Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"Ronin"
1998
Direção: John Frankenheimer


EXEMPLO PERFEITO DE FILME DE AÇÃO INTELIGENTE, "RONIN" CONTINUA INSUPERÁVEL EM MUITOS PONTOS

Criou-se um enorme estigma relacionado aos filmes de ação nos últimos anos, de que esse tipo de cinema só funciona se você "desligar o cérebro, e se divertir". Claro que há um completo exagero nessa expressão, mas, não deixa de ser evidente que, realmente, a maioria dos filmes de ação são, em essência, "burros", ou, pra ser mais específico, é aquele tipo de produto que subestima demais a inteligência do espectador. Portanto, os (poucos) exemplares desse gênero que possuem algum diferencial precisam ser enaltecidos. Então, salve o saudoso cineasta John Frankenheimer, que já no final de sua carreira nos presenteou com o petardo chamado "Ronin", que, sem exageros, coloca os vários "Velozes e Furiosos" e "John Wicks" da vida no chinelo.




A história é, aparentemente, simples, mas, possui diversas camadas interessantes, e que possibilitam muitas reviravoltas ao longo da trama, mas, que não são forçadas e se integram perfeitamente À narrativa de maneira orgânica. De início, uma sequência um tanto trivial, num bar localizado em Paris, com alguns dos protagonistas entrando e saindo do local. O clima, a trilha sonora e a fotografia criam uma certa tensão, que não se concretiza ao término dessa sequência. Isso porque o filme, habilmente, vai testando alguns dos clichês do gênero, e meio que avisa: "não entregaremos nada de mão beijada". Corta pra outra sequência aonde começam a ser apresentados tanto os personagens principais da história, quanto a história em si.

Esse é um dos momentos cruciais da trama, pois expõe muito dos protagonistas (todos, por sinal, criminosos, e que estão ali para um serviço que vai lhes render muito dinheiro). Sam (Robert De Niro) é um cara misterioso e muito cuidadoso em seu ofício. O mesmo pode se dito de Vincent (Jeam Reno), este, sendo um pouco mais calado do que Sam. Já, Spence (Sean Bean), ao contrário dos dois, é mais extrovertido, porém, bem mais imprudente e nervoso. Completa o time Gregor (Stellan Skarsgård), que dá suporte tecnológico a eles, e Larry (Skipp Sudduth), que servirá como uma espécie de "guarda costas" para o grupo. Quem comanda tudo é Deirdre (Natascha McElhone), que recebe ordens de quem contratou o grupo. A missão? Roubar uma mala de uma outra organização criminosa.




Qualquer outro realizador teria entregue um filme bem simples, raso de roteiro, com personagens caricatos, frases de efeito a rodo e cenas de ação bem feitas tecnicamente, mas, pouco impactantes. Mas, aqui, estamos falando de um veterano do quilate de um John Frankenheimer, diretor de "Sob o Domínio do Mal" e "A Semente do Diabo"; E, com tanta experiência acumulada, o que vemos em "Ronin" é um filme de ação sério, classudo, com algumas poucas tiradas engraçadas (mas, eficientes), um roteiro muito bem elaborado, diálogos afiados e uma direção segura, prendendo o interesse pela trama em quase duas horas de duração. Some-se a isso algumas das cenas de perseguição de carros mais fantásticas do cinema, usando apenas efeitos práticos, e com dezenas e dezenas de carros destruídos. Muito mais empolgante do que o CGI matreiro de "Velozes e Furiosos", por sinal.

Na verdade, "Ronin" está mais para os melhores momentos de John Woo do que para esses blocbusters hollywoodianos, o que já começa pela construção dos personagens, todos ótimos. Não há um deles, sequer, que seja descartável à trama, até mesmo um que, de certa forma, não "deveria" estar na missão. Porém, até ele desempenha uma função bem específica dentro do enredo, que é para mostra que ninguém ali irá permitir falhas. Em qualquer outra produção, tenham certeza de que esse personagem ficaria até o final, fazendo um sem número de burrices, e atrapalhando o clima da trama. Aqui, no entanto, o buraco é mais em cima; o nível é outro. A interação entre os outros personagens também é otimamente bem arquitetada, principalmente, entre Sam e Vincente e entre Sam e Deirdre. Até aqueles que parecem bem secundários, como Jean-Pierre (amigo de Vincent, e que vai justificar o título do filme), possuem uma função dentro da trama, não sendo nenhum desperdiçado.




Claro que nada dessa orquestra afiadíssima funcionaria sem a ajuda dos atores, todos muito bem em seus papeis. De Robert De Niro e Jean Reno, pouco a se falar, não é verdade? Ambos são quase sempre excelentes, e aqui não é diferente. Mas, fora eles, há outros ótimos destaques, como Natascha McElhone, Stellan Skarsgård e Jonathan Pryce, todos entregues a seus personagens de forma muito convincente. E, o maestro de tudo isso, John Frankenheimer, assim como George Miller fez em "Mas Max: A Estrada da Fúria", mostra que, em muitos casos, experiência conta, sim, pois, tanto a sua forma de conduzir a narrativa nos momentos mais "calmos", até as cenas de ação mais explosivos, são primorosas, extraindo das cenas todo o seu potencial, sem deixar nada forçado, estranho ou caricato. Talvez, só na sequência do balé no gelo que o filme perca um pouco desse clima, porém, quando a ação recomeça, tudo volta aos eixos.

Provavelmente, quem está bastante acostumado com o recente "cinemão" de Hollywood, talvez estranhe "Ronin", e sua ambientação mais séria do que o normal. Porém, quem ainda possui na memória produções do tipo "Operação França" ou "A Outra Face", vai se familiarizar com um tremendo filme de ação com alma e sangue nos olhos, além de ser bastante inteligente em sua abordagem. Tudo bem que não é o tipo de filme que, em geral, é feito hoje em dia, mas, em nome de um cinema de ótima qualidade, vale a pena sair um pouco da zona de conforto, e assistir a esta pequena obra prima. 


Nota: 9/10


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Mulher Maravilha"
2017
Direção: Patty Jenkins


MAIS UM FILME DE SUPER-HERÓI GENÉRICO, "MULHER MARAVILHA" PECA, IRONICAMENTE, POR TER UM SUB-TEXTO MACHISTA EM SUAS ENTRELINHAS
Estamos diante de mais um filme de super-heróis, mais um do universo expandido da DC Comics no cinema, mais um com a enorme responsabilidade de entregar um material minimamente interessante, ao contrários dos pífios "Batman vs Superman" e "Esquadrão Suicida", sem dúvida, os dois piores filmes do gênero desses últimos anos, ao lado de "Quarteto Fantástico". Ou seja, "Mulher Maravilha" chega com uma tremenda carga a ser superada. A pergunta é: conseguiu cumprir a sua missão? Bem, digamos que sim e não. Ao mesmo tempo em que o filme acerta em alguns pontos que ficaram devendo em produções anteriores, ele também erra ao repetir alguns dos erros mais corriqueiros de longas do gênero, com um agravante que pode até causar certa polê…