Pular para o conteúdo principal
Matéria

"Nevermind": Há 25 Anos, o Nirvana Entrava para a História
Por Erick Silva


A reinvenção é uma necessidade. No caso da indústria fonográfica, de tempos em tempos, algo de verdadeiramente novo, ou simplesmente de grande energia criativa, surge para tirar um pouco a letargia de artistas tão comuns, banais, triviais. Dito isto, voltemos no tempo, mas, precisamente, no início da década de 90 passada. O que tínhamos na música norte-americana, em geral? Michael Jackson e Witney Huston nas suas fases mais bregas. No rock, a coisa não era diferente. Com raríssimas exceções (como o Guns'n Roses), o que predominava era o chamado "metal farofa", que não perdia em nada em termos de breguice para os outros artistas citados. Tudo muito padronizado e chato, portanto.

Mas, numa cidadezinha de Washington, Seattle, uma "estranha" movimentação acontecia. Várias bandas, cada uma com um estilo próprio de fazer rock, mas, quase todas com um espírito bastante garageiro, fazendo um som totalmente underground, começavam a surgir. Nascia aí, meio que sem querer, o movimento grunge. Dentre essas bandas, estava o Nirvana, que já havia lançado seu ótimo debut em 1989, "Bleach", pela gravadora independente Sub Pop. Mesmo após a boa receptividade do disco, Kurt Cobain (o vocalista e guitarrista) e Krist Novoselic (o baixista) estavam insatisfeitos com o baterista Chad Channing, o que fez com que procurassem outra pessoa pra empunhar as baquetas do Nirvana. Eis que entra Dave Grohl, e, como Novoselic mesmo disse à época, "agora, tudo ficou no lugar".
Nesse meio tempo, Cobain já estava compondo para o próximo disco da banda, e escutando muito The Melvins, R.E.M., The Smithereens e Pixies, e tais influências foram determinantes para a concepção de "Nevermind": algo mais pop, mas, sem perder a crueza de outrora, nem a identidade que característica do grupo, repleta de guitarras distorcidas, letras confessionais, sem abdicar da melodia. E, bastou o disco ser lançado para o estrondo acontecer, surpreendendo a todos, inclusive a banda (para o bem e para o mal). Lembrando que a gravadora, a Geffen Records, esperava que "Nevermind" só vendesse em torno de 250.000 cópias, que foi a quantia alcaçda por "Goo", álbum de estreia do Sonic Youth pela Geffen. 

Estreando na parada da Billboard na posição 144, o segundo disco do Nirvana foi crescendo em vendagens, chegando a adquirir certificado de disco de ouro e de platina em pouquíssimo tempo. O auge aconteceu em Janeiro de 1992, quando "Nevermind" atingiu o 1° lugar da Billboard, desbancando ninguém menos que o todo-poderoso do pop Michael Jackson. A essa altura, o álbum já vendia cerca de 300 mil cópias por semana, principalmente com o sucesso do carro-chefe "Smells Like Teen Spirit", que se transformou num hino da geração grunge, e uma das mais importante músicas do mundo pop até hoje.
Mesmo com tanto sucesso, algum coisa não ia bem, e o nome disso era Kurt Cobain. Chocado com a ascensão da banda em tão pouco tempo, o líder do Nirvana não se sentia bem com o estrelato, e isso foi cobrando, cada vez mais, o seu preço. Tanto é que o próximo disco da banda pós-Nevermind foi um lançamento de sobras de estúdio, covers e afins, "Incesticide", que mostrava um Nirvana bem mais cru. E, algum tempo depois, veio mais um disco de inéditas, "In Utero", que pouco ou nada lembrava o frescor pop de "Nevermind". Mesmo assim, o grupo continuou a fazer sucesso até o fim da vida de Cobain, que cometeu suicídio em 5 de Abril de 1994, apenas dois anos e meio após o lançamento de "Nevermind".

O álbum com o bebê sendo pescado com uma nota de 1 dólar continua sendo ´bastante influente até os tempos atuais, O seu som despojado, mas, bem trabalhado, num limiar entre o underground e o pop, possibilitou ótimas bandas do meio alternativo serem conhecidas posteriormente, como Queens of the Stone Age e White Stripes. Só que, além da influência estética, o principal de "Nevermind" foi mostrar que o mainstream tem condições de vender música boa, ao passo que os artistas não precisam perder sua identidade para ficarem mais palatáveis ao público. Amalgamando o melhor de cada mundo, o Nirvana construiu um disco de rock no patamar de importância de um "Nevermind the Bollocks" (Sex Pistols) ou de um "Revolver" (Beatles).






Ainda hoje, a indústria fonográfica procura pelo seu "novo Nirvana". Busca inútil, pois, grupos assim, e que lançam petardos ao nível de "Nevermind", não aparacem como se fossem fabricados numa "linha de produção". Não estamos falando desse pop descartável (que, inclusive, mesmo que por porco tempo, foi desbancado pelo segundo registro do Nirvana), e sim de um autêntico e genuíno espírito de furor artístico. 

Como já disse o grande Neil Young:

"Rock'n roll can't never die"!

Nota de "Nevermind": 10/10

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…