Pular para o conteúdo principal
DICA DE FILME

"AMORES ETERNOS" (2013)




A mescla de romance com vampirismo ainda sofre da "síndrome Crepúsculo", onde esses dois elementos passaram a ser vistos com maus olhos após o furacão da referida saga de Edward e cia. Mas, como toda regra gera suas honrosas exceções, "Amores Eternos", mais recente filme do sempre insano Jim Jarmusch, vem mostrar que esses seres noturnos podem ter inquietações bem mais interessantes e intimistas.

Os dois protagonistas dessa produção já viveram bastante, estão juntos há muito tempo e parecem estar confortáveis em suas vidas eternas. Ela, bem resolvida, buscando sangue bom para beber com um antigo amigo, e ele, buscando o mesmo sangue com a ajuda de um médico num hospital, tem um verdadeiro estúdio de música em sua casa, onde coleciona vinis, guitarras e grava diversas composições suas (todas bastante sombrias, e, porque não dizer, góticas). Porém, algo o inquieta, e não se trata de um amor adolescente mal resolvido. Sua impaciência vem dos que ele chama "zumbis", uma provável analogia às pessoas atuais.




Ele recorda-se com nítida depressão de épocas passadas, e esparsamente se diverte ao lembrar de personagens pitorescos, como Lord Byron. Mas, entristece-se com facilidade quando pensa em mentes brilhantes que foram perseguidas na história, como Galileu, Copérnico e Darwin. É daí que surgem as inspirações para compor suas músicas. O casal principal, inclusive, não se intimida com a tecnologia moderna. O modo como a internet e outros meios de comunicação recentes são usados no roteiro são bastante críveis.

"Amores Eternos", é bom que se diga, é um filme de contemplação, mais precisamente, de admiração a muitas formas de arte. O longa presta reverência não só à música, mas à literatura e ao próprio cinema. São cenas que, muitas vezes, parecem ser personagens próprios na estória. Numa hora, vemos o panorama de uma centena de livros bem arrumados e cuidados, e em outra, um número musical, onde os protagonistas dançam, e se fundem ao cenário, com muita plástica e beleza.




As críticas à sociedade contemporânea também aparecem, porém, poderiam ter sido melhor exploradas pelo enredo. Questões óbvias como a solidão e a ganância são identificáveis, no entanto, não têm o peso necessário para fazer crer que incomodam realmente o casal de vampiros, o que poderia fazê-los rever seus conceitos, recorrendo, por sinal, a métodos antigos para sobreviverem (algo que fica bem claro na sequência final do longa). Esse, contudo, é um momento isolado, e não algo contínuo ao longo da narrativa.

Mas, isso, necessariamente, não tira os outros méritos do filme, principalmente se levarmos em consideração que o estilo de Jarmusch nunca foi o de contestador de valores, mas o de expositor de um ou outro inconformismo. Que a ação, portanto, fique a cargo do espectador. De qualquer jeito, "Amores Eternos" não deixa de ser uma produção interessante. Evidente que os apreciadores de música e de literatura irão conseguir apreciá-lo mais, só que a estória, mesmo se estendendo um pouco além da conta, sustenta-se bem, com a ajuda dos atores principais, com destaque para Tom Hiddleston (o para sempre lembrado Loki, da cine-série Thor).




Trata-se, por fim, de mais um bom filme com o estilo pouco usual de Jim Jarmusch, que já nos presenteou com produções melhores, é verdade, mas que ainda continua realizando um bom exercício de linguagem de se ver.


NOTA: 8/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Mulher Maravilha"
2017
Direção: Patty Jenkins


MAIS UM FILME DE SUPER-HERÓI GENÉRICO, "MULHER MARAVILHA" PECA, IRONICAMENTE, POR TER UM SUB-TEXTO MACHISTA EM SUAS ENTRELINHAS
Estamos diante de mais um filme de super-heróis, mais um do universo expandido da DC Comics no cinema, mais um com a enorme responsabilidade de entregar um material minimamente interessante, ao contrários dos pífios "Batman vs Superman" e "Esquadrão Suicida", sem dúvida, os dois piores filmes do gênero desses últimos anos, ao lado de "Quarteto Fantástico". Ou seja, "Mulher Maravilha" chega com uma tremenda carga a ser superada. A pergunta é: conseguiu cumprir a sua missão? Bem, digamos que sim e não. Ao mesmo tempo em que o filme acerta em alguns pontos que ficaram devendo em produções anteriores, ele também erra ao repetir alguns dos erros mais corriqueiros de longas do gênero, com um agravante que pode até causar certa polê…