Pular para o conteúdo principal
Dica de Disco

"Whore" (2016)
Artista: Mephistofeles


O rock pesado é realmente um estilo bem peculiar. Quem diria que, justamente, na Argentina iríamos encontrar uma banda tão boa quanto o Mephistofeles, que possui o corpo e a alma do Black Sabbath, mas, que não se limita a ser uma mera cópia do clássico grupo britânico? Pois, é exatamente o que temos com esse disco, "Whore". Da sonoridade rasgante das guitarras, passando pelos vocais sombrios, e até a capa "viajada", tudo lembra bastante o grupo do sr. Ozzy "Madman" Osbourne. Mas, para a nossa felicidade de todos os fãs do velho rock'n roll, o que temos aqui são canções que se sustentar por si, mesmo que a influência esteja clara o tempo todo.

Formado em 2013 por Gabriel Ravera nos vocais e guitarras, Iván Sacharczuk na bateria e Ismael Dimenza no baixo (isso mesmo: mais um vigoroso power trio!), o Mephistofeles chega ao seu primeiro lançamento como gente grande, com uma incrível maturidade para rapazes tão jovens, mostrando, de cara, o que querem fazer em termos de som. Longe de esconder suas bases, os três enchem o álbum com toneladas de riffs pesadíssimos, bem ao estilo doom, além de comporem uma macabra atmosfera, com combina em gênero, número e grau com a proposta. Os mais puritanos talvez se incomodem com a grande semelhança ao Black Sabbath, porém, não há como negar a competência dos "hermanos". E, o disco, em si, é muito viciante.


Até mesmo a estrutura do trabalho lembra os grandes clássicos setentistas, pois, aqui tempos apenas 7 faixas, como se estivéssemos diante de um vinil. Eventualmente, temos o Labo A, formado por músicas com bastante potencial comercial, e o Lado B, com composições mais despojadas, "soltas", "alternativas". E, é essa escolha estética (não somente, a sonora) que torna a banda uma das melhores promessas dos últimos anos. Sobre o disco propriamente dito, ele começa com a poderosa "Black Sunday", séria candidata a "hit". Bastam alguns segundos nos acordes para os roqueiros mais calejados se sentirem "em casa". Ótima escolha para começar o álbum.

Com um sorriso de orelha a orelha, aquele roqueiro mais "old school" não vai se decepcionar com a canção que dá título ao disco, "Whore". Mais uma vez, riffs contagiantes e uma "cozinha" coesa e potente. É quando percebemos: muitas vezes, basta o básico, o velho "arroz com feijão", que já está d ode bom tamanho. Sem firulas, sem a pretensão de realizar inovações, sem enganar o público. Uma honestidade na forma de fazer música que deixa o resultado ainda mais completo. A composição que vem a seguir, "Kill Yourself", é quase a "balada" do disco. Só não é porque o clima soturno em nada combina com uma balada. Mesmo assim, a música ainda consegue ser linda; de uma melodia estonteante.



"Drug Addict", como o próprio nome já sugere, é a mais "surtada" do álbum, e a que mais lembra os tempos áureos do Sabbath, em especial, na época do "Master of Reality" e do "Sabbath Bloddy Sabbath". Lenta e assustadoramente sinistra, "Drug Addict" cumpre muito bem o seu papel. Logo após, a ótima "Evil Beauty" vem para confirmar que estamos diante de uma pequena obra-prima do peso moderno. Empolgante e com um ótimo solo de guitarra no final, a composição, é quase certeza, deve ficar ainda melhor ao vivo. Já, "Wizard Of Meth", mesmo boa, não consegue se destacar tanto assim das demais, apesar de ser executada com o primor necessário. E, o disco finaliza de forma muito positiva com a agitada "Cursed To Death", uma espécie de "Children of the Grave" dos tempos modernos.

No total, são quase 35 minutos de puro deleite para os fãs do som do Black Sabbath fase-Ozzy, e do stoner e do doom em geral. Sim, meus caros, essa ótima banda argentina promete. Capacidade para alçar voos mais altos, ela tem (e, mostrou isso a casa segundo de "Whore"). Basta que o público ajude, prestigiando e divulgando o trabalho deles. O resto (boa música), podem deixar, que eles fazem muito bem, obrigado!

Download:


Nota: 8,5/10


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Mulher Maravilha"
2017
Direção: Patty Jenkins


MAIS UM FILME DE SUPER-HERÓI GENÉRICO, "MULHER MARAVILHA" PECA, IRONICAMENTE, POR TER UM SUB-TEXTO MACHISTA EM SUAS ENTRELINHAS
Estamos diante de mais um filme de super-heróis, mais um do universo expandido da DC Comics no cinema, mais um com a enorme responsabilidade de entregar um material minimamente interessante, ao contrários dos pífios "Batman vs Superman" e "Esquadrão Suicida", sem dúvida, os dois piores filmes do gênero desses últimos anos, ao lado de "Quarteto Fantástico". Ou seja, "Mulher Maravilha" chega com uma tremenda carga a ser superada. A pergunta é: conseguiu cumprir a sua missão? Bem, digamos que sim e não. Ao mesmo tempo em que o filme acerta em alguns pontos que ficaram devendo em produções anteriores, ele também erra ao repetir alguns dos erros mais corriqueiros de longas do gênero, com um agravante que pode até causar certa polê…