Pular para o conteúdo principal
Prestem Atenção Em...

RIVAL SONS


Ah, os anos 70. Sempre voltam pra nos "assombrarem". Vez ou outra, alguma nova banda surge emulando aquele som energético da época, em especial, do Led Zeppelin. De Black Crowes a Jack White, quase sempre a qualidade de quem se propõe a revisitar esse tipo de música é ótima. Com a banda californiana Rival Sons não poderia ser diferente. Da bateria certeira, ao baixo poderoso, indo pra uma guitarra estridente, e culminando num vocalista que parece um misto de Robert Plant com Ian Astbury. O incrível é que o grupo, mesmo escancarando suas influências a cada disco, nunca pareceu uma mera cópia.

Formada em 2009, o grupo surgiu a partir de outra banda, a Black Summer Crush, que tinha dois dos integrantes que viriam a compor a Rival Sons: o guitarrista Scott Holliday e o baterista Mike Miley. Interessante mesmo foi a entrada do vocalista Jay Buchanan, que antes cantava blues. Foi Scott Hpççiday que o persuadiu a começar a contar rock, e foi aí que o primeiro disco da Rival Sons, o independente "Before the Fire", lançado em 2009, veio à tona. O relativo sucesso de público e crítica surpreendeu Buchanan, que passou a não ver mais a sua atual banda como um "projeto paralelo". Foi nessa época, inclusive, que o grupo abriu shows de gente como o AC/DC, por exemplo.


Quando lançaram um EP, também de maneira independente, em 2010, as portas começaram a se abrir ainda mais. Graças a esse EP, fecharam contrato com a gravadora Earache Records, o que possibilitou a gravação do seu segundo álbum, o ótimo "Pressure & Time". E, o resultado não poderia ter sido melhor: o disco chegou a ficar um 1° lugar de vendas na Amazon, e em 19° na parada da Billboard. A partir de então, as turnês começaram a ficar mais frequentes, chegando a viagens pelo Canadá e pela Europa, onde se juntaram a bandas de peso, como Judas Priest e Queensryche.



Não demora muito, e o quarto disco deles é lançado, "Head Down", em 2012. Resultado: aclamação por todos os lado. O disco alcançou o 31° lugar no Reino Unido, o 6° lugar na Suécia, o 13° lugar na Finlândia e o 14° lugar na Noruega, só para citar alguns lugares onde a banda vendeu bem. Mas, não era só em vendas que a Rival Sons crescia, mas, em sonoridade também. Os álbuns começaram a ficar mais moldados com a "cara" da banda, mas, sem deixar suas maiores influências de lado. Como uma espécie de "Black Crowes moderno", ela estava, cada vez mais, aprendendo a "domar" seu estilo, compondo músicas marcantes e com uma energia incrível.


É então que, em 2014, lançam "Great Western Valkyrie", seu ápice. Músicas como "Open My Eyes" e "Eletric Man" se tornaram hits rapidamente, fazendo a banda se tornar ainda mais conhecida. E, o som do trabalho, o mais maduro do que nunca, fazia uma ponte entre os primórdios da banda, e algo mais ligado ao futuro, de como ela poderá soar daqui pra frente. O lançamento recente de "Hollow Bones" é a prova disso, pois, parece ser uma continuação (melhorada) de "Great Western Valkyrie". O que surgirá depois, não se sabe. Mas, se continuar assim, a Rival Sons ainda dará muito o que falar.




Discografia:

* "Before the Fire" (2009)
* "Rival Sons" (EP) (2010)
* "Pressure & Time" (2011)
* "Head Down" (2012)
* "Great Western Valkyrie" (2014)
* "Hollow Bones" (2016)


Formação:

* Jay Buchanan - Vocalista
* Scott Holliday - Guitarrista
* Mike Miley - Baterista
* David Beste - Baixista


Site oficial
http://www.rivalsons.com/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Mulher Maravilha"
2017
Direção: Patty Jenkins


MAIS UM FILME DE SUPER-HERÓI GENÉRICO, "MULHER MARAVILHA" PECA, IRONICAMENTE, POR TER UM SUB-TEXTO MACHISTA EM SUAS ENTRELINHAS
Estamos diante de mais um filme de super-heróis, mais um do universo expandido da DC Comics no cinema, mais um com a enorme responsabilidade de entregar um material minimamente interessante, ao contrários dos pífios "Batman vs Superman" e "Esquadrão Suicida", sem dúvida, os dois piores filmes do gênero desses últimos anos, ao lado de "Quarteto Fantástico". Ou seja, "Mulher Maravilha" chega com uma tremenda carga a ser superada. A pergunta é: conseguiu cumprir a sua missão? Bem, digamos que sim e não. Ao mesmo tempo em que o filme acerta em alguns pontos que ficaram devendo em produções anteriores, ele também erra ao repetir alguns dos erros mais corriqueiros de longas do gênero, com um agravante que pode até causar certa polê…