Pular para o conteúdo principal
Dica de Disco

"Macaco Bong" (2016)
Artista: Macaco Bong


Com música instrumental, não se tem meio termo: ou você gosta muito, ou você gosta (muito) pouco. Talvez, isso se dê pela grande variedade de estilos que compõem esse tipo de som, aonde encontramos desde o jazz, passando pelo eletrônico, e chegando ao rock, em seus mais diversos sub-gêneros. O que complica também é que fazer música instrumental não é das tarefas mais simples. Não basta mostrar muita "virtuosi" nos instrumentos; é preciso que haja certo "carisma" nas composições, que elas tenham uma determinada estrutura, e não sejam um mero amontoado de sons.

Nisso, chegamos ao grupo Macaco Bong, que já está aí há um bom tempo transitando nessa seara (mais precisamente, desde 2004). E, de lá pra cá, pelo menos, no meio mais alternativo, ele sempre gerou algum burburinho, mais pelas suas explosivas apresentações ao vivo do que pela qualidade dos seus discos, em si. Não que fossem ruins, mas, até agora, faltava um trabalho em estúdio, que fosse mais caprichado e que realmente passasse o poder que a banda é ao vivo. E, com esse lançamento recente, eles, de fato, conseguiram chegar lá.



O que diferencia este dos discos anteriores da banda é, justamente, alguns detalhes que, no conjunto, fazem bastante diferença. Por exemplo, quando a guitarra em "Chocobong" emula um cavaquinho num chorinho, dando ainda mais riqueza melódica à canção, você percebe o quão elaborada está a coisa aqui. Ou quando temos a mistura ensandecida de ritmos em "Baião de Stoner", cujo título já é bastante auto-explicativo. Ou seja, não se trata apenas do nicho "rock instrumental", apesar dessa ser a sua base. E, é esse dinamismo em cada música que salta aos ouvidos logo na primeira audição.

Esse amalgama de referências foi muito salutar para o Macaco Bong, principalmente, porque permitiu aos instrumentas se soltarem mais. É o caso de Bruno Kayapy, que faz horrores na guitarra, tentando soar diferenciado em cada canção; e, conseguindo. Ynaiã Benthroldo (na bateria) e Ney Hugo (no baixo) "colam" tudo de maneira competente, ambos fazendo uma cozinha sonora que privilegia muito a variedade de cores que encontramos aqui. Nada extremamente técnico, é verdade, mas, feito com garra e energia (protótipos básicos de qualquer bom show de rock que se preze).


Outras composições que se destacam no disco é a funkeada "Carne Loca" e a bastante experimental "Macaco", que encerra o trabalho. O ponto negativo fica por conta da duração de algumas composições, como em "Chocobong", com os seus desnecessários 9 minutos. Fossem as composições um pouco mais enxutas, o álbum, com certeza, ganharia mais em coesão, sem o risco der "distrair" o ouvinte. Mesmo assim, não chega a ser uma falha tão grave assim, visto que o dinamismo das canções impede que elas sejam cansativas e maçantes (exatamente, o erro dos discos anteriores do grupo).

No geral, "Macaco Bong" ainda não é o que podemos chamar de discaço, mas, está bem a frente dos outros trabalhos em estúdio da banda. Caso sigam esse caminho da diversidade sonora, e condensem as suas composições um pouco mais, podemos, aí sim, dizer que todo o hype no meio alternativo ao Macaco Bong não foi infundado. Ao menos, até esse momento chegar, este disco aqui pode ser apreciado, sem maiores contraindicações. Basta colocar pra tocar, e aumentar o volume o máximo que puder.

Download:


Nota: 8/10


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…