Pular para o conteúdo principal
Disco Não Recomendável

"One More Light"
2017
Artista: Linkin Park


MUITO MAIS RAPPER DO QUE ROCKER, O LINKIN PARK VOLTA COM UM DISCO APÁTICO E TOTALMENTE SEM IDENTIDADE

Não há problema nenhum em mudar o seu som, contanto que seja para melhor. Exemplos de grupos bem sucedidos nesse quesito não faltam, do Red Hot Chilli Peppers, que passou a fazer um pop mais dançante e enigmático a partir de "BloodSugarSexMagik", ao Los Hermanos, que deram uma bela e honesta guinada contra o mainstream com o atemporal "Bloco do Eu Sozinho". O caldo entorna mesmo quando a mudança piora algo que, na prática, já não era tão bom assim. Convenhamos: o Linkin Park nunca foi uma exímia banda de rock, apesar de seus dois primeiros álbuns ("Hibrid Theory" e "Meteora") serem até bons discos, com um certo carisma. Mas, de uns tempos pra cá, a banda, em relação ao seu início de carreira, está irreconhecível. E, bastante piorada.



Depois que lançaram o fraco "Minutes to Midnight", lançado há exatos 10 anos, eles, simplesmente, vem abraçando com tudo a sua veia rapper, misturada com um pop anêmico que não empolga ninguém. "Mas, será que essa estratégia não seria para atrair um novo público?" Ok, concordo. Porém, fica a indagação: como o fã de rap/hip-hop ou do pop vai se interessar pelo atual (e, chatíssimo) som do Linkin Park se ele tem opções bem melhores no mercado, como Kanye West e Adele? Essa postura da outrora banda de new metal não só não deve atrair novos fãs, como também acaba, provavelmente, afastando os antigos. Ou seja: é uma fase tão descaradamente ruim que não conseguem agradar nem a gregos, nem a troianos.

Exagero?

Então, desafio o ouvinte (seja aquele mais calejado, seja aquele menos experiente) a escutar "One More Light", o novo disco do Linkin Park, de cabo a rabo sem sentir aquela velha sensação do tipo: "Hum, eu já ouvi isso antes, e, bem melhor". A primeira canção do álbum, "Nobody Can Save Me" é a prova cabal disso. Parece mais um desses singles de rap/hip-hop descartáveis que pululam nas paradas de sucesso a toda hora no dial das rádios. E, se já temos tantas músicas parecidas, pra quê mais uma, e justamente de uma banda que se dizia de rock? Por sinal, um dos destaques do Linkin Park de antigamente, o cantor Chester Bennington, está soando "suave" demais, nem parecendo aquele garoto que soltava uns guturais até empolgantes dos antigos trabalhos do grupo. Em suma: acalmou, amansou. E, perdeu uma de suas melhores características.



A situação piora ainda mais (se é que isso é possível) nas faixa seguinte, "Good Goddbye", que possui umas incursões pop intragáveis. Realmente, não precisamos mais ainda desse tipo de som. Na terceira faixa, "Talking to Myself", eles ainda "arriscam" um pouco de rock. No entanto, fica só na intenção, pois, mais uma vez, é tudo tão apático, tudo tão "mais do mesmo", que, voltando no tempo, temos até a impressão de que os Hanson faziam um som mais pesado. Chega, então, "Battle Symphony", e nem o mais otimista dos fãs pode discordar: o Linkin Park piorou além da conta. Mesmo não sendo maravilhas da indústria fonográfica, os dois primeiros discos deles mostravam um grupo com garra, com punch, com carisma. Agora, nem sinal disso. O restante do álbum segue à risca a fórmula dessas quatro primeiras músicas, com "destaques" para "Invisible", "Sorry For Now" e "Halfway Right", todas esquecíveis, dispensáveis e inúteis até mesmo a qualquer apreciador médio de música.

"O Linkin Park fez o pior disco de 2017 até agora?" Sim. "E, há quem vá gostar desse som?" Provavelmente. Mas, repito: os fãs antigos da banda, muito provavelmente, vão odiar esse mais novo lançamento deles. Já, os fãs de ocasião, mesmo achando algumas das músicas "legalzinhas", vão enjoar rápido, e procurar novas (e, melhores) coisas para escutar. "'One More Light' não tem uma qualidade sequer?" Sim, tem: ele é curto. Possui pouco mais de meia hora de duração, o que já é "muito", dada a "qualidade" do material. E, só.

Um conselho: continuem escutando "Hibrid Theory" à exaustão, pois, aquele Linkin Park do início dos anos 2000 não volta mais. Se bem que, em termos de rock, exite material bem melhor por aí. Em todo caso, uma certeza: "One More Light" é um disco completamente dispensável. Definitivamente, não precisávamos dele em momento algum.

Download:


Nota: 1/10


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…