Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"A Constituição"
2016
Direção: Rajko Grlic


ALGUMAS DE NOSSAS MAIS PROFUNDAS INTOLERÂNCIAS BRILHANTEMENTE ABORDADAS NUM BELÍSSIMO FILME

Antes de falar do filme em si, um pouco de História. De 1918 a 1991, Sérvia e Croácia eram países que faziam parte da antiga Iugoslávia. No entanto, após 1991, houve a proclamação da independência da Croácia, e que foi seguida de uma guerra entre as forças croatas e os separatistas sérvios. Esses últimos desejavam integrar um Estado etnicamente puro, reunindo todos os sérvios da ex-Iugoslávia. O conflito deixou cerca de 20 mil mortos, além de uma ferida aberta de intolerância e preconceito entre os dois povos, e que dura até os dias atuais. E, é nesse conturbado contexto que se passa o enredo de "A Constituição".




A primeira sequência, de alguém colocando um vestido e caminhando até um bar é de uma beleza ímpar (por sinal, o filme é todo belo). Quando descobrimos que essa pessoa é, na verdade, o professor universitário Vjeko Kralj, vamos descobrindo um pouco mais dele, e até achando que ele será o protagonista da trama. Vemos como , além de sua condição homossexual, também gosta de se vestir de mulher. Em paralelo, precisa cuidar do pai, um senhor inválido, eternamente numa cama, mas, que teve seus momentos de glória quando lutou contra a independência da Croácia há muitos anos. Com o passar do tempo, um determinado fato une Vjeko a Ante e Maja, casal vizinho dele. 

Ante está precisando passar num teste sobre o conhecimento da Constituição croata para poder se ingressar definitivamente na corporação policial da qual faz parte. Sua esposa, Maja, que é enfermeira, aceita cuidar do pai de Vjeko, contanto que este ensine os principais pontos da Constituição ao seu marido. Porém, conflitos e intolerâncias afloram quando o professor descobre que Ante é de origem sérvia, e começa a mostrar uma grande xenofobia por ele. Ao passo que Ante também se mostra homofóbico ao questionar a condição sexual de Vjeko. No meio dos dois, Maja vai tentar uma forma de reconciliação através da convivência (e, possível tolerância) entre ambos.




Com um enredo desses, o filme perigava ser panfletário ou maniqueísta. Não é nenhum dos dois. É muito bem explorado o quanto o preconceito cega e emburrece, visto que Vjeko, mesmo quase sempre correndo riscos de agressão contante por causa de sua homossexualidade, ele ainda consegue se intolerante por causa da etnia de seu vizinho. Ao passo que, apesar de não justificar essa atitude dele, o roteiro mostra que sua relação com o povo sérvio foi bem traumática, e que ele não deixa de ter uma certa razão. Além disso, vemos também que Ante e Maja não são pessoas perfeitas, já que um se mostra bastante preconceituoso com a homossexualidade de Vjeko, e a outra, de uma certa maneira, tem alguns interesses pelo professor que não chegam a ser dos mais nobres.

Com o passar da trama, boa alfinetadas vão sendo dadas na hipocrisia que rege certas sociedades. É ótimo o momento em que Ante questiona a xenofobia de Vjeko usando o que está escrito na própria Constituição que estão estudando. Do lado deste, apesar de sua notória antipatia, também vislumbramos uma terna, triste e melancólica humanidade, principalmente, quando ele se "traveste" de Katarina, uma espécie de alter ego, em momentos verdadeiramente muito bonitos (a exemplo de um em que ele, sentado na cabeceira da cama do pai, relembra com ele, fatos de suas vidas através de fotos antigas).  A questão da homofobia é outro aspecto muito bem tratado no filme, sem que parece forçado ou caricato, abordando o assunto de maneira ora realista, ora poética, mas, sempre com o respeito devido.




As atuações são formidáveis, com atenção especial para Nebojša Glogovac, que interpreta Vjeko, e Ksenija Marinković, que faz Maja. O diretor Rajko Grlic é muito hábil ao contar a narrativa de maneira simples, mas, ao mesmo tempo, e até com um certo humor, expondo as feridas abertas de uma sociedade doente, que mesmo possuindo uma bela Constituição no papel, ainda possui discrepâncias enormes, seja pelo fato de alguém ser discriminado por ser de origem sérvia, seja devido a uma pessoa ser espancada no meio da rua devido à sua condição sexual. Ao dialogar com temas tão importantes atualmente, porém, sem soar raso ou oportunista, o filme oferece um interessante diálogo sobre tolerância e empatia, e ainda consegue nos apresentar uma ótima história, com personagens não necessariamente carismáticos, mas, autênticos, o que torna a história ainda mais forte e plausível. Um dos melhores filmes recentes do cinema europeu.


Nota: 9/10


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…