Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"O Vale Sombrio"
2014
Direção: Andreas Prochaska


FAROESTE À MODA ANTIGA ACERTA EM CHEIO AO APOSTAR NUMA TRAMA COM REVIRAVOLTAS BEM CONSTRUÍDAS

Muitos pensam que o gênero faroeste "morreu". Verdade que não se fazem mais tantas produções marcantes como antigamente, porém, isso não significa dizer que mais nada é feito nesse formato. Procurando em produções mais independentes (e, até em outros países) vamos ver que o faroeste ainda pode render ótimos filmes. Claro, os tempos são outros, e, por causa disso, não cabe mais aqueles velhos maniqueísmos, como colocar os indígenas locais, por exemplo, como os eternos vilões. Isso, ao menos, dá vazão a tons mais realistas, e até mais interessantes. É o que vamos encontrar, em linhas gerais, no vigoroso "O Vale Sombrio".




A história aparenta não ser muito complexa, mas, ao longo da narrativa, vai ganhando boas camadas de profundidade. Acompanhamos Greider, um forasteiro que chega a uma vila no meio do nada, pedindo abrigo. Logo na entrada, conhece os irmãos Brenner, que comandam a região como uma espécie de clã, com mão de ferro. Mesmo relutantes quanto a estadia de Greider no local, eles o deixam ficar na vila até que se passe o inverno, não sem antes serem bem pagos por isso, evidentemente. O visitante, aparentemente, é fotógrafo, e sua intenção é de fazer imagens da região. Nesse meio tempo, vai testemunhando o poder dos irmãos Brenner na vila. No entanto, acontecimentos estranhos abalam a suposta tranquilidade do lugar, e a culpa pelos incidentes recai em Greider.

Pronto. Descrever mais da história em si é estragar a experiência de assistir ao filme. Uma característica que logo salta aos olhos é a condução da trama. Mesmo sendo uma produção recente, o ritmo é bastante lento, privilegiando a construção dos personagens e as interações entre deles. Não esperem também nenhum alívio cômico também. Tudo é muito denso, pesado, claustrofóbico, num clima que, por vezes, lembra mais filmes de terror do que faroeste. E, essa forma de contar a história se mostra muito eficiente, pois, como temos um enredo com algumas reviravoltas, a tensão se torna essencial para que não percamos o interesse em praticamente nenhum momento. É admirável, por sinal, que a principal revelação do roteiro seja entregue logo na metade do filme, e que, mesmo depois disso, ele continue numa crescente que não sabemos, mais ou menos, qual será o desfecho.




Como dito anteriormente, o enredo possui mais densidade do que aparenta. Ao mostrar uma vila isolada comanda por uma espécie de patriarca e seus filhos, a história faz uma bem vinda crítica aos sistemas totalitários, mesmo que aqui tudo seja retratado de maneira um tanto minimalista, aonde as normas e regras são ditadas por um pequeno grupo de privilegiados, aonde a maioria se cala por medo de represálias. Obviamente, num ambiente assim, um dos grupos que mais sofrem são o das mulheres, e cuja "função" delas na vila também é um elemento importante na trama. É claro que outros elementos típicos do estilo faroeste, como vingança, estarão presentes na histórias, mas, sempre de maneira orgânica e bem arquitetada, e nunca gratuita.

A parte técnica é primorosa. A fotografia consegue ressaltar bem o isolamento das pessoas daquela região, tanto física, como emocionalmente. Ângulos de câmera ajudam a criar uma atmosfera selvagem, como se "algo" estivesse sempre à espreita dos personagens. Há ainda uma inusitada trilha sonora, que ora parte para temas mais clássicos, ora faz incursões de músicas mais contemporâneas, mas, que funcionam à perfeição. No campo das atuações, não há interpretações arrebatadoras, no entanto, todos cumprem muito bem os seus papeis. Diria que Sam Riley, que faz o protagonista Greider, e Paula Beer, que vida a jovem Luzi, são os principais destaques nesse sentido, sem contar que também vale mencionar o veterano ator Hans-Michael Rehberg, que dá uma imponência sombria ao patriarca Brenner.




"O Vale Sombrio" se trata de um ótimo filme porque consegue se aproveitar de aspectos modernos para contra uma boa história à moda antiga. Com uma narrativa que envolve o espectador até o último minuto, e contendo poucos furos de roteiro, a produção consegue dar um gás ao já desgastado gênero de faroeste, mostrando que existem muito talentos espalhados mundo afora, que não precisam se curvar a clichês hollywoodianos. Não estamos diante de um clássico, é verdade, mas, ressalte-se que o longa cumpre muito bem aquilo que promete, e indo um pouco além das expectativas. Num cenário de cada vez menos inventividade, nada mais promissor.


Nota: 8/10


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…