Pular para o conteúdo principal
DICA DE DISCO

"CICATRIZ", NAÇÃO ZUMBI (2014)




Eis que a Nação, após 7 longos anos, lança um disco de inéditas após o ótimo "Fome de Tudo". E, a espera, será que valeu a pena? Vamos por partes.

Nesse meio tempo, a banda fez a gravação de seu primeiro DVD em Recife cheio de problemas técnicos. O produto final, colocado à venda 4 anos depois, é bom, mas, para quem estava no show em si, sentiu um certo cansaço do grupo. Não físico, mas mental. Ele já começava a dar ares de fadiga, tocando sem muita empolgação (salvo o sempre excelente Lúcio Maia). Algum tempo se passa, e eles lançam, com a Mundo Livre SA um disco de covers, em que uma banda tocava as músicas da outra. O resultado ficou interessante. Nitidamente a Mundo Livre se mostrava mais empenhada no trabalho.




Por fim, chegamos ao disco em questão, "Cicatriz", e a mesma sensação de cansaço parece continuar. A começar pela primeira música, que dá título ao álbum. Enquanto que em trabalhos anteriores o "cartão de visitas" eram canções geniais, como "Mormaço" e "Hoje, Amanhã e Depois", aqui a morosidade reina. A sonoridade mostra-se frouxa, e a letra não ajuda muito: "Quando fica cicatriz fica difícil de esquecer / Visível marca de um riscado inesperado / Pra lembrar o que lhe aconteceu / Visível marca de um riscado inesperado / Pra lembrar e nunca mais esquecer". Ela até gruda na cabeça após algumas audições, mas o resultado dela ficou abaixo da média.

Superior é a faixa seguinte, "Bala Perdida", com uma levada de guitarra heavy arrastada, servindo de base para Jorge Du Peixe dizer: "Senhora bala, me deixe passar / Logo eu que sou pacífico / Senhora bala, me dê licença / Eu não sirvo pro seu destino". Nada maravilhoso; no entanto, mais interessante que o início do disco. A seguir, a levada ska de "O Que te Faz Rir" rende um dos melhores momentos deste trabalho. Mais ou menos no mesmo ritmo, só que como um reggae mais encorpado, vai a também muito boa "Defeito Perfeito". Porém, algo está errado: já estamos na quarta faixa, e nenhuma explosão, nada feito como se aquela fosse a última música deles... Adiante.




A sonolenta (no bom sentido) ciranda "A Melhor Hora da Praia", com certeza, vai dividir opiniões, simplesmente pelo fato de colocar Marisa Monte nos vocais. Cismas à parte, a sonoridade da música é bem rica e as melodias muito boas. A participação de Céu na música "Inferno", do disco anterior, ficou melhor, mas essa aqui não decepciona. Chegamos, aí sim, a uma música sonolenta (no pior sentido): "Um Sonho". Claro, a sonoridade é típica de muitas canções da Nação, como "Futura", mas não tem a mesma pegada, principalmente rítmica. A letra também não favorece: "Estão comendo o mundo pelas beiradas / Roendo tudo, quase não sobra nada / Respirei fundo, achando que ainda começava / Um grito no escuro, um encontro sem hora marcada". Os segundos finais, com um dedilhado de viola, melhora as coisas, mas já é tarde.

Estamos na 6ª música de "Cicatriz", e a impressão que permeia é a de que a banda quer soar mais pop e acessível, porém, está desconfortável nesse universo. As melodias estão mais preocupadas com uma estrutura fixa, só que no caso da Nação acaba soando um tanto chato. Parece que eles perceberam isso, pois a 7ª faixa, "Novas Auroras", dá um salto numa sonoridade mais instigada, e até dançante. Outra das melhores do disco. "Nunca te Vi" seria uma música mais completa se a letra não parecesse como tantas do pop rock que infestam as rádios: "Morro e vivo na espera de um novo amanhã / Que nunca chegou".




Faltam três músicas para o término do disco, e, finalmente, a explosão vem com "Foi de Amor", num dos melhores trabalhos do guitarrista Lúcio Maia no álbum. A letra, porém, e mais uma vez, não ajuda. Prova de que Jorge Du Peixa, pelo menos aqui, perdeu a mão. O que é uma pena, pois as suas composições são, justamente, um dos principais atrativos da fase da banda pós-Chico Science. Já, a penúltima faixa, "Cuidado" é mais um dos destaques, tanto pela sonoridade quanto pelo refrão: "Tome cuidado / no seu cuidado / com seu cuidado / em ter cuidado". E, finalmente, a última faixa lembra um pouco do que sobrou da Nação: som pesado, lembrando "Meu Maracatu Pesa uma Tonelada" e "Fome de Tudo", além de uma visível empolgação maior dos instrumentistas.

O que fica? Notadamente, um razoável bom disco, porém, longe da urgência de um "Rádio S.Amb.A.", do contágio de um "Nação Zumbi", da ousadia de um "Futura" ou da diversidade de um "Fome de Tudo". Sabemos que todos os integrantes da banda, principalmente o vocalista / letrista Jorge Du Peixe, podem mais. No entanto, ficou, com esse disco, parecendo que eles cansaram de lutar fora do sistema, fazendo álbuns geniais, e resolveram tentar ser mais populares, o que, aparentemente, não deu certo.




Claro, mesmo o pior disco da Nação Zumbi continua sendo melhor que muita coisa sendo feita na música brasileira hoje em dia. Todavia, é frustante ver (e ouvir) tanto potencial desperdiçado. Aguardemos, da próxima, um trabalho ao nível dos envolvidos.


NOTA: 6,5/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Dica Cultural

Festival MIMO 2016
Programação Olinda


MIMO significa Mostra Internacional de Música em Olinda. E, também resistência de arte da melhor qualidade. Nasceu em 2004, na cidade pernambucana que leva seu nome, e que hoje é patrimônio histórico da humanidade. O que não significa que o festival não ocorra em outros lugares, como vem acontecendo há alguns anos. Este ano, por exemplo, em sua 13ª edição, a MIMO já desembarcou em Portugal, e nas cidades brasileiras de Ouro Preto, Tiradentes, Paraty e, nos próximos dias, no Rio de Janeiro. E, claro, haverá espaço para sua cidade natal, Olinda, que irá abarcar inúmeras atrações de peso entre os dias 18 e 20 de novembro próximos.
A seguir, a programação completa da MIMO em Olinda.


CONCERTOS

18 Novembro / Sexta-Feira

Zeca Baleiro - Violoncelo e Piano
18h - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

João Fênix
19h - Igreja do Carmo

João Bosco & Hamilton d Holanda
19h30 - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

Mário Laginha & Pedro Burmes…