Pular para o conteúdo principal
Disco Mais ou Menos Recomendável

"Feed the Machine"
2017
Artista: Nickelback


COM UM ROCK, EM GERAL, APÁTICO, O NOVO DISCO DO NICKELBACK EMPOLGA POUCO E ENTEDIA MUITO

Algumas bandas dão motivos suficientes para serem odiadas, como o Creed e o Limp Biskit (afinal, quem ainda suporta essas cópias descaradas do Pearl Jam e o Faith no More, respectivamente?). Já, outras, ganharam "fama" por serem bastante odiadas, mas, verdade seja dita: não mereciam, apesar de também não fazerem por onde se destacaram no cenário atual da música. É o caso, por exemplo, do Nickelback, que se, por um lado, possui um som até competente, por outro, faz aquele velho "mais do mesmo", que nem fede, nem cheira. E, isto está presente em praticamente todos os discos da bandas, e este "Feed the Machine" não é exceção. 



O diferencial, desta vez, (se é que podemos chamar de "diferencial") é que a banda volta, digamos, "engajada", com um trabalho que possui um certo teor de "crítica social". O problema é que o grupo liderado pelo vocalista Chad Kroeger nunca primou por esse tipo de temática, e, mesmo que seja louvável fazer um álbum assim, acaba, invariavelmente, soando forçado. E, essa forçação de barra se reflete no som do disco, que está mais pesado, e (por que não?) um pouco mais diversificado. Porém, dadas as limitações do Nickelback, boa parte de "Feed the Machine" demonstra muita repetição, com músicas sem carisma, sem "sal".

A canção de abertura, que dá nome ao álbum, é um exemplo de como a banda está querendo parecer mais pesada, e, consequentemente, mais interessante. E, de fato, a letra é boa ("Colocando mentiras imundas em anzóis como iscas / Mais um charlatão para ser idolatrado") e algumas passagens possuem uma vibração que talvez os ouvintes de ocasião do Nickelback não estejam acostumados. Após o bom início, temos aquela que é, sem dúvida, a melhor do álbum: "Coin For The Ferryman". Apesar da letra um tanto fraca (que parece descrever uma espécie de roadie trip), a composição é bastante pesada e variada, até mesmo na interpretação de Chad Kroeger, mais forte do que de costume.




No entanto, depois de dois bons cartões de visitas, o disco segue ladeira abaixo, a começar pela insossa "Song On Fire", primeira, e uma das mais irritantes baladas de "Feed the Machine". Dato: esse som baladeiro anêmico deixam ainda mais evidentes as falhas do Nickelback. Mas, é assim, infelizmente, que funciona a indústria: é necessário que haja um "hit", uma canção de fácil assimilação para o público, e mesmo que esse "hit" soe deslocado no disco em si, ele sempre precisa ser feito, o que quebra qualquer proposta. Bem, após essa "sessão xarope", surge até uma boa música, "Must Be Nice", mesmo que ela pareça estranha à primeira audição, um mistro de Aerosmith com Faith no More, digamos.

Na continuação dos sons apáticos, o Nickelback volta a esfriar esse disco com "After The Rain", mais uma balada sem função alguma no trabalho. Em seguida, mais uma boa canção, "For The River", e que assim como as melhores do álbum, é vibrante nos momentos certos, com Chad Kroeger não arrastando a voz de maneira irritante. Aqui, já dá pra perceber uma coisa: se "Feed the Machine" tivesse seguido essa tendência mais pesada, sem dúvida, estaria um pouco acima da média. No entanto, no meio do caminho, tinha uma balada (ou, será que tinha uma balada no meio do caminho?). A questão é que "Home" surge como mais um banho de água fria num disco que, se muito deveria ter uma única balada, no seu encerramento. Porém, contudo, todavia, entretanto...




Prova de que "Feed the Machine" seria bem melhor sem tantas canções melosas é a sua oitava faixa, "The Betrayal (Act III)", que começa de forma acústica, e vai numa crescente interessante, com a banda, justiça seja feita, bem entrosada. Só que, adivinhem? Pois, é, mais uma "vocês sanem o quê". A música "Silent Majority" é até animada, mas, não esconde sua veia baladeira. E, eis que surge "Every Time We're Together", penúltima canção do álbum, que não passa de uma b-a-l-a-d-a novamente (haja vício nesse estilo de música, não?), e que consegue ser tão irritante quando aquelas canções animadinhas de boy bands roqueiras. Ou seja, sem nenhum atrativo. Melancolicamente, o trabalho termina com a instrumental "The Betrayal (Actr II)", que é bem básica.

O Nickelback até que tentou, e ponto pra eles por isso. Porém, por esterem tão presos nesse mundinho pop do show business, não se arriscaram além do que era permitido, e um disco que carecia de mais peso, de mais punch, de mais "pegada", simplesmente, possui apenas 5 faixas um pouco mais pesadas, com letras realmente relevantes, num total de 11 composições.Ao final, "Feed the Machine" é aquele típico disco de "rock" que aquele seu amigo que gosta de qualquer coisa vai achar legal, mas, que até ele vai esquecer depois de um tempo. Uma pena, mas, o Nickelback continua sendo uma entre várias sem grandes atrativos. Quem sabe, numa próxima.

Download:
https://soundpark.pt/album/torrent-225157-nickelback-feed-the-machine-lossless-2017


Nota: 5,5/10


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Dica Cultural

Festival MIMO 2016
Programação Olinda


MIMO significa Mostra Internacional de Música em Olinda. E, também resistência de arte da melhor qualidade. Nasceu em 2004, na cidade pernambucana que leva seu nome, e que hoje é patrimônio histórico da humanidade. O que não significa que o festival não ocorra em outros lugares, como vem acontecendo há alguns anos. Este ano, por exemplo, em sua 13ª edição, a MIMO já desembarcou em Portugal, e nas cidades brasileiras de Ouro Preto, Tiradentes, Paraty e, nos próximos dias, no Rio de Janeiro. E, claro, haverá espaço para sua cidade natal, Olinda, que irá abarcar inúmeras atrações de peso entre os dias 18 e 20 de novembro próximos.
A seguir, a programação completa da MIMO em Olinda.


CONCERTOS

18 Novembro / Sexta-Feira

Zeca Baleiro - Violoncelo e Piano
18h - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

João Fênix
19h - Igreja do Carmo

João Bosco & Hamilton d Holanda
19h30 - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

Mário Laginha & Pedro Burmes…