Pular para o conteúdo principal
Dica de Disco

"How Did We Get So Dark?"
2017
Artista: Royal Blood


DUO BRITÂNICO, AO APOSTAR EM MELODIAS MARCANTES, LANÇA UM DOS MELHORES DISCOS DE ROCK DO ANO 

O rock morreu? Ah, tá! A desculpa para ignorar o que de melhor tem sido feito no estilo atualmente já virou clichê. Não adianta discutir muito com os puritanos "catedráticos" sobre o assunto. Para estes, o rock perdeu a relevância a partir da década de 70. Só que os tempos são outros; precisam ser outros. O rock (do bom) continua a ser feito. E, quem nos presenteia, vez ou outra, com discos estupendos são os novatos, essa gente com gás e talento, mas, que, na maioria das vezes, continuam não sendo devidamente conhecidos. É o caso do duo Royal Blood, formado pelo guitarrista e baixista Mike Kerr e pelo baterista Ben Thatcher.



"How Did We Get So Dark?" é apenas o segundo disco dos caras, e já demonstra uma tremenda maturidade. Apostando num rock básico, garageiro, à lá White Stripes, o Royal Blood consegue soar atual sem abdicar das principais referências ao estilo. Neste disco deles são, ao total, 10 músicas, 10 sons empolgantes do começo até o final. O cartão de visitas é "How Did We Get So Dark?", que dá título ao álbum, e, com sua ótima melodia, unida a uma batida ritmada, dá o tom do que vamos encontrar ao longo do trabalho. Logo em seguida, temos os grandes destaques do disco, as excelentes "Lights Out" e "I Only Lie When I Love You", que unem à perfeição a proposta do duo em fazer um rock ao mesmo tempo intenso e simples.






Após esses três primeiros petardos, o disco se revela um pouco mais melódico (mas, não menos excelente), como se algumas bandas de britpop tivessem eletrificado bastante o seu som. O resultado são faixas muito bem compostas, como "She’s Creeping" e "Look Like You Know". O Roayl Blood, apesar da qualidade, repete-se um pouco, porém, em "Where Are You Now", um tanto morna perto das outras canções do álbum. Mas, com a semi-balada "Don’t Tell", a banda volta a mostra o seu potencial. Após leve "calmaria", as caixas de som voltam com bastante potência em "Hook, Line and Sinker", um belo de um rock pra ninguém botar defeito. O disco encerra com "Hole in Your Heart" (com uma interessante alternância entre momentos calmos e explosivos) e "Sleep" (que não está no mesmo nível do ãlbum como um todo, mas, ainda assim, é competente).




Portanto, a velho reclamação de que não se tem mais rock de qualidade sendo feito, e por aí vai, acaba se tornando desculpa de quem por preguiça, talvez, só se informe de música pela grande mídia, que, claro, só vai passar coisas bem genéricas para o público. Mas, quem ousar conhecer um pouco mais, pesquisar um pouco mais, vai, inevitavelmente, deparar-se com bandas como o Royal Blood. E, "How Did We Get So Dark?", que reúne as melhores características do duo, é a perfeita porta de entrada para se conhecer o trabalho desses caras. E, depois das devidas apresentações, basta aumentar o volume, e aproveitar o som. Nada mais do que isso.


Download:
https://soundpark.pt/album/torrent-225155-royal-blood-how-did-we-get-so-dark-2017


Nota: 8,5/10


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Dica Cultural

Festival MIMO 2016
Programação Olinda


MIMO significa Mostra Internacional de Música em Olinda. E, também resistência de arte da melhor qualidade. Nasceu em 2004, na cidade pernambucana que leva seu nome, e que hoje é patrimônio histórico da humanidade. O que não significa que o festival não ocorra em outros lugares, como vem acontecendo há alguns anos. Este ano, por exemplo, em sua 13ª edição, a MIMO já desembarcou em Portugal, e nas cidades brasileiras de Ouro Preto, Tiradentes, Paraty e, nos próximos dias, no Rio de Janeiro. E, claro, haverá espaço para sua cidade natal, Olinda, que irá abarcar inúmeras atrações de peso entre os dias 18 e 20 de novembro próximos.
A seguir, a programação completa da MIMO em Olinda.


CONCERTOS

18 Novembro / Sexta-Feira

Zeca Baleiro - Violoncelo e Piano
18h - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

João Fênix
19h - Igreja do Carmo

João Bosco & Hamilton d Holanda
19h30 - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

Mário Laginha & Pedro Burmes…