Pular para o conteúdo principal
DICA DE LIVRO 

"O MESTRE E MARGARIDA" 
(Escrito entre 1929 e 1940, e publicado entre 1966 e 1967)




O Diabo; ah, o Diabo...

Essa figura ímpar da nossa cultura... Amado e odiado em desiguais proporções, já foi personagem principal e coadjuvante em diversas manifestações artísticas, do cinema à literatura. "Fausto", do alemão Goethe, talvez seja a primeira obra literária que nos vem à cabeça quando se trata do coisa ruim e a partir deste, vender a própria alma em troca de dinheiro, poder e juventude virou mote para outros vários autores.

Mikhail Bulgákov, escritor soviético de grande importância para o século 20, fez uma obra em que o Diabo não é necessariamente o protagonista, mas que controla a narrativa de tal forma que passa a ser o responsável, direta e indiretamente, por todas as ações dos personagens. A estória, de um realismo fantástico fascinante: a chegada do Demônio e uma inusitada comitiva (incluindo em gigantesco gato que fala) a uma Moscou imersa em pleno comunismo.




Mas, não nos enganemos... O livro vai bem mais além do que um argumento interessante.

É bom que se diga que Bulgákov teve receio em publicar a obra em vida, devido a perseguições do regime de Stálin. Então, ele, num primeiro momento, destruiu os manuscritos iniciais de "O Mestre e Margarida", e depois reescreveu tudo, sob a revisão da sua esposa. Foram árduos 11 anos para concluir a obra. E, detalhe: ela só veio a ser publicada 26 anos após a morte do escritor, o que claro, chocou o público, que veio a descobrir tão tardiamente tão bela obra.

Devido às perseguições que sofreu, Bulgákov, passou para a sua obra máxima muitas referências sobre a falta de liberdade do cidadão e sistemas autoritários como um todo. Não à toa, o Diabo, num determinado momento, diz que o mestre (personagem que dá nome ao livro), que estava internado num hospício, iria deixar de existir somente porque seus documentos seriam destruídos. Nada mais comum em regimes totalitários em relação a desaparecidos políticos. Isso faz lembrar, inclusive, da estória dos documentos que eram reescritos em "1984", de George Orwell.




Mas "O Mestre e Margarida" não é somente referência e alegorias da própria sociedade em que o autor do livro vivia. Ele também expressa lados humanos, especialmente a cobiça, a inveja e a avareza. O Diabo, como observador atentíssimo, vê a decadência moral das pessoas, e, se entristece.

Com o avançar da leitura, vamos vendo que o mestre e o Demônio narrador possuem muitas similaridades. Estão cansados. Exaustos. Não querem a luz, e sim, a paz. Mas enquanto isso, a comitiva que veio acompanhando o Demônio leva aos habitante de Moscou a todo tipo de destruição e loucura. Uns até tentam duvidar do que seus olhos veem, conservando um cômodo ceticismo. Outros, irremediavelmente jogam por terra seus conceitos, até então, inabaláveis.




Este não é, de forma alguma, um livro difícil, porém, em muitos momentos, sofrido. A busca dos protagonistas por algo a mais do que lhes é oferecido em vida é tocante. Um vazio, que é preenchido com riquezas materiais. O amor, que é reprimido em nome de convenções sociais. A fé, que é abolida num mundo racionalista. E, a consciência, que se extingue junto com todos esses fatores. Do essencial, pouco ou nada fica.

"O Meste e Margarida" é um livro de alerta. Um grito em prol de nossa humanidade. Por vezes, cínico e mordaz, mas, no geral, honesto e cativante.

CURIOSIDADE:
Após ler este livro, Mike Jagger teve a inspiração de compôr a música "Sympathy For The Devil", uma das mais controversas e melhores músicas dos Rolling Stones. "Prazer em conhecê-lo / Espero que adivinhe meu nome / Mas o que está te intrigando / É a natureza de meu jogo."




NOTA: 10/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Mulher Maravilha"
2017
Direção: Patty Jenkins


MAIS UM FILME DE SUPER-HERÓI GENÉRICO, "MULHER MARAVILHA" PECA, IRONICAMENTE, POR TER UM SUB-TEXTO MACHISTA EM SUAS ENTRELINHAS
Estamos diante de mais um filme de super-heróis, mais um do universo expandido da DC Comics no cinema, mais um com a enorme responsabilidade de entregar um material minimamente interessante, ao contrários dos pífios "Batman vs Superman" e "Esquadrão Suicida", sem dúvida, os dois piores filmes do gênero desses últimos anos, ao lado de "Quarteto Fantástico". Ou seja, "Mulher Maravilha" chega com uma tremenda carga a ser superada. A pergunta é: conseguiu cumprir a sua missão? Bem, digamos que sim e não. Ao mesmo tempo em que o filme acerta em alguns pontos que ficaram devendo em produções anteriores, ele também erra ao repetir alguns dos erros mais corriqueiros de longas do gênero, com um agravante que pode até causar certa polê…