Pular para o conteúdo principal
DICA DE FILME

"A CAÇA" (2012)




Alguns assuntos parecem estar sempre presentes a ponto de vermos algo (como um filme), e dizermos: "Coincidentemente, é isto que está acontecendo, hoje em dia". No caso de "A Caça", produção do dinamarquês Thomas Vinterberg, cineasta oriundo do movimento Dogma 95, a sensação para os brasileiros de casos recentes torna-se ainda mais desconcertante, principalmente porque expõe muito bem certas mazelas.

O longa trata de Lucas, professor do jardim da infância que é acusado de abuso sexual por uma menina. A partir de então, passa a ser hostilizado na cidade onde vive, mesmo as autoridades não comprovando nada contra ele. Interessante notar que o diretor não tem pressa ao abordar esse fato, colocando tempo suficiente para apresentar cada um dos personagens. Lucas, por exemplo, é mostrado como uma pessoa tranquila e reclusa, só se expondo um pouco mais na presença dos amigos, que assim como ele, tem por tradição cultural a caça como esporte.




Porém, nada é óbvio ou maniqueísta em "A Caça". Enquanto alguns de seus amigos começam a ignorá-lo ou até agredí-lo depois da acusação de abuso, outros mostram-se compreensíveis, ajudando-o de diversas maneiras. Lucas, só pra constar também, possui um filho adolescente que, de início, nem aparece em cena, para, depois, surgir como um dos principais pontos de apoio do pai. Saliente-se que as ações dos personagens também são muito verídicas, autênticas. Nenhum deles comete absurdos só para gerar mais tensão à trama, e isso pode ser frustrante para alguns espectadores.

Outra boa característica de "A Caça" é a sua falta de catarses ou choques desnecessários. Os acontecimentos são como precisam ser, sem grandes arroubos narrativos. E, isso torna o filme ainda mais excelente, pois permite a Vinterberg explorar melhor certos problemas sociais, como submeter uma pessoa ao linchamento moral, mesmo que não haja provas concretas contra ela; apenas para que a "sensação de justiça" seja saciada.




Há de se destacar duas cenas: (spoilers) a primeira mostra Lucas, após ser solto pela polícia, sem que nenhuma prova contra ele tenha sido encontrada. Ele vai fazer compras num supermercado e é barbaramente agredido, mas, mesmo assim, tenta manter sua dignidade. A outra cena mostra o mesmo Lucas na Igreja, às vésperas do Natal, onde, num acesso de (compreensível) fúria, interpela Theo, pai da menina que o acusou, e tenta fazê-lo acreditar que é inocente. Duas sequências muito bem rodadas, mostrando uma segurança muito boa do diretor e dos atores. Ao final do filme, pensamos que a redenção virá, mas, subjetivamente, fica a questão: como um caçador se sente sendo a presa.

"A Caça", como se percebe, não é um filme de tensões aleatórias ou superficiais. É, sim, um estudo da condição humana, de como podemos, facilmente, cometer injustiças de como podemos ser mesquinhos, mas, ao mesmo tempo, alguns podem mostrar-se solidários ao sofrimento de alguém. Ainda há tempo para analisar que, mesmo com virtudes, uma pessoa pode ter atos condenáveis por alguns (mesmo Lucas se mostrando uma ótima pessoa, ele é caçador de cervos, e apoia que o filho também o seja). Isso, com certeza, evita uma vitimização exagerada do personagem principal.




Vinterberg conseguiu um ótimo feito: fez um filme com um tema delicado, sem ser apelativo ou revanchista. Uma produção que, longe de querer ser polêmica, coloca o dedo numa ferida ainda aberta em muitas sociedades, principalmente no Brasil atual, onde, recentemente, uma mulher foi espancada e morta após ser acusada de sequestrar crianças. Provou-se, depois, que ela era inocente. "A Caça", pois, não é só um grande longa, mas se mostra uma produção necessária, e, como as melhores obras de arte nos dizem mais do que mostram.


NOTA: 9,5/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Dica Cultural

Festival MIMO 2016
Programação Olinda


MIMO significa Mostra Internacional de Música em Olinda. E, também resistência de arte da melhor qualidade. Nasceu em 2004, na cidade pernambucana que leva seu nome, e que hoje é patrimônio histórico da humanidade. O que não significa que o festival não ocorra em outros lugares, como vem acontecendo há alguns anos. Este ano, por exemplo, em sua 13ª edição, a MIMO já desembarcou em Portugal, e nas cidades brasileiras de Ouro Preto, Tiradentes, Paraty e, nos próximos dias, no Rio de Janeiro. E, claro, haverá espaço para sua cidade natal, Olinda, que irá abarcar inúmeras atrações de peso entre os dias 18 e 20 de novembro próximos.
A seguir, a programação completa da MIMO em Olinda.


CONCERTOS

18 Novembro / Sexta-Feira

Zeca Baleiro - Violoncelo e Piano
18h - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

João Fênix
19h - Igreja do Carmo

João Bosco & Hamilton d Holanda
19h30 - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

Mário Laginha & Pedro Burmes…