Bastante semelhante ao clássico "Os Incompreendidos", de Truffaut, mas, também tendo similaridades com a animação japonesa "O Túmulo dos Vagalumes", no tocante a não oferecer esperanças e redenções aos personagens, "Kes" se mostra um filme-revolta contra qualquer forma de opressão, um filme-inquietação contra qualquer forma de dominação e um filme-exaltação para a necessidade da liberdade. Duro de se assistir, sim. Mas, necessário.


Nota: 9/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…