Pular para o conteúdo principal
Dica de Disco

"Love is Not Only What You Know" (2016)
Artista: Wight


Saudades dos anos 60, mais especificamente, do Grand Funk Railroad, do Taste e do Sly and the Family Stone? Com vontade de ouvir um disco atual que tenha uma aura totalmente retrô, mas, com qualidade por parte dos envolvidos, e até uma certa identidade no som? Então, este "Love is Not Only What You Know" é ideal pra você. Não à toa, o nome da banda remete ao famoso festival na ilha de Wight, na Inglaterra, ocorrido no final dos anos 60, e que teve nomes como The Doors, The Who, Jimi Hendrix, Free, Miles Davis, etc. Pra completar, a capa do álbum remete ao psicodelismo daqueles mágicos tempos. Não tem como negar as influências do Wight, portanto.

Tendo gravado dois bons discos como um power trio, o grupo chega ao seu terceiro registro com o acréscimo dos percussionista Steffen Kirchpfening. O restante da formação conta com René Hofmann (guitarras, teclados e vocais), Peter-Philipp Schierhorn (baixo) e Thomas Kurek (bateria). O resultado é um senhor disco de rock sessentista, swingado, com doses homéricas de progressismo e muita atitude. A abertura, com "Helicopter Mama", não me deixa mentir. Balanço a mil, muitos slides guitarrísticos, e uma emoção visível, tornando esta uma música das mais viajantes. Tem cara e alma daqueles começos maravilhosos dos antigos vinis, que pegavam o ouvinte logo na primeira nota. E, claro, tem muito de Sly anda the Family Stone, e até algumas pitadas de James Brown e Stevie Wonder das antigas.
Mas, não para por aí. A longa "The Muse and the Mule" é envolvente, e não perde o pique, mesmo com seus poucos mais de 10 minutos de duração. Um tipo de som ideal pra se escutar enquanto se está na estrada, em "viagem" (seja ela qual for). Aqui, o vocalista René Hofmann incorpora ainda mais o estilo do Grand Funk Railroad, seja no modo de canta, seja nos vigorosos wah wahs de sua guitarra na canção (ao vivo, deve ficar fantástica). Por sinal, este disco, no geral, tem uma cadência que anda faltando nos últimos discos do Red Hot Chilli Peppers (por mais "descabida" que essa comparação possa soar).

Em seguida, outra música longa, a amalucada "Kelele", com uma linha percussiva muito bem trabalhada em sua "primeira parte", chegando, em alguns momentos, a lembrar as composições mais enraizadas de Santana, provavelmente, outra influência do Wight. A "segunda parte" dessa música nos proporciona uma bem-vinda mudança de ritmo, mais pesada e densa, mas, nem por isso, menos ótima. Canção completa, em todos os sentidos. Logo depois, somos apresentados a curta "Tree Quarters", que, como o próprio nome indica, vai nos fazer lembrar um pouco do clássico zeppeliniano "No Quarter", com várias camadas de sintetizadores.



Após tanta energia, uma "pausa" para descanso, com a melódica "I Wanna Know What You Feel". Melódica, sim, mas, nem por isso, leve. O Wight é uma banda primordialmente elétrica, e que sabe muito bem como "castigar" os seus instrumentos. A semi-balada "Biophilia Intermezzo", igualmente, de curta duração, assim como "Tree Quarters", é mais um dos (poucos) momentos tranquilos, agora, antes da catarse definitiva. O disco de encerra de forma apoteótica, com "The Love for Life Leads to Reincarnation", a mais longa do álbum, com seus mais de 11 minutos de duração e muitos sons fantásticos. Inclusive, nela, ouvimos bastante dos sintetizadores e das guitarras distorcidas de René Hofmann, o grande destaque da banda, sem dúvida, mas, não tirando o  demérito dos demais integrantes, que também realizam um excelente trabalho no disco.


Com som de "gente grande", o que falta ao Wight? Basicamente, nada. O que falta é o mercado ser mais aberto a artistas de real qualidade, e os consumidores passarem a procurar novidades. Sim, novidades, elas existem, e no rock, têm aos montes. Basta um pouco só de curiosidade. Os ouvidos, com certeza, agradecerão.


Download do disco:
https://soundpark.pt/album/torrent-186213-wight-love-is-not-only-what-you-know-2016


Nota: 9/10

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…