Pular para o conteúdo principal
DICA DE DISCO

"OK COMPUTER" (1997)




Falar a respeito de obras de arte importantes é tarefa difícil, ainda mais quando as opiniões são unânimes. Não à toa, o disco "Ok Computer" foi considerado o "Dark Side of the Moon" de nossa época. Porém, eu iria além: chega a ser melhor do que o clássico do Pink Floyd. Enquanto um foi concebido na década de 70, quando era "fácil" e até obrigatório gravar grandes álbuns, devido à alta rotação de criatividade vigente, o trabalho máximo do Radiohead foi feito num tempo de "vacas magras", onde a mediocridade musical era dominante. E, que se alastra até hoje, diga-se. Diante disso, "Ok Computer" não foi somente um excelente disco, mas, a salvação, os ares que o mundo musical precisava respirar há tempos.

Thom Yorke, líder e vocalista do Radiohead, sempre foi um inconformado com o meio artístico e isso ajudou na elaboração de sua obra-prima. O histórico de seus álbuns lançados até então explicam melhor esse processo. "Pablo Honey", de 1993, foi colocado no mercado sem grandes expectativas, e, mesmo assim, fez um enorme sucesso, principalmente devido à música de trabalho "Creep". Isso tudo inquietava Yorke, que tentou ser o mais anti-comercial possível no álbum seguinte, "The Bends", que, ironia, teve repercussão maior ainda. A partir daí, inconformados com o rumo do mundo, da arte, e da vida, em si, lançam aquele que seria seu "suicídio comercial". Incrivelmente, o impacto de "Ok Computer" superou tudo que podiam sonhar. E, a aceitação foi enorme, como se a música estivesse pedindo um disco assim.




A obra é conceitual e fala de um tema que ainda soa pertinente: a falta de identidade do ser humano perante a máquina, em especial, o computador. Claro que tocar em assuntos relevantes não confere, necessariamente, qualidade; é preciso mais do que isso. No caso do Radiohead, temos um cantor que sempre interpreta suas canções de maneira passional, além de ser um ótimo letrista. Além disso, houve a participação imprescindível dos outros integrantes do grupo, em especial, o excepcional guitarrista Jonny Greenwood, que abdicou de linhas mais tradicionais de seu instrumento para completar a obra com barulhos ora estranhos e assustadores, ora sublimes, e que remetem diretamente aos temas abordados. Esse nível absurdo de experimentalismo rendeu momentos memoráveis ao longo de todo o disco. É música mas passa a impressão de ser outra coisa, ainda maior.

E, as canções propriamente ditas? Bem, mesmo fazendo parte de um conjunto maior, isoladamente, elas possuem atrativos variados. Desde o caos obscuro de "Paranoid Android" à calma inquietante de "No Surprises", não há uma composição a ser considerada apenas mediana. Em se tratando de Radiohead, temos, claro, músicas com belos e trabalhados arranjos, como "Subterranean Homesick Alien" e "Let Down". As não menos soberbas "Karma Police" e "The Tourist" são um misto disso tudo. Ao final, sensações se intercalam; solidão, desespero, esperança, fé... Via pela ótica e pelo momento.




"Ok Computer" pode ser classificado de diversas maneiras. Se for para tachá-lo como o último grande disco do milênio passado, é válido. A prova de que algo com extrema qualidade pode atingir o grande público? Justo. Ou seria apenas um fantástico conjunto de músicas? Ok. Ok, people. Ok, world. Ok, computer! A máquina pode estar vencendo, porém, a depender do Radiohead, nossos ouvidos já foram salvos.


NOTA: 10/10. 




Algumas curiosidades:

* No encarte, na letra de "Airbag", há um código: "1421421". A especulação é que se trata de uma referência a um livro de Douglas Adams, que conclui que o "significado do universo é 42". O número 1 seria a repetição da pergunta: "Qual o significado do Universo?"

* Na letra de "No Suprises", a referência é "ocmcocmcocmk", que pode dizer respeito ao monóxido de carbono (CO), de que Yorke fala na música.

* As letras do disco estão escritas de maneira desordenada. A única exceção é a de "Fitter, Happier", o que indica que apenas as máquinas são organizadas.

* Na parte de trás do encarte, há um número: 18576397. Os músicos negam, mas trata-se do momento exato em que o disco foi concluído: 18H57 de 6/3/97.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…