Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"A Chegada" (2016)
Direção: Denis Villeneuve


A ficção científica no cinema é feita de grandes obras de tempos em tempos. Só para citar alguns poucos exemplos, "2001: Uma Odisséia no Espaço", "Solaris" e "Contato" possuem um hiato de, pelo menos, uma década entre eles. E no meio dos clássicos temos o que poderíamos chamar de ficção científica de "escapismo", cujos filmes se concentram mais na ação e no terror do que em algo mais profundo (é o caso da cinessérie "Alien", por exemplo). Só que, em plano século 21, anos 2000, estava faltando uma obra que abordasse temáticas assim de uma maneira mais adulta, digamos. "Interestelar", de Christopher Nolan, até que tentou, mas, o posto de grande ficção científica dos últimos anos vai para "A Chegada".

A premissa, aparentemente, simples, é o ponto-chave para que o roteiro aqui explore temas bastante pertinentes. Mesmo assim, a produção já começa com a apresentação de sua protagonista, a renomada linguista Louise Banks, numa sequência que muito lembra o começo da animação "Up - Altas Aventuras". Após esse início, que consegue não cair no pieguismo, diga-se, temos a "ação" em si, com os noticiários dando a informação de que estranhas espaçonaves apareceram em 12 lugares diferentes no mundo, deixando a população de seus respectivos países apreensiva. Seriam alienígenas? E, estariam em missão de paz, ou se trata de uma invasão? É quando o caos se instala, e o exército convoca a Dra. Louise para ajudá-lo em algo complexo: decodificar a "linguagem" dos estranhos visitantes para saber qual a intenção deles, afinal de contas.




O roteiro, baseado no conto "Story of Your Life", de Ted Chiang, é muito bem desenvolvido ao mostrar o desespero das populações ao redor do globo, mas, sem explorar demais esses acontecimentos, com as tentativas da Dra. Louise em tentar um elo de comunicação com seres desconhecidos. Os cortes, por vezes, são secos, pois, a narrativa não perde tempo em mostrar demais as ações e reações dos personagens. Villeneuve mostra que tem muito feeling para dirigir uma história que prenda a atenção do espectador do começo ao fim, mesmo que, em alguns momentos, quase nada aconteça em tela. Lembra muito o estilo vigoroso de Sidney Lumet na direção.

Da mesma forma, os personagens são muito bem apresentados, e, ao longo da história, nenhum comete erros grotescos (os famigerados "furos de roteiro"), que só servem para produções medíocres terem momentos de tensão. Aqui, não. A Dra. Louise, dentro das suas limitações, toma as atitudes certas nos momentos certos, além dela ser, de fato, a pessoa mais qualificada para desenvolver esse tipo de trabalho, e o roteiro deixa isso bem explícito. Muitas das deduções da personagem, por sinal, não são esmiuçadamente explicadas, e isso é bom, pois, não deixa a produção com aquele excesso de didatismo que, por vezes, atrapalha muitos dos filmes de Nolan, por exemplo.




Mesmo dominando boa parte do filme, Louise não é a única personagem que merece menção. O matemático Ian Donnelly, que a acompanha em boa parte dessa jornada, é um sujeito sisudo, mas, que demonstra grande habilidade científica útil à questão da decodificação da linguagem dos inusitados visitantes. Um personagem, inclusive, que poderia, muito bem, descambar para alguém irritantemente arrogante (algo que, felizmente, não acontece). E, completando o trio de protagonistas, temos o Cel. Weber, que mesmo tendo que obedecer a diversos protocolos militares, mostra-se flexível em alguns momentos, facilitando o trabalho de Louise e Ian.

Além de personagens não necessariamente carismáticos, mas, bem colocados na trama, o roteiro tem como um de seus trunfos a crítica à falta de comunicação entre as pessoas, que tanto pode ser entre vizinhos, como entre nações inteiras, aonde um simples erro de interpretação de uma mensagem pode causar conflitos dos mais violentos. Acertadamente, esses momentos de incerteza e de conflitos devido às dúvidas quanto às intenções dos "aliens" são mostrados de maneira bem documental, com manchetes em noticiários e câmeras amadoras de populares que se encontram no "olho do furacão". E, nenhuma dessas sequências é gratuita, todas contribuindo muito bem para o desenrolar da história.




Em termos de atuações, mesmo que se elogie o trabalho de Jeremy Renner e Forest Whitaker, "A Chegada", indiscutivelmente, pertence a Amy Adams. Ela compõe a sua Dra. Louise com uma delicadeza tão grande, que não só temos a impressão de que a personagem existe na vida real, como ela nos passa um sentimento muito perceptível de cumplicidade, como se estivéssemos diante de uma amiga de longa data. Uma interpretação muito digna. Já, em termos de produção, o filme é modesto, e mesmo assim, possui uns efeitos visuais de encher os olhos, algo mais ligado à forma como a narrativa é conduzida, bem diferente de colocar toneladas e toneladas de efeitos especiais vazios e sem sentido.

No frigir dos ovos, "A Chegada", mesmo com algumas poucas falhas pontuais aqui e acolá, é um filme impecável, da direção às atuações, do roteiro à edição. E, como toda boa ficção científica não se prende a uma ação descerebrada, nem a momentos de tensão sem nenhum propósito. Faz críticas muito importantes para o momento em que vivemos (ou, alguém ainda tem dúvidas de que precisamos nos comunicar melhor?), além de mostrar uma enredo visualmente e intrinsecamente muito bonito. As questões sobre o tempo e as escolhas que fazemos ao longo da vida ficam a cargo do espectador absorvê-las. Não chega a ser imensamente intenso como um "2001" ou um "Solaris" da vida, mas, apesar disso, suscita ótimas reflexões, e, em tempos tão rasos, já é mais do que suficiente.


Nota: 9/10


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…