Pular para o conteúdo principal
Dica de Disco

"Whore" (2016)
Artista: Mephistofeles


O rock pesado é realmente um estilo bem peculiar. Quem diria que, justamente, na Argentina iríamos encontrar uma banda tão boa quanto o Mephistofeles, que possui o corpo e a alma do Black Sabbath, mas, que não se limita a ser uma mera cópia do clássico grupo britânico? Pois, é exatamente o que temos com esse disco, "Whore". Da sonoridade rasgante das guitarras, passando pelos vocais sombrios, e até a capa "viajada", tudo lembra bastante o grupo do sr. Ozzy "Madman" Osbourne. Mas, para a nossa felicidade de todos os fãs do velho rock'n roll, o que temos aqui são canções que se sustentar por si, mesmo que a influência esteja clara o tempo todo.

Formado em 2013 por Gabriel Ravera nos vocais e guitarras, Iván Sacharczuk na bateria e Ismael Dimenza no baixo (isso mesmo: mais um vigoroso power trio!), o Mephistofeles chega ao seu primeiro lançamento como gente grande, com uma incrível maturidade para rapazes tão jovens, mostrando, de cara, o que querem fazer em termos de som. Longe de esconder suas bases, os três enchem o álbum com toneladas de riffs pesadíssimos, bem ao estilo doom, além de comporem uma macabra atmosfera, com combina em gênero, número e grau com a proposta. Os mais puritanos talvez se incomodem com a grande semelhança ao Black Sabbath, porém, não há como negar a competência dos "hermanos". E, o disco, em si, é muito viciante.


Até mesmo a estrutura do trabalho lembra os grandes clássicos setentistas, pois, aqui tempos apenas 7 faixas, como se estivéssemos diante de um vinil. Eventualmente, temos o Labo A, formado por músicas com bastante potencial comercial, e o Lado B, com composições mais despojadas, "soltas", "alternativas". E, é essa escolha estética (não somente, a sonora) que torna a banda uma das melhores promessas dos últimos anos. Sobre o disco propriamente dito, ele começa com a poderosa "Black Sunday", séria candidata a "hit". Bastam alguns segundos nos acordes para os roqueiros mais calejados se sentirem "em casa". Ótima escolha para começar o álbum.

Com um sorriso de orelha a orelha, aquele roqueiro mais "old school" não vai se decepcionar com a canção que dá título ao disco, "Whore". Mais uma vez, riffs contagiantes e uma "cozinha" coesa e potente. É quando percebemos: muitas vezes, basta o básico, o velho "arroz com feijão", que já está d ode bom tamanho. Sem firulas, sem a pretensão de realizar inovações, sem enganar o público. Uma honestidade na forma de fazer música que deixa o resultado ainda mais completo. A composição que vem a seguir, "Kill Yourself", é quase a "balada" do disco. Só não é porque o clima soturno em nada combina com uma balada. Mesmo assim, a música ainda consegue ser linda; de uma melodia estonteante.



"Drug Addict", como o próprio nome já sugere, é a mais "surtada" do álbum, e a que mais lembra os tempos áureos do Sabbath, em especial, na época do "Master of Reality" e do "Sabbath Bloddy Sabbath". Lenta e assustadoramente sinistra, "Drug Addict" cumpre muito bem o seu papel. Logo após, a ótima "Evil Beauty" vem para confirmar que estamos diante de uma pequena obra-prima do peso moderno. Empolgante e com um ótimo solo de guitarra no final, a composição, é quase certeza, deve ficar ainda melhor ao vivo. Já, "Wizard Of Meth", mesmo boa, não consegue se destacar tanto assim das demais, apesar de ser executada com o primor necessário. E, o disco finaliza de forma muito positiva com a agitada "Cursed To Death", uma espécie de "Children of the Grave" dos tempos modernos.

No total, são quase 35 minutos de puro deleite para os fãs do som do Black Sabbath fase-Ozzy, e do stoner e do doom em geral. Sim, meus caros, essa ótima banda argentina promete. Capacidade para alçar voos mais altos, ela tem (e, mostrou isso a casa segundo de "Whore"). Basta que o público ajude, prestigiando e divulgando o trabalho deles. O resto (boa música), podem deixar, que eles fazem muito bem, obrigado!

Download:


Nota: 8,5/10


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…