Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"Alabama Monroe" (2012)
Direção: Felix Van Groeningen


O tema do luto é recorrente no cinema. Às vezes, com algo tão denso, ótimos filmes são feitos ("O Quarto do Filho"). Já, em outras, o resultado é desastroso ("Manchester à Beira-mar").  Isso porque, o luto, em si, não é um assunto fácil de ser tratado. Acrescentem aí a mão pesada de alguns realizadores, que, por falta de talento, forçam a nossa emoção, sem nunca nos envolvermos, de fato, com o drama ali retratado. O maior pecado de uma produção assim é soar fria, calculista e, por fim, pedante. Felizmente, "Alabama Monroe" vai na contramão de qualquer apelação, mesmo que o tema seja o mesmo de tantos outros dramas rasos que lotam premiações como o Oscar mundo afora.

O principal desse filme, e que é esquecido com frequência, é a necessidade do envolvimento com o espectador. Não adianta a "genialidade" em se fazer "metáforas fabulosas", e sequências cheias de estilo, se não há naturalidade nas cenas, e se os personagens não forem minimamente bem construídos. É preciso uma certa dose de empatia, mesmo que alguém, durante a trama, mostra-se antipático ou até mesmo cruel. As circunstâncias da morte, mesmo que "esperada", são penosas, e por isso, precisam ser bem equilibradas. Personagens angustiados com as suas perdas não significam que um filme precise ser "carregado", sacal, insuportável.




Não é preciso mais do que alguns minutos, por exemplo, para nos envolvermos na história de "Alabama Monroe". Logo nos primeiros instantes, já somos cúmplices, amigos e camaradas de Didier e Elise. Ele, um músico de country e ela, uma tatuadora. Ambos bastante apaixonados. Corta para uma cena num hospital, onde uma menina se encontra bem doente, e já deduzimos que se trata da filha do casal de protagonistas. E, assim assistimos a momentos do presente e do passado deles; alguns tristes, e outros alegres, mas, sempre contrapondo a cena anterior. Em muitos casos, é um recurso batido, e que não acrescenta nada à história, mas, aqui, esses momentos tão diferentes entre si têm propósito: forçar uma reflexão sobre nossas escolhas, e como eles podem interferir em nossa vida, mesmo que sejam pequenos detalhes, mínimas atitudes.

Esse vai e vem na história, diga-se, além de não ser gratuito, não é confuso. Identificamos com facilidade quando se tratam de momentos "passados" ou "presentes". A interligação temporal entre uma sequência é outra é tão importante para a trama, que, num determinado instante podemos nos questionar o porquê do filme falar sobre determinado assunto (parecendo mais uma espécie de propaganda a um país específico). Só depois de um tempo, quando ocorrem acontecimentos decisivos na narrativa, é que entendemos aquelas cenas, aparentemente, sem nexo, mostradas lá atrás, e que reverbera na mudança de posicionamento de Didier, que passa a fazer discursos carregados de raica, mas, com razão. Para alguns, isso pode parecer (apenas) panfletário, porém, a crítica que o filme faz no tocante a certos assuntos é honesta, certeira e sem meias palavras. Nada de metáforas desnecessárias.




O filme é muito feliz ao abordar diversos temas, sem se perder na proposta. Aqui, não temos só a questão da perda, mas, do quanto é difícil a paternidade e a maternidade para muitos, as relações amorosas, que podem se desgastar com o tempo, a religião que trava o progresso, o ceticismo que torna tudo frio e mecânico demais, etc. Como pano de fundo, esses assuntos servem muito bem à trama principal, fazendo de "Alabama Monroe" não somente um longa para ficarmos tristes, mas, sobretudo, para ficarmos reflexivos. Mas, reflexivos obre o quê? Nesse caso, a escolha é do espectador, visto que o filme não condena ninguém. Se quisermos aceitar a visão crítica de Didier, é totalmente válido. Já, se nos identificarmos que a introspecção e misticismo de Elise, também é aceitável. O que o filme não oferece (e, isso é certo) é a apatia.

Ao mesmo tampo, "Alabama Monroe" não é uma produção fácil. Algumas coisas são muitos sutis, o que requer certa paciência nossa para assistirmos até o final, e entendermos a intenção de certas cenas, que, aparentemente, são bobas. Uma das coisas que mais chama a atenção é que as dores retratadas não são forçadas ou pré-fabricadas. Ao contrário, mesmo que, inevitavelmente, choremos numa cena ou outra, a naturalidade das situações é incrível. Realmente, sentimos que Didier e Elise são um casal, que os amigos deles são gente bacana, que a filha deles é uma graça (e, por isso, ficamos ainda mais angustiados com o desenrolar das situações), entre outros aspectos. É a imersão na vida dos personagens, que, com pouco tempo, já nos parecem íntimos, como se os conhecêssemos há anos.




Claro, todo o esforço do roteiro em fazer algo genuíno poderia cair por terra caso tivéssemos atores ruins nos seus respectivos papéis. Pelo menos, aqui, isto não ocorre. Veerle Baetens e Johan Heldenbergh abraçam seus personagens de maneira cativante. Fica até difícil imaginar que não sejam um casal na vida real. Nell Cattrysse, que faz a filha deles, está adorável. E, até os coadjuvantes são muito bem retratados, desde o médico que cuida da menina, até os amigos da família, todos gente boa e carismáticos, sem estereótipos ou coisas do tipo. A cena, por exemplo, em que eles recepcionam o casal e sua filha quando estes voltam do hospital é de uma simplicidade maravilhosamente desconcertante. E, temos que destacar, óbvio, a direção segura de Felix Van Groeningen, que, unida a um roteiro (também de Van Groeningen) cheio de significados, e uma edição que permite traçarmos os mais importantes paralelos da vida em seus altos e baixos, deixa o resultado bem acima da média no que se refere a esse tipo de drama.

Vida e morte, alegria e tristeza, ceticismo e fé, política e religião. "Alabama Monroe" aborda tudo isso sem precisar ser caricato. Faz pensar sem a necessidade de ser pedante. Deprime e entristece sem soar piegas. E, apesar de tudo, no final, ainda temos uma certa dose de otimismo. Não que isso sublime a força do filme, mas, é interessante como a produção alterna temas tão difíceis através de uma história de perdas, que diz muito sobre nós, em especial, a respeito dos nossos relacionamentos e da nossa visão de mundo (seja ele egoísta ou altruísta). Enquanto a dor de uns é usada para se fecharem em si, em outros, ela é usada para eles tenham mais consciência, como se os seus traumas revelassem algo do particular para o universal. E, ainda assim, temos um drama de complicada digestão para a maioria, que prefere ver o sofrimento de maneira clichê, piegas, e, no fim, distante. "Alabama Monroe" nos convida a algo que vai no extremo oposto disso. Se o envolvimento acontecerá ou não, aí já é uma escolha meramente individual.


Nota: 9/10


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…