Pular para o conteúdo principal
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Big Jato" (2016)
Direção: Cláudio Assis


É fato que, mesmo com polêmicas aqui e ali, e divergências ideológicas um tanto rasteiras, o cinema brasileiro em 2016 não foi dos melhores. Filmes aclamados como "Boi Neon" e "Aquarius", no final das contas, mostraram-se fogo de palha, e outras produções, como o esperado "Mãe Só Há Uma", ficaram apenas nua média razoável. "Big Jato", do polêmico cineasta pernambucano Cláudio Assis, está no segundo grupo: não chega a ter nada de espetacular, mas, também, não é um filme medíocre, tornando-se até mesmo uma das "melhores" produções nacionais deste ano (o que, infelizmente, no contexto geral, não é muita coisa).

O que talvez incomode aos espectadores de "Big Jato" sejam os seus sub-textos, mais ou menos machistas, que emulam muito do autor original da história: o escritor Xico Sá. No entanto, se deixarmos essas divergências (um pouco) de lado, iremos encontrar um filme bem feito, e com uma carga de humanidade que pouco foi explorada no cinema nacional esse ano, cujos filmes preferiram ou as velhas "metáforas para o nada" ou um posicionamento político raso e tacanho. O que mais chama a atenção é o fato de Cláudio Assis conseguir extrair alguma substância de um argumento, a bem da verdade, fraco, e que, em outras mãos, seria usado apenas como uma peça de propaganda para Xico Sá.




O roteiro, baseado livremente num livro do citado escritor, trata da vida limitada que leva Chico, um rapaz que é obrigado a trabalhar com o pai num serviço insólito: como limpador de foças na distante cidade de Peixe de Pedra. Enquanto sonha com ares muito melhores para a sua vida, Chico tem em seu tio, Nelson, um famoso locutor da rádio local, uma válvula de escape para os seus desejos. É Nelson quem dá de presente a Chico uma máquina de escrever, incentivando o menino na arte da poesia, além de encorajá-lo a fugir de sua cidade natal, antes que ele vire um "fóssil". 

O interessante aqui é a construção dos personagens. Tanto o pai de Chico quanto o seu tio, Nelson, são, basicamente, a mesma pessoa, só que em mundos diferentes. Ambos bebem muito, e não têm nenhuma grande expectativa na vida, apesar do aparente porralouquice de Nelson, que usa da rádio para propagar a sua poesia e exaltar Os Betos, uma banda que, segundo ele, foi a inspiração para os Beatles. Mesmo assim, os dois possuem suas limitações, e, à sua maneira, são pessoas fracas. Chico, ao contrário, mesmo oprimido pelo pai, que considera a poesia a perdição do mundo, mostra-se cada vez mais "fora" de Peixe de Pedra. 




E, então, que vem a parte mais incômoda de "Big Jato", pois, fortes ou fracos, os homens possuem um tempo considerável em tela, sendo eles, limitados ou não, os únicos "seres pensantes" do filme. As mulheres, na trama, só servem ou como objetos sexuais dos homens ou como seres opressores da masculinidade do restante dos personagens, caso da mãe de Chico, por exemplo. Mas, como dito antes, não há o que se estranhar nisso, afinal, os textos do Xico Sá "real" têm esse quê machista, mascarados de liberais. Nesse aspecto, o roteiro não tinha muito o que fazer, caso contrário, descaracterizaria a essência do autor original da obra. Bom lembrar Cláudio Assis se envolveu, recentemente, numa polêmica de cunho machista, ao desdenhar da cineasta Anna Muylaert em uma coletiva. Portanto, esse sub-texto acaba não sendo mera obra do acaso, e, sim, isso é chato de se constatar em "Big Jato", mesmo que seja uma ou outra cena pontual.

Porém, mesmo assim, o filme consegue ser belo em alguns momentos. As participações especiais de Jads Macalé nas "intervenções poéticas" não são à toa, e toda vez que o seu personagem aparece, ele tem o que dizer. A história do núcleo familiar de Chico também é muito bem resolvida, mostrando as agruras e aflições de seus pais e irmãos com uma naturalidade tocante e genuína. Nesses momentos, as falas são quase documentais e sem filtro, e nos importamos de verdade com aquelas pessoas. Já, a direção de Cláudio Assis tem melhorado ao longo de seus filmes, e podemos dizer que, com "Big Jato", ele alcançou um patamar excelente, com closes e planos sequências bem melhores que nos seus filmes anteriores. 




Em termos de atuações, mesmo que todos estejam muito bem em seus papéis, não há como negar que "Big Jato" É de Matheus Nachtergaele, que interpreta, ao mesmo tempo, Francisco (pai de Chico) e o seu irmão Nelson. São dois personagens que, mesmo distintos, complementam-se, e o ator consegue dar uma personalidade diferente a ambos, mostrando que ainda consegue ser um dos mais talentosos intérpretes brasileiros dos últimos anos. No aspecto técnico, diga-se, temos o melhor filme de Cláudio Assis, sem dúvida, que rivaliza, nesse aspecto, com "Febre do Rato". Fotografia e edição estão numa boa harmonia, e não deixam o filme pedante, mesmo que, em alguns momentos, ele fique mais ou menos arrastado. Pra completar, a trilha sonora, calcada num rock clássico dos anos 60, é bem dosada e pontua de forma correta as cenas que se insere.

No saldo geral, "Big Jato" é um bom filme, mas, que acaba sofrendo demais a influência de seus realizadores, em especial, de Xico Sá. E, Cláudio Assis, mesmo não se mostrando tão apelativo quanto em "Baixio das Bestas", ainda precisa aprender como construir uma personagem feminina forte, e que não seja usada apenas para ficar nua em suas produções. Pode até parecer birra dos atuais tempos do politicamente correto, mas, se formos pensar que o melhor filme nacional de 2015 ("Que Horas Ela Volta?") tem uma das melhores personagens femininas do cinema nacional recente, a crítica moral a Cláudio Assis e cia não é tão infundada assim. Um filme não é só um filme; sempre diz algo a mais do que vemos superficialmente. 


Nota: 6/10  


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…