Pular para o conteúdo principal
DICA DE DISCO

"OK COMPUTER" (1997)




Falar a respeito de obras de arte importantes é tarefa difícil, ainda mais quando as opiniões são unânimes. Não à toa, o disco "Ok Computer" foi considerado o "Dark Side of the Moon" de nossa época. Porém, eu iria além: chega a ser melhor do que o clássico do Pink Floyd. Enquanto um foi concebido na década de 70, quando era "fácil" e até obrigatório gravar grandes álbuns, devido à alta rotação de criatividade vigente, o trabalho máximo do Radiohead foi feito num tempo de "vacas magras", onde a mediocridade musical era dominante. E, que se alastra até hoje, diga-se. Diante disso, "Ok Computer" não foi somente um excelente disco, mas, a salvação, os ares que o mundo musical precisava respirar há tempos.

Thom Yorke, líder e vocalista do Radiohead, sempre foi um inconformado com o meio artístico e isso ajudou na elaboração de sua obra-prima. O histórico de seus álbuns lançados até então explicam melhor esse processo. "Pablo Honey", de 1993, foi colocado no mercado sem grandes expectativas, e, mesmo assim, fez um enorme sucesso, principalmente devido à música de trabalho "Creep". Isso tudo inquietava Yorke, que tentou ser o mais anti-comercial possível no álbum seguinte, "The Bends", que, ironia, teve repercussão maior ainda. A partir daí, inconformados com o rumo do mundo, da arte, e da vida, em si, lançam aquele que seria seu "suicídio comercial". Incrivelmente, o impacto de "Ok Computer" superou tudo que podiam sonhar. E, a aceitação foi enorme, como se a música estivesse pedindo um disco assim.




A obra é conceitual e fala de um tema que ainda soa pertinente: a falta de identidade do ser humano perante a máquina, em especial, o computador. Claro que tocar em assuntos relevantes não confere, necessariamente, qualidade; é preciso mais do que isso. No caso do Radiohead, temos um cantor que sempre interpreta suas canções de maneira passional, além de ser um ótimo letrista. Além disso, houve a participação imprescindível dos outros integrantes do grupo, em especial, o excepcional guitarrista Jonny Greenwood, que abdicou de linhas mais tradicionais de seu instrumento para completar a obra com barulhos ora estranhos e assustadores, ora sublimes, e que remetem diretamente aos temas abordados. Esse nível absurdo de experimentalismo rendeu momentos memoráveis ao longo de todo o disco. É música mas passa a impressão de ser outra coisa, ainda maior.

E, as canções propriamente ditas? Bem, mesmo fazendo parte de um conjunto maior, isoladamente, elas possuem atrativos variados. Desde o caos obscuro de "Paranoid Android" à calma inquietante de "No Surprises", não há uma composição a ser considerada apenas mediana. Em se tratando de Radiohead, temos, claro, músicas com belos e trabalhados arranjos, como "Subterranean Homesick Alien" e "Let Down". As não menos soberbas "Karma Police" e "The Tourist" são um misto disso tudo. Ao final, sensações se intercalam; solidão, desespero, esperança, fé... Via pela ótica e pelo momento.




"Ok Computer" pode ser classificado de diversas maneiras. Se for para tachá-lo como o último grande disco do milênio passado, é válido. A prova de que algo com extrema qualidade pode atingir o grande público? Justo. Ou seria apenas um fantástico conjunto de músicas? Ok. Ok, people. Ok, world. Ok, computer! A máquina pode estar vencendo, porém, a depender do Radiohead, nossos ouvidos já foram salvos.


NOTA: 10/10. 




Algumas curiosidades:

* No encarte, na letra de "Airbag", há um código: "1421421". A especulação é que se trata de uma referência a um livro de Douglas Adams, que conclui que o "significado do universo é 42". O número 1 seria a repetição da pergunta: "Qual o significado do Universo?"

* Na letra de "No Suprises", a referência é "ocmcocmcocmk", que pode dizer respeito ao monóxido de carbono (CO), de que Yorke fala na música.

* As letras do disco estão escritas de maneira desordenada. A única exceção é a de "Fitter, Happier", o que indica que apenas as máquinas são organizadas.

* Na parte de trás do encarte, há um número: 18576397. Os músicos negam, mas trata-se do momento exato em que o disco foi concluído: 18H57 de 6/3/97.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Dica Cultural

Festival MIMO 2016
Programação Olinda


MIMO significa Mostra Internacional de Música em Olinda. E, também resistência de arte da melhor qualidade. Nasceu em 2004, na cidade pernambucana que leva seu nome, e que hoje é patrimônio histórico da humanidade. O que não significa que o festival não ocorra em outros lugares, como vem acontecendo há alguns anos. Este ano, por exemplo, em sua 13ª edição, a MIMO já desembarcou em Portugal, e nas cidades brasileiras de Ouro Preto, Tiradentes, Paraty e, nos próximos dias, no Rio de Janeiro. E, claro, haverá espaço para sua cidade natal, Olinda, que irá abarcar inúmeras atrações de peso entre os dias 18 e 20 de novembro próximos.
A seguir, a programação completa da MIMO em Olinda.


CONCERTOS

18 Novembro / Sexta-Feira

Zeca Baleiro - Violoncelo e Piano
18h - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

João Fênix
19h - Igreja do Carmo

João Bosco & Hamilton d Holanda
19h30 - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

Mário Laginha & Pedro Burmes…