Pular para o conteúdo principal
DICA DE FILME

"Deus os Cria 2" (2004)




Este filme porto-riquenho é um tanto inusitado. Primeiro, ele não parece ser cinema, mas sim literatura, pela forma como os enredos são narrados. Depois, podemos dizer que é uma produção emocionante, mas não é pasteurizada, que você já desconfia ser falsa de cara. E, ainda temos um tom semi-documental, onde o conjunto das histórias é mostrada de maneira bastante verídica, mas sabemos também que se trata de ficção.

Esses "jogos" na estrutura narrativa propostos pelo diretor Jacobo Morales dão um tom bem interessante ao longa, ao mesmo tempo que ele toca em temas delicados com uma certa facilidade. Esse filme, na realidade, é a continuação de "Deus os Cria", que Morales fez em 1980. Mais de vinte anos depois, o cineasta retoma a estrutura original (divisão em pequenas histórias para mostrar suas críticas à sociedade contemporânea).




Aqui, a primeira história, "O mesmo de outra maneira", é quase uma auto-biografia de Morales, visto que é ele quem participa como ator principal. Esse primeiro enredo conta a história de um cineasta, cuja sua esposa (que também trabalha como atriz) está com princípio de Alzheimer. Compadecido com a situação dela, ele tenta lhe fazer um último filme, só que, com a recusa do seu roteiro em vários lugares, decide assaltar um banco, e com o dinheiro financiar esse projeto.

Depois, a história mostrada chama-se "Felix", e conta como um viciado em drogas, após ganhar um prêmio na loteria, recebe a ajuda de uma bondosa senhora, e se liberta através da arte. O terceiro e último enredo fala sobre uma típica família de classe alta, cujo status esconde traições e falsas relações, num ciclo sem fim de mentiras.




Em comum com as três histórias, o que encontramos é o respeito ao espectador. Os personagens agem da maneira que deveriam agir, sem precisar cometer atos estúpidos apenas para criar um clima de tensão desnecessário. As críticas sociais também são muito bem colocadas no meio da vida dos personagens, sejam elas contra a indústria do entretenimento (o cineasta da primeira história é indagado se o seu roteiro possui ação e erotismo) ou contra a religião (o final de "Felix", sem dúvida, é um tapa sem mão em toda uma hipocrisia que trata os marginalizados como condenados ao Inferno).

Some-se a tudo isso o equilíbrio, onde nenhuma cena é desperdiçada, ou feita de qualquer maneira. Todos os pontos que o diretor Jacobo Morales quer mostrar têm seu tempo, e ainda acompanhamos o desenrolar da vida de cada um dos personagens de forma tranquila, sem atropelos. As atuações, bem naturalistas, reforçam a ideia de que estamos diante de algo genuinamente humano.

Um filme pouco conhecido, mas, sem dúvida, ótimo para verificar que o cinema ainda possui algo a dizer que não sejam futilidades.


NOTA: 9,5/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…