Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"Raw"
2016
Direção: Julia Ducournau


DRAMA COM TOQUES DE HORROR NÃO JUSTIFICA TODO O HYPE QUE RECEBEU, MAS, NÃO DEIXA DE SER UMA OBRA INTERESSANTE

Muitas vezes, o hype pode estragar a experiência de se assistir um filme. Algumas obras são tão faladas que acabam despertando mais curiosidade por exageros seja do público, seja da mídia especializada. No caso de "Raw", houve um verdadeiro alvoroço depois que o filme causou um grande mal-estar em alguns espectadores no Festival de Toronto no ano passado, chegando ao ponto de uma ambulância chegar ao local para socorrer quem estava passando mal durante a sessão. Era o motivo que muitos procuraram para taxar "Raw" de "o mais mais perturbador do mundo", e outras coisas do tipo. Porém, tirando-se todo essa expectativa, o que sobra? Um filme, a bem da verdade, muito bom, nada de extraordinário, mas, tampouco, é uma produção extremamente pesada e angustiante, apesar de alguns momentos bem tensos.




A história terá foco em Justine, um jovem que acaba de ingressar mo curso de veterinária, algo que já é tradição na família, já que os seus pais também são formados nele, e a sua irmã, Alexia, continua estudando na área, e está na mesma instituição da qual Justine vai ficar. Logo que chega no local, a garota começa a sofrer os eventuais trotes que já fazem parte da tradição dos estudantes, e assim, como outros novatos, ela fica sujeita a todo tipo de brincadeira de mau gosto, chegando às vias de fato da humilhação, que vai desde os veteranos invadirem e bagunçarem os quartos dos recém-chegados, até estes serem, literalmente, banhados em sangue, numa espécie de "rito de passagem". No ápice desses momentos, Justine é obrigada pela irmã a comer fígado cru de coelho (sendo que ela é vegetariana), e, a partir daí, algo bastante tenebroso vai afetar tanto o corpo, como o lado psicológico dela.

O roteiro acerta bastante ao usar de simbolismos e alegorias para representar a personalidade da protagonista ao longo de sua gradativa "transformação". A opressão que sofre, seja da mãe controladora, seja dos companheiros de universidade, vai tornando ela cada vez mais fria, violenta e calculista. O ato sexual com o seu companheiro de quarto, e que faz ela perder a virgindade, também se mostra uma interessante metáfora do amadurecimento, principalmente pelo fato dela chegar ao orgasmo nesse momento mordendo o próprio pulso e sentindo o seu sangue. É quando os "desejos" dela por carne humana se intensificam, fazendo com que a sua irmã, que também possui essa predileção por canibalismo, seja uma espécie de "mentora" para Justine, conseguindo seu "alimento" de maneira nem um pouco ortodoxa, digamos assim. 




Ao contrário de outros filmes que tratam sobre o canibalismo, "Raw" consegue falar de um tema tão controverso de maneira séria, intrigante, e de forma bastante psicológica, sem apelar para um terror barato. Por sinal, seria mais justo classificá-lo como um drama com toques de horror. É verdade que algumas cenas, de tão desnecessárias, acabam sendo constrangedoras, mas, isso não chega a atrapalhar o desenrolar da narrativa, que não possui nenhum dos moldes hollywoodianos de ser. Em suma: esperem por uma construção lenta e gradual do enredo, aonde, camada após camada, a trama vai se desenvolvendo, mesmo que ela não tenha, necessariamente, um clímax, e sim, momentos importantes para completar o seu desfecho.

Todos os envolvidos na produção estão excelentes em suas funções, a começar, claro, pela diretora e roteirista Julia Ducournau. Bastante interessante na argumentação da história, e definitivamente segura na condução dessa mesma história, Ducournau mostra um talento muito peculiar, principalmente pelo fato deste ser o seu primeiro filme. Com relação ao elenco, o destaque óbvio vai para Garance Marillier, que interpreta a personagem principal de forma madura e intensa, sem cair no caricato. Outra que também merece elogios é Ella Rumpf, no papel de Alexia. Vale mencionar também Rabah Nait Oufella, na pele de Adrien, companheiro de quarto de Justine, e que será de grande importância na trama.




Sim, mas, e todo o hype das cenas ditas perturbadoras? Pois, é; era só hype, mesmo. Algumas sequências, de fato, são indigestas e incômodas, no entanto, nada de tão chocante assim, pelo menos, não a ponto de alguém já acostumado ao cinema de horror passar mal assistindo. E, isso também é um ponto positivo de "Raw", pois, as cenas de maior grafismo "servem" à trama, não sendo, portanto, nem um pouco gratuitas. Sanguinolentas, sim, porém, inseridas de maneira orgânica no contexto da história. Ou seja, mesmo com todo o (desnecessário) escarcéu a respeito do filme, ainda assim, ele se sustenta como uma obra interessante, repleta de simbolismos e alegorias sobre problemas familiares, bullying, entre outros temas. Uma ótima pedida para quer quiser ver algo além do genérico cinema que invade os multiplex a cada temporada. 


Nota: 8/10


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…