Pular para o conteúdo principal
Dica de Disco

"We the People"
2017
Adrenaline Mob


O ADRENALINE MOB ENTREGA MAIS UM DISCO DIVERTIDO E CHEIO DE ENERGIA, MAS, QUE, NOVAMENTE, NÃO SURPREENDE

Há bandas cujo som não varia nunca. Se por um lado isso é bom, pois os fãs saberão exatamente o que vão encontrar, por outro, não gera grandes surpresas ou impactos. O Adrenaline Mob é assim. É inegável a competência dos envolvidos, desde Russell Allen (também vocalista do Symphony X), passando por Mike Orlando (exímio guitarrista, que passou a integrar a banda brasileira Noturnall ano passado), e chegando até os novos integrantes, o baterista Jordan Cannata e o baixista David Zablidowsky, igualmente, instrumentistas de mão cheia. E, o resultado desse conjunto de talentos convence mais uma vez no disco "We the People", mesmo que já tenhamos ouvido esse mesmo som inúmeras outras vezes, seja com o próprio Adrenaline Mob, seja com outros grupos. 

Agora, verdade seja dita: o som é "pauleira" do começo ao fim, com poucos momentos melódicos. E, isso, por si, já é bom, pois, mantém um certo padrão ao longo das 13 faixas, mesmo que, numa primeira audição elas pareçam iguais demais umas com as outras. Mas, escutando-se o disco mais vezes, ele vai meio que "grudando" e tende a sair tão cedo da nossa playlist. O grande destaque continua sendo a potente voz de Russell Allen, que dá bastante vigor e identidade às composições. Não muito atrás, Mike Orlando desfila acordes inventivos com sua guitarra, ora lembrando Dimebag Darrell, ora remetendo a Eddie Van Halen. E, pra finalizar, a "cozinha" faz um preenchimento muito bem elaborado nas canções, apesar de Jordan Cannata, às vezes, lembrar demais o estilo de Mike Portnoy, primeiro baterista que o Adrenaline Mob teve em sua formação.
Das músicas propriamente ditas, algumas se sobressaem, apesar da linearidade geral que toma conta deste disco. Diria que a abertura, com "King of the Ring" é poderosa, cadenciada e pesada na medida certa. Não chega a ser uma "Undaunted" por exemplo, cartão de visitas do ótimo álbum de estreia deles, "Omertà", mas, é bem melhor do que a insossa "Mob is Back", que iniciava o segundo disco da banda, "Men of Honor". Depois, mais algumas boas composições, como "We the People", "Til the Head Explodes", "Raise 'Em Up", "Ignorance & Greed", "Violent State of Mind" e "Rebel Yell", todas com o selo Adrenaline Mob de qualidade. O álbum só possui uma única balada por definição, "Bleeding Hands", que é bonita, mas, não contribui muito de maneira positiva para o disco. O restante são canções "mais do mesmo", que são rapidamente esquecidas. Ao final, portanto, um bom dico que fica apenas na média.  

"We the People" é o tipo de álbum que você ouve, exclusivamente, para uma diversão passageira numa festa de um final de semana qualquer. Ok, Ramones, Motörhead, e tantos outros também faziam trabalhos com essa característica, mas, além disso, tinham um "algo a mais" que os tornava especiais, chegando ao ponto de influenciarem gerações inteiras. Já, o Adrenaline Mob é aquele tipo de grupo que possui integrantes que se dão muito bem naquilo que fazem, mas, que não vão muito além de uma mera competência. Divertido e empolgante, sem dúvida. No entanto, SOMENTE divertido e empolgante, o que deve fazer com que "We the People" não seja lembrado lá na frente. Mas, por hora, é relaxar e aumentar o som, curtindo um rock'n roll bem feito.
  


Download: 
https://soundpark.pt/album/torrent-223431-adrenaline-mob-we-the-people-2017


Nota: 7/10


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…