Pular para o conteúdo principal
Lista

5 Filmes para Rejeitar a Ideia de que "Bandido Bom é Bandido Morto"


A arte é formidável. Muitas vezes, uma obra dessas diz com mais profundidade e reflexão sobre um tema do que várias teses rebuscadas por aí. Peguemos o caso da segurança pública, por exemplo, e, mais especificamente, o jargão "bandido bom é bandido morto", que, mais do que nunca, está na boca do povo. De acordo com uma pesquisa do Datafolha de 2015, feita em 84 cidades, 50% dos entrevistados concordaram plenamente com essa frase. Atualmente, o cenário parece não ter mudado tanto, apesar de outra pesquisa (essa, realizada pelo Centro de Estudos em Segurança e Cidadania da Universidade Cândido Mendes, na cidade do Rio de Janeiro), para 37% dos entrevistados, "bandido bom é bandido morto", sim, uma média menor do que a nacional, mas, ainda assim, alta. E, apenas para lembrar, existe um certo presidenciável famoso, cujo discurso armamentista é totalmente baseado nesse jargão. Com isso, vem ganhando uma imensa popularidade nos últimos tempos. 

Portanto, qual a melhor forma de confrontarmos essa escalada reacionária? Uma delas, é através da arte, em especial, a do cinema. Infelizmente, são poucos os filmes que abordam o tema com a seriedade devida, onde a maioria dos filmes que resvalam sobre esse assunto, não passam de produções de terror ultraviolentas e sádicas, que só servem aos apreciadores mais hardcores desse tipo de cinema. No entanto, os poucos que consegui coletar nesta lista tratam o tema de forma interessante, e à luz da realidade das coisas, sem muito filtro, e fazendo os questionamentos corretos. Se conseguem mudar ou não a forma de pensar de alguém, depende de quem for assistí-los, mas, com certeza, mesmo quem não queira, vai se ver obrigado a pensar a respeito do assunto após ver cada um deles.

Aqui estão:




"Os Suspeitos"
2013
Direção: Dennis Villenueve
O talentoso cineasta canadense Dennis Villenueve conduz a trama de "Os Suspeitos" de maneira bastante intrigante. Neste, que é o seu primeiro filme em solo norte-americano, vemos o caso do sequestro de uma menina de 6 anos e de sua amiga, e, mais precisamente, a luta desesperada de seu pai para conseguir encontrá-la. O problema dessa busca é que ele usa métodos ilegais e muito violentos (como cárcere privado e torturas física e psicológica) para conseguir saber o paradeiro de sua filha. A escalada de violência vem num crescendo assustador, e mesmo com um final um tanto óbvio, a história explora muito bem essa questão de querer fazer justiça com as próprias mãos, mostrando que, me certos casos, não há tanta diferença assim entre o "cidadão de bem" e o bandido em si. Ótimo thriller e ótima reflexão. 



"Zona do Crime"
2007
Direção: Rodrigo Plá
Angustiante filme mexicano que utiliza bem o medo cotidiano da violência e da busca incessante por segurança privada para fazer uma crítica de classes formidável. O longa se concentra num condomínio privado, chamado de La Zona, onde os moradores, a revelia da população que reside ao seu redor, vivem isolados, a ponto de fazerem as suas próprias regras dentro do lugar. Quando uma senhora é morta por um grupo de delinquentes que conseguem invadir o condomínio, vamos sendo apresentados a uma sociedade cujo senso comum é repleto de cinismo e mediocridade. Não faltam ocasiões em que os moradores do local, todos de classe média alta, usam seu poder financeiro em prol das piores barbaridades. Um retrato provocativo de uma sociedade bem delimitada entre os que são privilegiados e os que são marginalizados.



"Sobre Meninos e Lobos"
2003
Direção: Clint Eastwood

O melhor filme de Eastwood neste século trata de assuntos controversos, e que escondem mais detalhes do que aparentam. A trama tem início quando conhecemos três grandes amigos ainda na adolescência. Um deles é sequestrado e abusado sexualmente, mas, consegue fugir. Muitos anos depois, a vida desses três se intercala de maneira trágica: a filha de um deles é violentada e morta, o outro é o policial que investiga o caso, e o último se torna o principal suspeito do crime, justamente, o que foi abusado quando ainda era jovem. A narrativa é primorosa o tempo todo, e sem revelar nada até o seu doloroso final, faz-nos questionar sobre a validade de se fazer justiça com as próprias mãos. 



"A Caça"
2012
Direção: Thomas Vintenberg

Aqui, temos mais um tema espinhoso, e que é tratado com maestria: o abuso (ou, suposto abuso) infantil. A história conta sobre a vida de Lucas, que está reconstruindo a sua vida após um divórcio. Trabalhando numa creche local, ele vê sua vida se transformar num verdadeiro inferno depois que uma menina de 5 anos o acusa de abuso, o que desencadeia uma verdadeira onda de ódio entre os moradores da cidade. Sem revelar até o último instante se Lucas é culpado ou não, o filme vai mostrando, às vezes, de maneira cruel, como as pessoas podem julgar facilmente um caso, mesmo antes que se investigue se ele é ou não verdadeiro. Ao mesmo tempo, vemos o quanto Lucas também é, de certa maneira, um hipócrita, pois, tem como esporte preferido a caça de animais, ensinando a seu filho essa tradição violenta como se fosse algo completamente normal. Mas, então, ao ser acusado de um crime que pode não ter cometido, passa a se tornar, ironicamente, a caça. Impactante.



"Doze Homens e Uma Sentença"
1957
Direção: Sidney Lumet
Este clássico de Lumet expõe todos os clichês possíveis e imagináveis de uma sociedade vingativa, que explora a diferença de classes em prol de um preconceito absurdo e sem sentido. A história narra o caso de um assassinato que foi supostamente cometido por um adolescente. Os 12 membros do júri, então, precisam entrar num consenso sobre o crime, e se o rapaz for considerado culpado, vai ser condenado à pena de morte. Mas, apenas 1 dentre os 12 jurados não acredita que o jovem cometeu o tal assassinato, e vai expondo seus argumentos que comprovam a sua tese. Ao mesmo tempo, vai se desenrolando uma verdadeira batalha de ideias entre todos os 12 jurados, o que leva horas, e mais horas. Nisso, vão sendo colocados à mesa todos os tipos de preconceitos, intolerâncias e barbaridades nos quais a sociedade atual está cada vez mais afundada. Um filme, acima de tudo, necessário e urgente.  


Material complementar sobre o tema:








Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…