Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"Ferrugem e Osso" (2012)
Direção: Jacques Audiard


Algumas regras, quando quebradas, são de tal forma desconcertantes, que fica a dúvida do porquê tantos seguem um padrão, fazendo sempre mais do mesmo, e entregando algo pouco marcante. "Ferrugem e Osso", dentro desse contexto, é um filme, digamos, "fora da caixa". Quem lê a sinopse assim por alto, sobre um romance entre um vigilante que participa de lutas clandestinas nas horas vagas, e uma treinadora de orcas, que após um grave acidente, perde as duas pernas, pode até pensar que se trata de uma produção comum sobre superação, mensagem edificantes, coisas desse tipo, enfim. Mas, não é bem assim.

Logo nos primeiros minutos, vemos Alain viajando com o seu filho pequeno. Instantes depois, descobrimos que ele está indo se instalar na casa da irmã. Esse sequencial de cenas já demonstra certo diferencial no filme. Relação entre pai e filho é, sim, de afeto e carinho, mas, em determinados momentos, um tanto bruto também. Isso porque Alain não é, de forma alguma, uma má pessoa, mas, inapto para certas situações, o que acaba fazendo com que meta os pés pelas mãos em diversas ocasiões. Mesmo assim, é impossível não simpatizar com ele, justamente porque os seus defeitos não são escondidos ou minimizados. É uma pessoa normal, como outra qualquer.




É trabalhando como segurança de uma boate, e se metendo em uma de suas costumeiras confusões, que ele conhece Stéphane, que, assim como Alain, também se mostra uma personagem diferenciada. Ela não tem puderes, por exemplo, em pegar carona com o segurança e até de levá-lo ao seu apartamento, mesmo com o seu namorado lá. Imediatamente, ela demonstra que tem autoridade e personalidade forte. E, o mais interessante é que, mesmo depois do fatídico acidente, Stéphane continua com a mesma forma de agir e ver o mundo. E, são esses personagens tão inusitados (Alain e Stéphane) que vão protagonizar um dos mais diferentes relacionamentos vistos no cinema recente.

O roteiro é bem estruturado a ponto de não colocar nada de absurdo ao inverossímil na trama. Os protagonistas têm, sim, suas falhas, e não escondem isso. Portanto, quando Alain, por exemplo, comete uma imprudência, não ficamos surpresos; apenas, sentimos receio de que suas atitudes impensadas possam prejudicar tanto Stéphane, quanto o seu filho. A história do romance entre o casal principal também é feita de forma crível, sem ser forçada. Um relacionamento "aberto", mas, que nem por isso deixa de ter suas brigas, seus ciúmes, suas inquietações, seus medos. Nossa expectativa acaba sendo um misto estranho entre querer que os dois permaneçam juntos e desejar que não mudem suas personalidades.




Interessante notar também que o roteiro não trata Stéphane como uma pobre coitada, que depende dos outros pra tudo. No início, logo após o acidente, de fato, ela ameaça ficar depressiva, mas, com o passar do tempo, ela vai buscando forças, e passa a ter cada vez mais autonomia, além de um amor pela vida que ela talvez não soubesse que tivesse. Em muitos momentos, inclusive, ela se mostra mais firme e forte do que Alain, vide a ocasião em que ela precisa ser sua "agente" nas lutas clandestinas, em meio a um ambiente, naturalmente, brutal, porém, saindo-se muito bem na tarefa. Na verdade, Alain é o mais imaturo da relação, e mesmo assim, conseguimos ter empatia por ele. O bom é que isso fica evidente até o último minuto do filme (isso se chama coerência e equilíbrio na hora de compor uma história).

 Não há como negar que as atuações ajudam muito na imersão do espectador no filme. Marion Cotillard (que já havia nos surpreendido com "Piaf - Um Hino ao Amor") está simplesmente formidável. É nítida a transformação física da personagem antes e depois do acidente, e isso se deve muito à atriz. Já Matthias Schoenaerts compõe um Alain imprudente, com um certo ar de inocência, mas, e, por isso mesmo, muito carismático. Um belo trabalho dele também. Pra completar, a direção segura de Jacques Audiard faz o resto, contando a história de forma direta e sem arrodeio, até mesmo naqueles momentos de maior reflexão. O filme tem mais de duas horas, mas, em momento algum cansa, um ponto mais do que positivo.




"Ferrugem e Osso" é, em última instância, uma pequena pérola do cinema recente, a ser degustado por quem está meio impaciente com clichês e lugares comuns. Não é, necessariamente, uma obra-prima, mas, é envolvente e instigante do primeiro ao último minutos. Uma história com personagens que podemos encontrar na esquina de nossas casas, tendo atitudes humanamente comuns e ordinárias. Alguns, é verdade, querem ver algo mais fantasioso no cinema, e não uma história de tons tão realistas.  Porém, é sempre bom quando a "fantasia" da sétima arte nos transporta para um mundo mais palpável e próximo a nós; um que possamo identificar como sendo a "vida real".

Classificação etária:

Nota: 8,5/10

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Mulher Maravilha"
2017
Direção: Patty Jenkins


MAIS UM FILME DE SUPER-HERÓI GENÉRICO, "MULHER MARAVILHA" PECA, IRONICAMENTE, POR TER UM SUB-TEXTO MACHISTA EM SUAS ENTRELINHAS
Estamos diante de mais um filme de super-heróis, mais um do universo expandido da DC Comics no cinema, mais um com a enorme responsabilidade de entregar um material minimamente interessante, ao contrários dos pífios "Batman vs Superman" e "Esquadrão Suicida", sem dúvida, os dois piores filmes do gênero desses últimos anos, ao lado de "Quarteto Fantástico". Ou seja, "Mulher Maravilha" chega com uma tremenda carga a ser superada. A pergunta é: conseguiu cumprir a sua missão? Bem, digamos que sim e não. Ao mesmo tempo em que o filme acerta em alguns pontos que ficaram devendo em produções anteriores, ele também erra ao repetir alguns dos erros mais corriqueiros de longas do gênero, com um agravante que pode até causar certa polê…
Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…