Pular para o conteúdo principal
Dica de Disco

"How Did We Get So Dark?"
2017
Artista: Royal Blood


DUO BRITÂNICO, AO APOSTAR EM MELODIAS MARCANTES, LANÇA UM DOS MELHORES DISCOS DE ROCK DO ANO 

O rock morreu? Ah, tá! A desculpa para ignorar o que de melhor tem sido feito no estilo atualmente já virou clichê. Não adianta discutir muito com os puritanos "catedráticos" sobre o assunto. Para estes, o rock perdeu a relevância a partir da década de 70. Só que os tempos são outros; precisam ser outros. O rock (do bom) continua a ser feito. E, quem nos presenteia, vez ou outra, com discos estupendos são os novatos, essa gente com gás e talento, mas, que, na maioria das vezes, continuam não sendo devidamente conhecidos. É o caso do duo Royal Blood, formado pelo guitarrista e baixista Mike Kerr e pelo baterista Ben Thatcher.



"How Did We Get So Dark?" é apenas o segundo disco dos caras, e já demonstra uma tremenda maturidade. Apostando num rock básico, garageiro, à lá White Stripes, o Royal Blood consegue soar atual sem abdicar das principais referências ao estilo. Neste disco deles são, ao total, 10 músicas, 10 sons empolgantes do começo até o final. O cartão de visitas é "How Did We Get So Dark?", que dá título ao álbum, e, com sua ótima melodia, unida a uma batida ritmada, dá o tom do que vamos encontrar ao longo do trabalho. Logo em seguida, temos os grandes destaques do disco, as excelentes "Lights Out" e "I Only Lie When I Love You", que unem à perfeição a proposta do duo em fazer um rock ao mesmo tempo intenso e simples.






Após esses três primeiros petardos, o disco se revela um pouco mais melódico (mas, não menos excelente), como se algumas bandas de britpop tivessem eletrificado bastante o seu som. O resultado são faixas muito bem compostas, como "She’s Creeping" e "Look Like You Know". O Roayl Blood, apesar da qualidade, repete-se um pouco, porém, em "Where Are You Now", um tanto morna perto das outras canções do álbum. Mas, com a semi-balada "Don’t Tell", a banda volta a mostra o seu potencial. Após leve "calmaria", as caixas de som voltam com bastante potência em "Hook, Line and Sinker", um belo de um rock pra ninguém botar defeito. O disco encerra com "Hole in Your Heart" (com uma interessante alternância entre momentos calmos e explosivos) e "Sleep" (que não está no mesmo nível do ãlbum como um todo, mas, ainda assim, é competente).




Portanto, a velho reclamação de que não se tem mais rock de qualidade sendo feito, e por aí vai, acaba se tornando desculpa de quem por preguiça, talvez, só se informe de música pela grande mídia, que, claro, só vai passar coisas bem genéricas para o público. Mas, quem ousar conhecer um pouco mais, pesquisar um pouco mais, vai, inevitavelmente, deparar-se com bandas como o Royal Blood. E, "How Did We Get So Dark?", que reúne as melhores características do duo, é a perfeita porta de entrada para se conhecer o trabalho desses caras. E, depois das devidas apresentações, basta aumentar o volume, e aproveitar o som. Nada mais do que isso.


Download:
https://soundpark.pt/album/torrent-225155-royal-blood-how-did-we-get-so-dark-2017


Nota: 8,5/10


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…