Pular para o conteúdo principal
DICA DE FILME

"SEM NOVIDADE NO FRONT" (1930)




Filmes de guerra possibilitam várias abordagens. E, justamente, por isso, os resultados finais são distintos, indo da abordagem psicológica detalhada ("Apocalipse Now"), passando pela pirotecnia de mostrar mais explosões do que humanidade ("Falcão Negro em Perigo"), até a ironia e o sarcasmo para mostrar alguma crítica ("Nascido Para Matar"). Porém, poucas produções, de fato, expõem todas as incongruências e inutilidades de uma guerra. "Sem Novidade no Front" chegou bem perto, nesse quesito.

Baseado no livro de Erich Maria Remarque, "Nada de Novo no Front", o filme se distancia da obra original por abordar o assunto de maneira mais coletiva, enquanto que no romance, a situação era mais centrada no personagem Paul Baumer. Não chega a ser necessariamente pior, apenas uma forma diferente de apresentar a estória. Estória, essa, que manteve sua força na adaptação para cinema. As cenas de batalha em campo aberto são impressionantes, principalmente se levarmos em consideração a precariedade técnica da época. Mesmo assim, as tomadas aéreas mostrando soldados avançando contra outros, amedrontados em trincheiras, colocam no chinelo o suposto realismo de muitas cenas em computação gráfica de outros filme do gênero.




O esmero para com o filme realmente foi alto. Segundo o site Adoro Cinema, para garantir autenticidade, o diretor Lewis Milestone instruiu ao estúdio a tentar encontrar um lugar nos arredores de Los Angeles onde os veteranos alemães da Primeira Guerra Mundial morassem. Assim, ele poderia ter acesso à uniformes e equipamentos originais. O número de veteranos encontrados foi alto, então Milestone escalou grande parte deles como oficiais germânicos no filme, e deixou que eles guiassem os figurantes que interpretavam soldados das tropas alemãs.

A questão humana também é bem explorada no filme, apesar de haver alguns exageros nas interpretações, e um certo teor cômico em algumas cenas. Porém, é pouco para diluir o principal que a obra quer passar: que a guerra não passa de um joguete político, onde os poderosos colocam na linha de frente pessoas que não têm a mínima noção do porquê estão ali, e são treinados para matar pessoas que estão na mesma situação que elas.




Pelo seu tom pacifista, o longa não foi bem recebido em algumas nações, como a Alemanha, onde grupos nazistas, durante o lançamento nos cinemas, interromperam as sessões com gritos e colocaram ratos dentro dos locais. Persona non grata também virou o ator Lew Ayres, que interpreta Paul Baumer. Após sua experiência nesse filme, ele se tornou um consciente opositor da Segunda Guerra Mundial, tendo por isso, seus filmes banidos em diversos cinemas pelo mundo.

"Sem Novidades no Front" pode ser enquadrado, facilmente, como um dos melhores filmes de guerra já feitos, tanto pela parte visual, ao mostrar cenas estupendas de combates, quanto pela mensagem passada de forma direta. Um pouco abaixo do livro que originou, mas, mesmo assim, ainda obrigatório.





NOTA: 9/10 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…