Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"Ronin"
1998
Direção: John Frankenheimer


EXEMPLO PERFEITO DE FILME DE AÇÃO INTELIGENTE, "RONIN" CONTINUA INSUPERÁVEL EM MUITOS PONTOS

Criou-se um enorme estigma relacionado aos filmes de ação nos últimos anos, de que esse tipo de cinema só funciona se você "desligar o cérebro, e se divertir". Claro que há um completo exagero nessa expressão, mas, não deixa de ser evidente que, realmente, a maioria dos filmes de ação são, em essência, "burros", ou, pra ser mais específico, é aquele tipo de produto que subestima demais a inteligência do espectador. Portanto, os (poucos) exemplares desse gênero que possuem algum diferencial precisam ser enaltecidos. Então, salve o saudoso cineasta John Frankenheimer, que já no final de sua carreira nos presenteou com o petardo chamado "Ronin", que, sem exageros, coloca os vários "Velozes e Furiosos" e "John Wicks" da vida no chinelo.




A história é, aparentemente, simples, mas, possui diversas camadas interessantes, e que possibilitam muitas reviravoltas ao longo da trama, mas, que não são forçadas e se integram perfeitamente À narrativa de maneira orgânica. De início, uma sequência um tanto trivial, num bar localizado em Paris, com alguns dos protagonistas entrando e saindo do local. O clima, a trilha sonora e a fotografia criam uma certa tensão, que não se concretiza ao término dessa sequência. Isso porque o filme, habilmente, vai testando alguns dos clichês do gênero, e meio que avisa: "não entregaremos nada de mão beijada". Corta pra outra sequência aonde começam a ser apresentados tanto os personagens principais da história, quanto a história em si.

Esse é um dos momentos cruciais da trama, pois expõe muito dos protagonistas (todos, por sinal, criminosos, e que estão ali para um serviço que vai lhes render muito dinheiro). Sam (Robert De Niro) é um cara misterioso e muito cuidadoso em seu ofício. O mesmo pode se dito de Vincent (Jeam Reno), este, sendo um pouco mais calado do que Sam. Já, Spence (Sean Bean), ao contrário dos dois, é mais extrovertido, porém, bem mais imprudente e nervoso. Completa o time Gregor (Stellan Skarsgård), que dá suporte tecnológico a eles, e Larry (Skipp Sudduth), que servirá como uma espécie de "guarda costas" para o grupo. Quem comanda tudo é Deirdre (Natascha McElhone), que recebe ordens de quem contratou o grupo. A missão? Roubar uma mala de uma outra organização criminosa.




Qualquer outro realizador teria entregue um filme bem simples, raso de roteiro, com personagens caricatos, frases de efeito a rodo e cenas de ação bem feitas tecnicamente, mas, pouco impactantes. Mas, aqui, estamos falando de um veterano do quilate de um John Frankenheimer, diretor de "Sob o Domínio do Mal" e "A Semente do Diabo"; E, com tanta experiência acumulada, o que vemos em "Ronin" é um filme de ação sério, classudo, com algumas poucas tiradas engraçadas (mas, eficientes), um roteiro muito bem elaborado, diálogos afiados e uma direção segura, prendendo o interesse pela trama em quase duas horas de duração. Some-se a isso algumas das cenas de perseguição de carros mais fantásticas do cinema, usando apenas efeitos práticos, e com dezenas e dezenas de carros destruídos. Muito mais empolgante do que o CGI matreiro de "Velozes e Furiosos", por sinal.

Na verdade, "Ronin" está mais para os melhores momentos de John Woo do que para esses blocbusters hollywoodianos, o que já começa pela construção dos personagens, todos ótimos. Não há um deles, sequer, que seja descartável à trama, até mesmo um que, de certa forma, não "deveria" estar na missão. Porém, até ele desempenha uma função bem específica dentro do enredo, que é para mostra que ninguém ali irá permitir falhas. Em qualquer outra produção, tenham certeza de que esse personagem ficaria até o final, fazendo um sem número de burrices, e atrapalhando o clima da trama. Aqui, no entanto, o buraco é mais em cima; o nível é outro. A interação entre os outros personagens também é otimamente bem arquitetada, principalmente, entre Sam e Vincente e entre Sam e Deirdre. Até aqueles que parecem bem secundários, como Jean-Pierre (amigo de Vincent, e que vai justificar o título do filme), possuem uma função dentro da trama, não sendo nenhum desperdiçado.




Claro que nada dessa orquestra afiadíssima funcionaria sem a ajuda dos atores, todos muito bem em seus papeis. De Robert De Niro e Jean Reno, pouco a se falar, não é verdade? Ambos são quase sempre excelentes, e aqui não é diferente. Mas, fora eles, há outros ótimos destaques, como Natascha McElhone, Stellan Skarsgård e Jonathan Pryce, todos entregues a seus personagens de forma muito convincente. E, o maestro de tudo isso, John Frankenheimer, assim como George Miller fez em "Mas Max: A Estrada da Fúria", mostra que, em muitos casos, experiência conta, sim, pois, tanto a sua forma de conduzir a narrativa nos momentos mais "calmos", até as cenas de ação mais explosivos, são primorosas, extraindo das cenas todo o seu potencial, sem deixar nada forçado, estranho ou caricato. Talvez, só na sequência do balé no gelo que o filme perca um pouco desse clima, porém, quando a ação recomeça, tudo volta aos eixos.

Provavelmente, quem está bastante acostumado com o recente "cinemão" de Hollywood, talvez estranhe "Ronin", e sua ambientação mais séria do que o normal. Porém, quem ainda possui na memória produções do tipo "Operação França" ou "A Outra Face", vai se familiarizar com um tremendo filme de ação com alma e sangue nos olhos, além de ser bastante inteligente em sua abordagem. Tudo bem que não é o tipo de filme que, em geral, é feito hoje em dia, mas, em nome de um cinema de ótima qualidade, vale a pena sair um pouco da zona de conforto, e assistir a esta pequena obra prima. 


Nota: 9/10


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…