Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"Um Pombo Pousou num Galho Refletindo Sobre a Existência"
2014
Direção: Roy Andersson


REFLEXÕES INCÔMODAS NUM FILME IGUALMENTE INCÔMODO

Cinema para pensar, "cabeçudo", difícil... Sim, a arte do diretor sueco Roy Andersson é assim, e um pouco mais. Quem teve a oportunidade de assistir a "Vocês, os Vivos", sabe que ele não mede concessões para falar o quer e nem se incomoda se está fazendo um cinema de "não ação", justamente na contramão do ritmo acelerado que a sétima arte vem tomando nos últimos tempos. Há quem adore e há que deteste. De fato, não existe meio termo no cinema de Roy Andersson, que, se não agrada a todos (e, nem precisa), possui algo essencial, que é fazer um filme realmente autoral, diferente, cheio de nuances, que, muitas vezes, é necessário assistí-lo outras vezes mais.




O fio condutor da trama, que é o que amarra todas as histórias, mostra Sam e Jonathan, dois vendedores ambulantes de artigos de diversão. Peculiaridade: os dois, de tão desanimados e depressivos, parecem mortos vivos, o que contrasta com o ramo do qual trabalham, o que acaba gerando aquele riso forçado e engasgado no espectador, já que tal situação, além de ser de certa forma cômica, é também muito triste. Ao redor deles, figuras e acontecimentos pitorescos vão se intercalando, e passando a mensagem que Roy Andersson quer de maneira muito ácida. Seja num homem que quer tirar uma bolsa de dinheiro das mãos de sua mãe moribunda, seja no assédio explícito de uma professora de dança com o seu aluno, vamos sendo provocados do que é ser, em essência, um ser humano (ponto central deste filme, que é a parte final de uma trilogia, iniciada com "Canções do Segundo Andar", e continuada com "Vocês, os Vivos").

E, a sucessão de situações absurdas, melancólicas, com uma certa dose de humor negro, vão se delineando. Um dos pontos altos é quando um restaurante é "invadido" pela cavalaria de um príncipe, cujo exército está indo para a guerra contra os russos. Imagens extasiantes, e que se tornam ainda mais emblemáticas na "volta" dessa cavalaria, uma bela crítica à guerra e aos donos do poder. Há, no entanto, outros momentos mais amenos, mas, igualmente melancólicos, quando, por exemplo, acompanhamos um senhor cabisbaixo num bar, e, num fluxo temporal, vemos como ele era feliz naquele mesmo ambiente, num período que parecia remontar à Segunda Guerra, provavelmente. Mas, em termos de angústia, nada parece superar a depressão crônica da qual vive Jonathan, quase sempre tendo uma vontade imensa de chorar e questionando a todo o momento o que é a vida. É, inclusive, num de seus devaneios, que vemos uma das imagens mais poderosas do filme, e que critica, acima de tudo, o espetáculo das desgraças humanas para uma elite senil. Muito forte.




Mesmo pesado em muitos pontos, o filme também presa pela ironia. São muitos os personagens que vivem repetindo uma espécie de mantra: "Fico feliz que esteja tudo bem". Mas, não. Não está tudo bem. Ao contrário: o ser humano é vil, mesquinho, arrogante e pouco altruísta. Não se importa com o sofrimento próximo, mesmo que esse próximo seja um "amigo" ou parente. Está mais preocupado com as futilidades e as amarras do cotidiano. Não vê problemas em maltratar animais ou pessoas para fins escusos ou, simplesmente, para o bel prazer de uma classe privilegiada. É como Jonathan diz, num determinado momento: "Nós não pedimos perdão pelos nossos erros, nem pelos dos outros". Pra quem consegue ter o mínimo de sensibilidade, de fato, não são constatações de fácil digestão. São coisas muito incômodas de se assistirem. Mas, a arte não está aí para isso? Para incomodar?

A direção de Roy Andersson é propositalmente carregada, e serve muito bem ao seu propósito. Evidentemente, que alguns momentos poderiam ser mais abreviados, nem para dar "ritmo" à trama, mas, porque a mensagem já foi passada, e fica se repetindo, algumas, vezes, desnecessariamente. Ainda assim, é uma ótima direção, colocando vários elementos numa única cena, obrigando o espectador a prestara mais atenção ainda no que ocorre na "periferia" da ação principal. As atuações não são nada extraordinárias, mas, compõem bem ao que a obra se propõe. Nesse sentido, o que mais se destaca é mesmo Holger Andersson, que faz do seu Jonathan uma figura patética, mas, que representa muito bem o cerne do ser humano: este ser patético, por natureza, lutando sempre contra os outros e contra si.




"Um Pombo Pousou num Galho Refletindo Sobre a Existência" é um filme difícil? Não. Eu diria até que não é uma obra tão complexa quanto "Vocês, os Vivos", por exemplo. Porém, não é o típico filme feito para agradar ao grande público, acostumado a tramas simplórias, "mastigadas" e bastante rasas. De certo, muitos acharão somente chato. Mas, a intenção foi essa, mesmo. E, se é para "facilitar" certos entendimentos, pra isso, existe o cinema de escapismo hollywoodiano que faz isso muito bem, obrigado. Aqui, o buraco é mais embaixo, as inquietações são mais reais, críveis, e muito próximas a nós. Obviamente, a maioria não quer se ver num espelho tão nebuloso, mas, assim que termina a trilogia de "o que é ser um ser humano" de Roy Andersson, ainda ficamos com a vaga esperança de que amanhã pode ser um outro dia. Basta pararmos um pouco para refletirmos.


Nota: 8,5/10


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…