Pular para o conteúdo principal
Dica de Disco

"Infinite"
2017
Artista: Deep Purple


COM ÓTIMO DISCO, O PURPLE MOSTRA QUE ESTÁ MAIS VIVO DO QUE NUNCA, MESMO SEM SURPREENDER 

49 anos de existência e 20 discos depois, o que ainda esperar do Deep Purple em plena era da Internet, das redes sociais, dos downloads rápidos de música, etc? Ao contrário dos outros alicerces que fazem parte da santíssima trindade do rock pesado (Zeppelin e Sabbath), o Purple, na maioria das vezes, apresentou uma regularidade invejável em sua carreira, mesmo após tantas mudanças de formação (praticamente a mesma quantidade de álbuns lançados). No entanto, convenhamos: há quanto tempo, o lendário grupo britânico não lança algo verdadeiramente relevante? Ao que me lembro, o último grande disco deles foi o ótimo "Perpendicular", no já longínquo ano de 1996. De lá pra cá, foram muitos álbuns ao vivo da época de ouro do grupo (os anos 70), e mais alguns lançamentos feitos no mais preguiçoso piloto automático, como se eles estivessem precisando gravar algo apenas para cumprir contrato com as gravadoras ("Bananas" e "Now What?!"). Portanto, é com imenso prazer que, em pleno 2017, o Deep Purple, finalmente, lança um disco digno de nota depois de muitos anos: "Infinite".



Mas, não se enganem. Nem pensem em encontrar aqui algo similar ao "In Rock", ao "Machine Head" ou ao "Burn". Nada de comparações, até mesmo porque seria injusto, por exemplo, querer que Ian Gillian, ainda hoje, conseguisse alcançar as mesmas notas que em "Child in Time", 47 anos atrás. Ao passo que, ao contrário das explosões vocais do Gillian de outrora, o que encontraremos, e muito, em "Infinite" são interpretações com a garra de quem está empunhando a bandeira do rock'n roll há décadas. Nada exagerado, e com muita honestidade da parte dele, diga-se. Já, o "caçula" da banda, Steve Morse, poucas vezes, esteve tão preciso na guitarra do Purple quanto agora. Sem solos complicadíssimos, Morse compensa tudo com muito groove, num feeling contagiante. O baixista Roger Glover, novamente, contribui milimetricamente para que as composições da banda sejam encorpadas na medida certa, e, junto com outra lenda (o baterista Ian Paice), fazem da cozinha do grupo algo a ser invejado. E, na formação atual, o tecladista Don Airey cumpre muito bem o seu papel, evitando comparações desnecessárias com o saudoso Jon Lord.

Feitas as devidas considerações de que os integrantes do Purple continuam afiados em suas respectivas funções, vamos ao disco em si. "Infinite". Sem comparações descabidas com os clássicos da banda, mas, analisando o álbum friamente à luz do rock feito atualmente, não é, sem sombra de dúvidas, um trabalho ruim, ou, sequer, mediano, mas, infelizmente, está longe ser considerado excelente também. Na maioria das vezes, empolga, e podemos perceber porque a banda se tornou esse verdadeiro patrimônio do rock pesado. Já, em outros momentos (poucos, é verdade), o som fica imensamente arrastado, clichê e meloso, o que impede o disco de ser, no geral, memorável. Em todo caso, ele começa muito bem, com três ótimas músicas: "Time for Bedlam", "Hip Boots" e "All I Got is You"; todas bem compostas, com cada elemento se encaixando à perfeição na proposta do som atual da banda. Dá pra vislumbrar, facilmente, o grupo, empolgadíssimo, executando essas canções num show bastante lotado, com a plateia indo ao delírio. Primeira impressão aprovadíssima. A seguir, quando se pensa que o Purple vai dar uma "amansada" no som, surge a excelente e swingada "One Night in Vegas" (séria candidata a melhor música do disco, e com louvor). A quinta faixa, "Get Me Outta Here", mantém o nível lá em cima, também apostando em algo mais cadenciado.



É com "The Surprising", no entanto, que o disco desanda um pouco, sendo uma faixa que poderia ter sido limada na edição do disco. Ela é até bem executada, porém, só fica interessante em momentos esparsos, sendo chata na maioria do tempo; é como se fossem duas canções em uma, faltando, nisso, uma certa unidade. Já, "Johnny's Band", com sua estrutura mais simples, é melhor resolvida, e entrega algo mais dinâmico. "On Top of the World" está no mesmo patamar das melhores canções do álbum. Melódica e muito cadenciada, mostra um perfeito entrosamento de todos os integrantes. É quase como se fosse uma aula de "como se fazer rock dos bons". Na contramão, "Birds of Prey" é uma balada que poderia ter sido melhor explorada em suas possibilidades, não sendo, de maneira alguma, descartável, mas, não atingindo o seu potencial. Por sinal, em alguns momentos, ela chega a lembrar, pela estrutura, algumas das melhores composições do Pink Floyd, mesmo sem a mesma qualidade. Ao menos, ela não se alonga muito, não chegando, em hipótese alguma, a incomodar. 

Nesse ponto, chegamos a uma agradável surpresa: uma cover do Purple para uma canção do The Doors ("Roadhouse Blues"). Obviamente, que a agitação e a urgência da composição original não está aqui, dando lugar a uma interpretação mais contida, mais elegante. Ainda assim, uma versão feita com categoria. Na edição "normal", o disco acaba por aqui. Na "deluxe", há alguns bônus interessantes, que foram lançados em fevereiro deste ano, no EP "Time for Bedlam". Começa por "Paradise Bar", boa faixa, que lembra um pouco as músicas do Van Halen. Os bônus continuam com a versão instrumental para "Uncommon Man", música lançada originalmente no disco "Now What?!", e que, nesse formato, foi consideravelmente melhorada, tornando-se uma bela "trilha sonora", digamos assim. Em seguida, uma reprise (também instrumental) de "Hip Boots", gravada num ensaio quase "descompromissado". Pra encerrar de vez, uma boa versão ao vivo do clássico "Strange Kind of Woman", que não supera outras versões já feitas, claro, mas, que também não decepciona. Fecha, portanto, de maneira satisfatória, um disco competente, e, acima de tudo, honesto.

Fica visível que o tempo passou para o Purple, não há o que discutir. Mesmo assim, eles continuam fazendo o que gostam com muita dignidade, sem quererem ir além das suas possibilidades, e lançando, depois de muito tempo, um disco para deixar qualquer fã orgulhoso. Nem passado, nem futuro; a banda está mesmo é olhando para o presente, entregando, com isso, algo que o público já esperava deles há anos. E, por isso (independente da ótima qualidade de "Infinite"), já merecem aplausos.

Destaques
Hip Boots
One Night in Vegas
On Top of the World

Faixas: 
01. Time for Bedlam
02. Hip Boots
03. All I've Got Is You
04. One Night in Vegas
05. Get Me Outta Here
06. The Surprising
07. Johnny's Band
08. On Top of the World
09. Birds of Prey
10. Roadhouse Blues (The Doors cover)
11. Paradise Bar (Non Album Track) - Deluxe Bonus
12. Uncommon Man (Instrumental Version) - Deluxe Bonus
13. Hip Boots (Rehearsal, Ian Paice's Recording) - Deluxe Bonus
14. Strange Kind of Woman (Live in Aalborg) - Deluxe Bonus

Integrantes:
Ian Paice – bateria, percussão
Roger Glover – baixo
Ian Gillan – vocal, harmônica, percussão
Steve Morse – guitarra
Don Airey – órgão, teclado

Onde baixar


Nota: 8/10


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Mulher Maravilha"
2017
Direção: Patty Jenkins


MAIS UM FILME DE SUPER-HERÓI GENÉRICO, "MULHER MARAVILHA" PECA, IRONICAMENTE, POR TER UM SUB-TEXTO MACHISTA EM SUAS ENTRELINHAS
Estamos diante de mais um filme de super-heróis, mais um do universo expandido da DC Comics no cinema, mais um com a enorme responsabilidade de entregar um material minimamente interessante, ao contrários dos pífios "Batman vs Superman" e "Esquadrão Suicida", sem dúvida, os dois piores filmes do gênero desses últimos anos, ao lado de "Quarteto Fantástico". Ou seja, "Mulher Maravilha" chega com uma tremenda carga a ser superada. A pergunta é: conseguiu cumprir a sua missão? Bem, digamos que sim e não. Ao mesmo tempo em que o filme acerta em alguns pontos que ficaram devendo em produções anteriores, ele também erra ao repetir alguns dos erros mais corriqueiros de longas do gênero, com um agravante que pode até causar certa polê…